MÉTODOS DE ESTIMAÇÃO DO TAMANHO ÓTIMO DE PARCELA EM AVEIA PRETA, ERVILHACA E NABO FORRAGEIRO CULTIVADAS EM CONSÓRCIO

Autores

Palavras-chave:

Avena strigosa Schreb. Vicia sativa L. Raphanus sativus L. Ensaio de uniformidade. Planejamento de experimento.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi comparar três métodos de estimação do tamanho ótimo de parcela para avaliar a matéria fresca de aveia preta (Avena strigosa Schreb), ervilhaca (Vicia sativa L.) e nabo forrageiro (Raphanus sativus L.), cultivadas em consórcio. Foram conduzidos seis ensaios de uniformidade com o consórcio de aveia preta, ervilhaca e nabo forrageiro, sendo três ensaios avaliados aos 84 dias após a semeadura e os outros três ensaios aos 119 dias após a semeadura. Foi avaliada a matéria fresca em 216 unidades experimentais básicas (36 por ensaio) de 1 m × 1 m. Foi determinado o tamanho ótimo de parcela por meio dos métodos da curvatura máxima modificado, do modelo linear de resposta com platô e do modelo quadrático de resposta com platô. O tamanho ótimo de parcela difere entre os métodos e decresce na seguinte ordem: modelo quadrático de resposta com platô (15,13 m2), modelo linear de resposta com platô (8,24 m2) e curvatura máxima modificado (5,62 m2). O tamanho ótimo de parcela para avaliar a matéria fresca de aveia preta, ervilhaca e nabo forrageiro, cultivadas em consórcio é de 15,13 m2. Esse tamanho pode ser utilizado como referência para futuros experimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22: 711-728, 2013.

BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. N. Experimentação agrícola. 4. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP, 2006. 237 p.

BRITO, M. C. M. et al. Estimação do tamanho ótimo de parcela via regressão antitônica. Revista Brasileira de Biometria, 30: 353-366, 2012.

CARGNELUTTI FILHO, A. et al. Tamanhos de parcela e de ensaio de uniformidade em nabo forrageiro. Ciência Rural, 41: 1517-1525, 2011.

CARGNELUTTI FILHO, A. et al. Planejamentos experimentais em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha. Bioscience Journal, 30: 677-686, 2014b.

CARGNELUTTI FILHO, A. et al. Tamanho de parcela e número de repetições em aveia preta. Ciência Rural, 44: 1732-1739, 2014a.

CARGNELUTTI FILHO, A. et al. Tamanho de unidades experimentais básicas e tamanho ótimo de parcelas para nabo-forrageiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 51: 309-319, 2016.

CARGNELUTTI FILHO, A. et al. Plot size and number of repetitions in vetch. Bragantia, 76: 178-188, 2017.

CARGNELUTTI FILHO, A. et al. Optimal plot size for experiments with black oats and the common vetch. Ciência Rural, 50: e20190123, 2020.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer analysis system to fixed effects split plot type designs. Revista Brasileira de Biometria, 37: 529-535, 2019.

GUIMARÃES, B. V. C. et al. Methods for estimating optimum plot size for ‘Gigante’ cactus pear. Journal of Agricultural Science, 11: 205-211, 2019.

HASKEL, M. K. et al. Alterações na taxa de cobertura e rugosidade superficial do solo conduzido sob plantio direto e sistemas de preparo. Research, Society and Development, 9: e9819109236, 2020.

HATHEWAY, W. H. Convenient plot size. Agronomy Journal, 53: 279-280, 1961.

MEIER, V. D.; LESSMAN, K. J. Estimation of optimum field plot shape and size for testing yield in Crambe abyssinica Hochst. Crop Science, 11: 648-650, 1971.

MICHELON, C. J. et al. Atributos do solo e produtividade do milho cultivado em sucessão a plantas de cobertura de inverno. Revista de Ciências Agroveterinárias, 18: 230-239, 2019.

PARANAÍBA, P. F.; FERREIRA, D. F.; MORAIS, A. R. Tamanho ótimo de parcelas experimentais: proposição de métodos de estimação. Revista Brasileira de Biometria, 27: 255-268, 2009a.

PARANAÍBA, P. F.; MORAIS, A. R.; FERREIRA, D. F. Tamanho ótimo de parcelas experimentais: comparação de métodos em experimentos de trigo e mandioca. Revista Brasileira de Biometria, 27: 81-90, 2009b.

PEIXOTO, A. P. B.; FARIA, G. A.; MORAIS, A. R. Modelos de regressão com platô na estimativa do tamanho de parcelas em experimento de conservação in vitro de maracujazeiro. Ciência Rural, 41: 1907-1913, 2011.

PIMENTEL-GOMES, F. Curso de estatística experimental. 15. ed. Piracicaba, SP: FEALQ, 2009. 451 p.

R Development Core Team R: A Language and Environment for Statistical Computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing. 2021.

RIGON, J. P. G. et al. Sucessão de plantas de cobertura sobre os componentes de rendimento no feijoeiro. Revista Verde, 6: 196-203, 2011.

SANTOS, H. G. et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. revisada e ampliada. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 356 p. Disponível em: <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/handle/doc/1094003>. Acesso em: 15 jan. 2021.

SMITH, H. F. An empirical law describing heterogeneity in the yields of agricultural crops. Journal of Agricultural Science, 28: 1-23, 1938.

SOUSA, R. P.; SILVA, P. S. L.; ASSIS, J. P. Tamanho e forma de parcelas para experimentos com girassol. Revista Ciência Agronômica, 47: 683-690, 2016.

STORCK, L. et al. Experimentação vegetal, 3. ed., Santa Maria, RS: UFSM. 2016. 200 p.

WILLMOTT, C. J. On the validation of models. Physical Geography, 2: 184-194, 1981.

WOLSCHICK, N. H. et al. Cobertura do solo, produção de biomassa e acúmulo de nutrientes por plantas de cobertura. Revista de Ciências Agroveterinárias, 15: 134-143, 2016.

ZIECH, A. R. D. et al. Proteção do solo por plantas de cobertura de ciclo hibernal na região Sul do Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 50: 374-382, 2015.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Nota Técnica