REAÇÃO DE ACESSOS DE FEIJÃO-FAVA (Phaseolus lunatus L.) A Colletotrichum truncatum

Autores

  • Rommel dos Santos Siqueira Gomes Department of Fhytotechnics and Environmental Sciences, Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB https://orcid.org/0000-0001-7596-3221
  • João Victor da Silva Martins Department of Agronomy, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG https://orcid.org/0000-0001-5388-2543
  • Edcarlos Camilo da Silva Department of Fhytotechnics and Environmental Sciences, Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB https://orcid.org/0000-0001-9990-8630
  • Hiago Antônio Oliveira da Silva Departament of Plant Pathology, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG https://orcid.org/0000-0002-9159-1744
  • Luciana Cordeiro Nascimento Department of Fhytotechnics and Environmental Sciences, Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB https://orcid.org/0000-0002-5706-7041

Palavras-chave:

Phaseolus lunatus. Antracnose. Resistência. Severidade.

Resumo

A cultura do feijão fava (Phaseolus lunatus) pode ser considerada uma alternativa de renda e fonte de alimento aos agricultores do Nordeste brasileiro, no entanto depara-se com graves problemas sanitários. Dentre as principais doenças encontradas em campos de produção, destaca-se a antracnose causada por Colletotrichum truncatum. O objetivo do trabalho foi determinar a resistência de acessos de feijão fava a isolados de C. truncatum. Foram utilizadas folhas destacadas pertencentes a dez acessos de feijão-fava originados de campos de produção no Estado da Paraíba, inoculadas artificialmente por dez isolados de C. truncatum. Os isolados foram cultivados em meio de cultura feijão, dextrose e ágar, sob temperatura de 27 ± 2 ºC e fotoperíodo de 12 horas durante quatorze dias. As avaliações de resistência foram realizadas aos 5, 7, 9, 11 e 13 dias após a inoculação, adotando-se escala de notas e os resultados foram transformados em área abaixo da curva de progresso da doença. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, arranjados em esquema fatorial 10x10 com 12 repetições. Os primeiros sintomas da antracnose surgiram a partir do terceiro dias após a inoculação. A maior agressividade entre os isolados de C. truncatum aos acessos de feijão fava foi observada para o isolado CT35. Os acessos foram agrupados de altamente a moderadamente resistente ou suscetível. A agressividade entre os isolados de C. truncatum foi alterada em função da variabilidade de resistência dos acessos de feijão-fava. Os acessos com grau de resistência à antracnose podem servir de fontes de resistência em cruzamentos futuros.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Cordeiro Nascimento, Department of Fhytotechnics and Environmental Sciences, Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB

Professora de Fitopatologia do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais

Referências

BITENCOURT, N. A.; SILVA, G. S. Reação de genótipos de fava a Meloidogyne incognita e M. enterolobii. Nematologia Brasileira, 34: 184-186, 2010.

CAMPBELL, C. L.; MADDEN, L. V. Introduction to plant disease epidemiology. New York: John Wiley & Sons, 1990. 532 p.

CARMO, M. D. S. et al. Avaliação de acessos de feijão-fava, para resistência a Colletotrichum truncatum, em condições de folhas destacadas e campo. Summa Phytopathologica, 41: 292-297, 2015.

CAVALCANTE, G. R. S. et al. Reação de subamostras de feijão-fava à antracnose. Summa Phytopathologica, 38: 329-333, 2012.

CAVALCANTE, G. R. et al. Diversity, prevalence, and virulence of Colletotrichum species associated with lima bean in Brazil. Plant Disease, 103: 1961-1966, 2019.

CHONGO, G.; GOSSEN, B. D.; BERNIER, C. C. Infection by Colletotrichum truncatum in resistant and susceptible lentil genotypes. Canadian Journal of Plant Pathology, 24: 81-85, 2002.

COSTA, I. F. D. et al. Reação de germoplasma comercial de soja a Colletotrichum truncatum. Tropical Plant Pathology, 34: 47-50, 2009.

COSTA, C. D. N. et al. Seed size influences the promoting activity of rhizobia on plant growth, nodulation and N fixation in lima bean. Ciência Rural, 51: e20200246, 2021.

FEIJÓ, F. M. et al. Análise de escala diagramática para avaliação da severidade da antracnose das vagens de feijão-fava. Revista Ciência Agrícola, 15:43-51, 2017.

FERREIRA, D. Um sistema de análise computadorizada para efeitos fixos desenhos tipo plot plot: Sisvar. Revista Brasileira de Biometria, 37: 529-535, 2019.

GARCÍA, M. E. M. et al. Reaction of lima bean genotypes to Macrophomina phaseolina. Summa Phytopathologica, 45: 11-17, 2019.

GUIMARÃES, W. N. R. et al. Caracterização morfológica e molecular de acessos de feijão-fava (Phaseolus lunatus L.). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 11: 37-45, 2007.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Culturas temporárias e permanentes. Disponível em: www.sidra.ibge.gov.br/Tabela/1612. Acesso em: 18 jan. 2020.

LUCENA, F. T. et al. Reaction of lima bean accessions to Meloidogyne javanica. Pesquisa Agropecuária Tropical, 48: 36-42, 2018.

MAFACIOLI, R. et al. Variabilidade patogênica e efeito de carboidratos no crescimento micelial, esporulação e agressividade de Colletotrichum gloeosporioides da pupunheira. Summa Phytopathologica, 34: 18-21, 2008.

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: SNDA/DNDV/CLAV, 2009. 365 p.

MOTA, J. M. D. et al. Transmission of Colletotrichum truncatum and Macrophomina phaseolina by lima bean seeds. Summa Phytopathologica, 45: 33-37, 2019.

NOETZOLD, R. et al. Variabilidade espacial de Colletotrichum truncatum em campo de soja sob três níveis de sanidade de sementes. Summa Phytopathologica, 40: 16-23, 2014.

OLIVEIRA, M. C. P. et al. Fenologia e desenvolvimento vegetativo. In: LOPES, A. C. A.; GOMES, R. L. F.; ARAÚJO, A. S. F. (Eds.). A cultura do feijão-fava no Meio-Norte do Brasil. Teresina, PI: EDUFPI, 2010, v. 1, cap. 07, p. 103-116

PEREIRA, I. S. et al. Resistance of parent lines and simple hybrids of sorghum to anthracnose fungus Colletotrichum sublineolum. Revista Caatinga, 24: 46-51, 2011.

SANTOS, A. R. B. et al. Seleção de subamostras de feijão-fava para resistência à antracnose. Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas, 9: 268-278, 2015.

SANTOS, D. et al. Produtividade e morfologia de vagens e sementes de variedades de fava no Estado da Paraíba. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 37: 1407-1412, 2002.

SILVA, J. A. et al. Reação de genótipos de feijão-fava a Sclerotium rolfsii. Horticultura Brasileira, 32: 98-101, 2014.

SOARES, C. A. Aspectos socioeconômicos. In: LOPES, A. C. A.; GOMES, R. L. F.; ARAÚJO, A. S. F. (Eds.). A cultura do feijão-fava no Meio-Norte do Brasil. Teresina, PI: EDUFPI, 2010, v. 1, cap.12, p. 237-263.

SOUSA, E. S. et al. Colletotrichum species causing anthracnose on lima bean in Brazil. Tropical Plant Pathology, 43: 78-84, 2018.

SOUZA, B. O. et al. Management of sorghum anthracnose through diversification of genetic resistance in host population. Tropical Plant Pathology, 38: 20-27, 2013.

SPONHOLZ, C. et al. Reação de genótipos de feijão-caupi à Colletotrichum truncatum. Teresina, PI: INFOTECA-E. 2016, 18 p.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Agronomia