ADUBAÇÃO COM BORO E ZINCO NO CULTIVO DE MILHO EM NEOSSOLO LITÓLICO DISTRÓFICO

Autores

  • Sihélio Júlio Silva Cruz Department of Agronomy, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Iporá, GO https://orcid.org/0000-0002-1602-5312
  • José Roberto da Costa Júnior Department of Agronomy, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Rio Verde, GO https://orcid.org/0000-0001-9064-7040
  • Silvia Sanielle Costa de Oliveira Department of Agronomy, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Iporá, GO https://orcid.org/0000-0002-3476-1807
  • Vanessa de Fátima Grah Ponciano Department of Agronomy, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Iporá, GO https://orcid.org/0000-0001-7177-8942
  • Romano Roberto Valicheski Department of Agronomy, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Iporá, GO https://orcid.org/0000-0002-9623-1385

Palavras-chave:

Zea Mays L. Nutrição mineral. Micronutriente.

Resumo

O objetivo desse trabalho foi avaliar o efeito da aplicação via solo de doses de boro (B), com ou sem adubação com zinco (Zn), sobre o crescimento, componentes de produção e produtividade do Milho em Neossolo Litólico distrófico, com baixos teores de B e Zn. O delineamento experimental utilizado foi blocos casualizados, em esquema fatorial 6 x 2, correspondente a seis doses de (B) aplicadas no solo (0, 1, 2, 3, 4 e 5 kg ha-1) e, sem e com adubação de Zn (2,0 kg ha-1 de Zn), ambas realizadas na semeadura, com quatro repetições. No estádio fenológico R1, foram avaliadas as variáveis de crescimento: diâmetro de colmo e altura de plantas, juntamente com o índice SPAD de clorofila. No estádio fenológico R6 foram analisados comprimento da espiga; massa de mil grãos, produtividade e dose de máxima eficiência (DME).  A adubação com boro e zinco aumenta a produtividade do milho em solo com textura franco-argilo arenosa e baixos teores desses elementos, existindo sinergismo na absorção e metabolismo da planta quando se aplica 1,0 kg ha-1 de B juntamente com 2,0 kg de Zn ha-1 via solo no sulco de plantio. Neste estudo, as doses de máxima eficiência técnica para produtividade de grãos foi de 3,29 e 4,31 kg de B ha-1 para os tratamentos sem e com adubação com Zn.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, E. O.; SILVA, M. A. C. Interação boro e zinco no crescimento, desenvolvimento e nutrição do algodoeiro. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 7: 720-727, 2012.

ABREU, J. A. A. et. al. Zinco: necessário para a produção de milho em solo de várzea (Iranduba) amazonas. Revista de Educação, Ciência e Tecnologia do IFAM. 10: 120-134, 2016.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: MAPA/ACS, 2009. 395 p.

CARDOSO, M. R. D.; MARCUZZO, F. F. N.; BARROS, J. R. Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geográfica, 28: 40-55, 2015.

CASTILLO, G. A. Importância do boro para cultura da soja. 3r lab. 2016. Disponível em: <https://3rlab.wordpress.com/2016/10/05/aimportancia-do-boro-para-cultura-da-soja/>. Acesso em: 21 dez. 2021.

CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Análise do mercado agropecuário e extrativista. 2020. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/info-agro/analises-do-mercado-agropecuario-eextrativista/analises-do-mercado/historico-mensal-de-milho>. Acesso em: 10 mai. 2021.

CRUZ, S. J. S. Características morfofisiológicas de plantas e produtividade do milho. 2013. 77 f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, 2013.

DOURADO NETO, D. et. al. Efeito de boro e nitrogênio na cultura do milho. INSULA, 33: 51-67, 2004.

FANCELLI, A. L. Milho: Estratégias de Manejo. Edição de Antonio Luiz Fancelli. Piracicaba, SP: USP/ESALQ/LPV, 2013.

FANCELLI, A. L.; DOURADO NETO, D. Produção de milho. Guaíba: Agropecuária, 2000. 360 p.

GUPTA, N.; RAM, H.; KUMAR, B. Mechanism of Zinc absorption in plants: Uptake, transport, translocation and accumulation. Reviews in Environmental Science and Bio/Technology, 15: 89-109, 2016.

HANSEL, F, D.; OLIVEIRA, M, L. Importância dos micronutrientes na cultura da soja no Brasil. Informações Agronômicas. In: IPNI – International Plant Nutrition Institute, 153, 2016. 8 p.

JAMAMI, N, et al. Resposta da cultura do milho (Zea mays L.) à aplicação de boro e de zinco no solo. Acta Scientiarum. Agronomy, 28: 99-105, 2006.

KÖPPEN, W. Versuch einer Klassifikation der Klimate, vorzugsweise nach ihren Beziehungen zur Pflanzenwelt. Geographische Zeitschrift, 6: 657–679, 1900.

MAGALHÃES, P. C. et al. Fisiologia da produção de milho. Sete Lagoas, MG: Embrapa Milho e Sorgo. 2006. 10 p. (Circular técnica, 76).

MOUSAVI, S. R.; GALAVI, M.; REZAEI, M. Zinc (Zn) importance for crop production-a review. International Journal of Agronomy and Plant Production. 4: 64–68, 2013.

NOGUEIRA, L. M. Doses e modos de aplicação de boro e adubação com zinco na cultura do milho. 2016. 67 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Estadual Paulista "Júlio de mesquita Filho", Ilha Solteira, 2016.

OLIVEIRA, T. P. et al. Atributos químicos de um Neossolo Quartzarênico de cerrado sob diferentes sistemas de uso e manejo. Revista de Agricultura Neotropical, 4: 72-78, 2017.

POSSAN, A. Avaliação na aplicação de cálcio e boro, no estádio de floração na cultura da soja (Glycine max L. Merril) nas regiões do oeste catarinense. Monografia de conclusão de curso. 41 f. Universidade Comunitária da região de Chapecó. 2010.

SANTOS, H. G. et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 356 p.

SOARES, M. A. Influência de nitrogênio, zinco e boro e de suas respectivas interações no desenvolvimento da cultura do milho (Zea mays L.). 2003. 112 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia: Área de Concentração em Fitotecnia), Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2003.

SOOMRO, Z. H.; BALOCH, P. A.; GANDHAIL, A. W. Comparative Effect of Foliar and soil applied Boron on Growth and Fodder Yield of Maize. Pakistan Journal of Agriculture And Veterinary Sciences, 27: 18-26. 2015.

SONGKHUM, P. et al. Controlled release studies of boron and zinc from layered double hydroxides as the micronutrient hosts for agricultural application. Applied Clay Science, 152: 311-322, 2018.

SOUSA, D. M. G.; LOBATO, E. Cerrado: Correção do solo e adubação. 2. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2004. 416 p.

SOUZA, J. A. et. al. Teor de clorofila e produtividade do trigo em razão da adubação foliar com boro na presença de aminoácidos. In: IV PARANAENSE DE REUNIÃO CIÊNCIA DO SOLO, 2015, Cascavel. Anais... Cascavel: SBCS, 2015. p. 357-357.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 888 p.

TEIXEIRA, P. C. et. al. Manual de métodos de análise de solo. 3. ed. Revisada e ampliada. Brasília, DF: Embrapa, 2017. 573 p.

TOMBULOGLU, H. et al. Aquaporins in Boron-Tolerant Barley: Identification, Characterization, and Expression Analysis. Plant Molecular Biology Reporter, 34: 374–386, 2016.

WIMMER, M. A.; EICHERT, T. Review: mechanisms for boron deficiency-mediated changes in plant water relations. Plant Science, 204: 25–32. 2013.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Agronomia