CRIOPRESERVAÇÃO DE SEMENTES DA ESPÉCIE NATIVA DO BRASIL AROEIRA-DO-SERTÃO (Astronium urundeuva M. Allemão Engl.)

Autores

  • Jean Carlo Baudraz de Paula Agrarian Sciences Center, Department of Agronomy, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR https://orcid.org/0000-0002-3695-3386
  • Hugo Roldi Guariz Agrarian Sciences Center, Department of Agronomy, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR https://orcid.org/0000-0003-4343-379X
  • Walter Aparecido Ribeiro Júnior Agrarian Sciences Center, Department of Agronomy, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR https://orcid.org/0000-0002-6612-0924
  • Gabriel Danilo Shimizu Agrarian Sciences Center, Department of Agronomy, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR https://orcid.org/0000-0001-8524-508X
  • Ricardo Tadeu de Faria Agrarian Sciences Center, Department of Agronomy, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR https://orcid.org/0000-0002-7595-1965
  • Halley Caixeta de Oliveira Biological Science Center, Departament of Animal and Plant Biology, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR https://orcid.org/0000-0002-5487-4964

Palavras-chave:

Conservação de sementes. Nitrogênio líquido. Espécie arbórea.

Resumo

A aroeira-do-sertão é uma espécie nativa do Brasil que está sendo explorada de forma predatória. Como a população desta espécie vem sendo reduzida, técnicas de preservação são fundamentais, como a conservação em nitrogênio líquido (NL). Objetivou-se avaliar diferentes soluções crioprotetoras na criopreservação em NL (-196 °C) de sementes de aroeira-do-sertão. Os tratamentos foram: controle (7,5±1,5 °C); NL sem crioprotetor; sacarose 0,4 mol L-1; sacarose 0,8 mol L-1; glicerol 1 mol L-1; glicerol 2 mol L-1; PVS1 (solução de vitrificação de plantas); PVS2; PVS2 + 1% floroglucinol e PVS3. As sementes permaneceram congeladas por 120 dias. Antes da criopreservação, as sementes foram caracterizadas quanto à germinação e teor de água. Ao sétimo dia avaliaram-se diversos parâmetros de germinação e após 150 dias de cultivo, variáveis de crescimento das plantas. As sementes apresentaram 9,2% de teor de água e 74% de germinação antes da criopreservação. No controle, a germinação foi de 55%, enquanto na criopreservação, variou de 61 a 69%, mostrando efeito positivo da criopreservação, mesmo sem o uso de crioprotetores (69%). Observou-se modelo trifásico de absorção de água nas sementes, onde o NL promoveu antecipação da germinação, que se iniciou com 56 horas, enquanto o controle iniciou a germinação após 66 horas. As plantas após 150 dias de cultivo apresentaram desenvolvimento satisfatório de suas partes conforme verificado pelo índice de qualidade de Dickson (IQD). O uso de crioprotetores não influencia a germinação e crescimento inicial das plantas. As sementes de aroeira-do-sertão com 9,2% de teor de água podem ser criopreservadas em NL sem crioprotetores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, A. H. M. D. et al. Characterization of biosolids and potential use in the production of seedlings of Schinus terebinthifolia Raddi. Engenharia Sanitária e Ambiental, 3: 591-599, 2019.

ARAÚJO, D. S. et al. Crioprotetores na criopreservação de sementes de Passiflora mucronata Lam. Iheringia, Série Botânica, 74: e2019008, 2019.

BALLESTEROS, D.; SLEZIAK, N. F.; DAVIES, R. M. Cryopreservation of seeds and seed embryos in orthodox, intermediate and recalcitrant-seeded species. Humana Press, 2189: 663-682, 2021.

BARROS, A. S. R. et al. In: Vigor de sementes: conceitos e testes. 2.ed. Londrina, PR: ABRATES, 2021. 601 p.

BARROZO, L. M. et al. Qualidade fisiológica de sementes e plântulas de ingá armazenadas e semeadas em diferentes ambientes. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, 15: e8979, 2022.

BOUTEAU, H. E. M. The Seed and the metabolism regulation. Biology, 11: 1-16, 2022.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: Mapa/ACS, 2009. 399 p.

CAÇULA, B. T. S. et al. Potencial germinativo de sementes de feijão caupi, cv.BRS Potengi, após condicionamento fisiológico. Diversitas Journal, 1: 90-105, 2022.

COELHO, N.; GONÇALVES, S.; ROMANO, A. Endemic plant species conservation: Biotechnological approaches. Plants, 9: 345-367, 2020.

CNCFLORA. Myracrodruon urundeuva. In: Lista vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em: <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Myracrodruon urundeuva>. Acesso em: 19 jan. 2022.

CUNHA, M. C. L. et al. Teor de umidade e perda de viabilidade de sementes de Cynophalla flexuosa. Advances in Forestry Science, 6: 575-581, 2019.

DICKSON, A.; LEAF, A. L.; HOSNER, J. F. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. Forest Chronicle, 36: 10-13, 1960.

FIOR, C. S.; CAMPOS, S. S.; SCHWARZ, S. F. Tolerância à dessecação e armazenamento em temperatura sub-zero de sementes de Butia odorata (Barb. Rodr.) Noblick. Iheringea, Série Botânica, 75: e2020019, 2020.

GUEDES, R. S. et al. Armazenamento de sementes de Myracrodruon urundeuva Fr. All. em diferentes embalagens e ambientes. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 14: 68-75 2012.

LAVÔR, D. T.; LAVOR, I. A.; SANTOS, A. C. V. Ethnobotanical use of the species Myracrodruon urundeuva Allemão in rural communities, Pernambuco, Brazil. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, 4: 6578-6588, 2021.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2: 176-177, 1962.

MATILLA, A. J. The orthodox dry seeds are alive: a clear example of desiccation tolerance. Plants, 11: 1-20, 2021.

MURASHIGE, T.; SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bioassays with Tobacco tissue cultures. Physiologia Plantarum, 15: 473-497, 1962.

NASCIMENTO, G. R.; LOPES, J. C.; ALEXANDRE, R. S. Biometry and seed imbibition of Passifloraspp. submitted to treatments to overcome tegumentary numbness. Research, Society and Development, 11: e58911226107, 2022.

OHSE, S. Recalcitrant seeds: an overview. Visão Acadêmica, 23: 15-48, 2022.

PAULA, J. C. B. et al. Cryopreservation in liquid nitrogen of Brazilian orchid seeds Miltonia flavescens Lindl. Revista Agro@mbiente, 14: 1-11 2020.

PEREIRA, C. F. C. P. et al. Cryopreservation of pantanal seeds. Acta Ambiental Catarinense, 19: 1-14, 2021a.

PEREIRA, S. T. S. et al. Efficiency of cryoprotectors for cryopreservation of two orchid species from Americas. Rodriguésia, 72: e00352020, 2021b.

RIBEIRO, M. I. et al. Curva de embebição, anatomia e mobilização de reservas em sementes de Mimosa flocculosa submetidas à superação de dormência. Iheringia, Série Botânica, 76: e2021016, 2021.

R CORE TEAM. R. A language and environment for statistical computing. Foundation for Statistical Computing, Disponível em: <http://www.r-project.org>. Acesso em: 07 Ago. 2021.

SAKAI, A.; KOBAYASHI, S.; OIYAMA, I. Cryopreservation of nucellar cell of navel orange (Citrus sinensis Obs. var. Brasiliensis Tanaka) by vitrification. Plant Cell, 9: 30-33, 1990.

SALOMÃO, A. N.; SANTOS, I. R.; JOSÉ, S. C. B. Cryopreservation of Pyrostegia venusta (Ker Gawl.) Miers seeds. Hoehnea, 47: e1042019, 2020.

SHIMIZU, G. D.; MARUBAYASHI, R. Y. P.; GONÇAVES, L. S. A. AgroR: Experimental Statistics and Graphics for Agricultural Sciences. R package version 1.2.1.. Disponível em: https://cran.r-project.org/web/packages/AgroR/index.html. Acesso em: 07 Ago. 2021.

SILVA, L. M. M.; MATA, M. E. R. M. C.; DUARTE, M. E. M. Water content limit for cryopreservation of pomegranate seeds (Punica granatum L.). Journal of the Brazilian Association of Agricultural Engineering, 35: 313-321, 2015.

SILVA, V. B. et al. Avaliação da germinação de diásporos de Myracrodruon urundeuva Allemão (Anacardiaceae) submetidos a diferentes métodos de armazenamento. Revista Brasileira de Meio Ambiente, 10: 85-96, 2021.

SOUZA, L. M. et al. Biochemical and morphophysiological strategies of Myracrodruon urundeuva plants under water deficit. Biologia Plantarum, 64: 20-31, 2020.

STEGANI, V. et al. Criopreservação de sementes de rainha do abismo (Sinningia leucotricha). Ornamental Horticulture, 23: 15-21, 2017.

TEIXEIRA, A. S. et al. Glass transition and heat capacity behaviors of plant vitrification solutions. Thermochimica Acta, 593: 43-49, 2014.

VENDRAME, W. A.; FARIA, R. T. Phloroglucinol enhances recovery and survival of cryopreserved Dendrobium nobile protocorms. Scientia Horticulturae, 128: 131-135, 2011.

VENDRAME, W. A. et al. Review: Orchid Cryopreservation. Ciência e Agrotecnologia, 38: 213-229, 2014.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Ciências Florestais