AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE FEIJÃO-FAVA EM CONDIÇÕES DE ALTAS TEMPERATURAS

Autores

Palavras-chave:

Phaseolus lunatus. Abortamento de flores e de vagens. Estresse térmico. Correlação de Pearson. Método UPGMA.

Resumo

A cultura do feijão-fava (Phaseolus lunatus L) desenvolve-se em faixa ótima de temperaturas de 20-30°C, sendo que, as temperaturas superiores a 30-35ºC compromete a eficiência fotossintética e consequentemente desempenho produtivo. Considerando a importância do cultivo de feijão-fava, objetivou-se realizar a caracterização morfoagronômica e fenológicas de 46 acessos de feijão-fava tolerantes ás altas temperaturas da coleção nuclear de feijão-fava da Universidade Federal do Piauí. O experimento foi conduzido entre fevereiro a julho de 2021, em blocos inteiramente casualizados, com quatro repetições, sendo a parcela constituída por um vaso, com duas plantas. A caracterização dos acessos foi realizada com base em 20 descritores morfoagronômicos e fenológicos de feijão-fava. Com base na correlação de Pearson o número de flores emitidas e abortadas tem maior correlação genética com a quantidade total de sementes e vagens produzidas. Comprimento e largura de vagem apresentaram correlação positiva com os caracteres espessura, comprimento e largura da semente. Pelo agrupamento UPGMA houve a formação de cinco grupos. Os acessos UFPI-922 e UFPI-945 possuem maior desempenho nas condições de alta temperatura, para número de flores e de vagens emitidas como também menores valores de número de vagens abortadas. Os acessos UFPI-1037, UFPI-876, UFPI-1036, UFPI-1028, UFPI-1052, UFPI-1064, UFPI-1038 e UFPI-1062 são promissores tanto para precocidade, produtividade, emissão de flores e vagens formadas em programas de melhoramento de feijão-fava.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, R. et al. Árvore de decisão como ferramenta na classificação de genótipos de feijão-fava. Revista Caatinga, 34: 471-478, 2021.

ASSUNÇÃO FILHO, J. R. et al. Selection of superior genotypes of lima bean landraces by multivariate approach. Revista Caatinga, 35: 87-95, 2022.

ASSUNÇÃO NETO, W. V. et al. Selection of landraces of lima bean for family agriculture. Revista Caatinga, 35: 137-147, 2022.

BARLOW, K. M. et al. Simulating the impact of extreme heat and frost events on wheat crop production: A review. Field Crops Research, 171: 109-119, 2015.

BATTISTI, R. et al. Dinâmica floral e abortamento de flores em híbridos de canola e mostarda castanha. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 48: 174-181, 2013.

BIOVERSITY INTERNATIONAL. Guidelines for the development of crop descriptor lists. Bioversity Technical Bulletin Series, 12: 2-2, 2007.

BRITO, M. V. et al. Univariate and multivariate approaches in the characterization of lima bean genotypes. Revista Caatinga, 33: 571-578, 2020.

CRUZ, C. D.; CARNEIRO, P. C. S.; REGAZZI, A. J. Modelos biométricos aplicados ao melhoramento genético. 3 ed. Viçosa, MG: UFV, 2014. 667 p.

FAROOQ, M. et al. Drought stress in grain legumes during reproduction and grain filling. Journal of Agronomy and Crop Science, 2: 81-102, 2017.

GARCIA, T. et al. Comprehensive genomic resources related to domestication and crop improvement traits in Lima bean. Nature Communications, 12: 1-17, 2021.

GOWER, J. C. A general coefficient of similarity and some of its properties. Biometrics, 27: 857–871, 1971.

HOFFMANN JÚNIOR, L. et al. Resposta de cultivares de feijão à alta temperatura do ar no período reprodutivo. Ciência Rural, 37: 1543-1548, 2007.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1612>. Acesso em: 4 fev. 2019.

LOPES, A. C. A.; ARAÚJO, A. S. F.; GOMES, R. L. F. Phaseolus lunatus: diversity, growth and production. Nova Publishers, 2015. 175 p.

MACHADO FILHO, H. et al. Mudança no clima e os impactos na agricultura familiar no Norte e Nordeste do Brasil. 1. ed. Brasília, DF: COPYRIGH, 2016. 68 p.

MARTÍNEZ-NIETO, M. I. et al. Resilience Capacity Assessment of the Traditional Lima Bean (Phaseolus lunatus L.) Landraces Facing Climate Change. Agronomy, 10: 758-773, 2020.

MARTINS, E. S. et al. Genetic control of number of flowers and pod set in common bean. Genetics and Molecular Research, 16:1-14, 2017.

MORAES, C. Variabilidade genética para a característica de abscisão de estruturas reprodutivas no feijoeiro comum. 2017. 40 f. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Agronomia - Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, 2017.

R CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2018.

RAZA, A. et al. Impact of climate change on crops adaptation and strategies to tackle its outcome: a review. Plants, 8: 1-29, 2019.

RIBEIRO, N. A. et al. Phenological, plant architecture, and grain yield traits on common bean lines selection. Revista Caatinga, 31: 657–666, 2018.

SEIDU, K. T.; OSUNDAHUNSI, O. F.; OSAMUDIAMEN, P. M. Nutrients assessment of some lima bean varieties grown in southwest Nigeria. International Food Research Journal, 25: 848-853, 2018.

SNEATH, P. H.; SOKAL, R. R. Numerical taxonomy: The principles and practice of numerical classification. San Francisco: W. H. Freeman, 1973. 573 p.

SOUSA, A. M. C. B. et al. Determination of ideal conditions to do artificial crosses in Phaseolus lunatus L. Annual Report of the Bean Improvement Cooperative, 58: 95-96, 2015.

SOUSA, A. M. C. B. et al. Artificial hybridization without emasculation in lima bean (Phaseolus lunatus L.). Revista Caatinga, 35: 223-230, 2022.

ZILIO, M. et al. Contribuição dos componentes de rendimento na produtividade de acessos crioulos de feijão (Phaseolus vulgaris L.). Revista Ciência Agronômica, 42: 429-438, 2011.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Agronomia