DIVERSIDADE GENÉTICA ENTRE GENÓTIPOS DE MELÃO-DE-SÃO-CAETANO ACESSADA POR VARIÁVEIS MORFOAGRONÔMICAS

Autores

  • Thaísa de Oliveira Silveira Departament of Crop Science, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ https://orcid.org/0000-0002-9828-6208
  • Mayara de Mello Marques Departament of Crop Science, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ https://orcid.org/0000-0003-3301-6079
  • Gustavo Torres dos Santos Amorim Departament of Crop Science, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ https://orcid.org/0000-0003-4389-166X
  • Mario Geraldo de Carvalho Department of Chemistry, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ https://orcid.org/0000-0001-5805-734X
  • Pedro Corrêa Damasceno Junior Departament of Crop Science, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ https://orcid.org/0000-0001-8879-4850

Palavras-chave:

Momordica charantia L.. Análise de componentes principais. Análise de agrupamento K-means. Índices de diversidade. Padrões de agrupamento.

Resumo

O melão-de-são-caetano (Momordica charantia L.) é uma espécie recomendada pela ANVISA como hipoglicemiante. A caracterização de plantas é uma etapa crucial em qualquer programa de melhoramento. O presente trabalho objetivou organizar e caracterizar uma coleção de germoplasmas de melão-de-são-caetano com base em caracteres morfoagronômicos, conhecer sua diversidade genética e identificar genótipos de interesse agronômico. Para tal, um total de 88 genótipos foram caracterizadas em relação a 38 descritores. Descritores redundantes foram identificados via análise dos componentes principais (PCA). Após a sua exclusão, procedeu-se uma nova análise PCA para verificação da dispersão entre os genótipos. A partir da estatística k-means, foram definidos grupos no plano PCA. Os grupos foram estudados quanto ao seu fenótipo padrão, utilizando-se gráficos radar. A diversidade populacional foi estimada via Shannon e Pielou. A diversidade intra-grupo foi estimada via anosim. Estimou-se também a importância relativa das variáveis sobre a diversidade. Ao todo, 17 variáveis foram redundantes. Os genótipos agruparam-se em cinco grupos. Os grupos G1 e G5 foram antagônicos quanto à produção de frutos e sementes e com relação aos tamanhos de frutos, folhas e sementes. Identificou-se uma tendência de redução no tamanho de frutos, folhas e sementes ocorrendo do grupo G1 ao G5. A diversidade foi alta. Porém, a diversidade intra-grupo foi alta entre genótipos com frutos pequenos, e baixa para genótpos com frutos intermediários. A variável número de flores masculinas foi identificada como de maior contribuição na estimação da diversidade. Os genótipos UFRRJ MSC072, 042, 028 e 087 destacaram-se para o número de frutos produzidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALHARIRI, A. et al. Analysis of genetic diversity and population structure in bittergourd (Momordica charantia L.) using morphological and SSR markers. Plants, 10: 1-17, 2021.

ALLARD, R. W. Principles of plant breeding. New York: John Wileyand Sons, 1966. 486 p.

ABDI, H.; WILLIAMS, L. J. Principal Component Analysis. Wiley Interdisciplinary Reviews: Computational Statistics, 2: 433-459, 2010.

ALAM, M. M.; HAQUE, S. M.; GHOSH, B. Karyomorphological studies of six commercially cultivated edible cucurbits: bitter gourd, sponge gourd, ridge gourd, snake gourd, ash gourd and cucumber. Caryologia: International Journal of Cytology, Cytosystematics and Cytogenetics, 71: 150–159, 2018.

ASSIS, J. P. et al. Avaliação biométrica de caracteres do melão de São Caetano (Momordica charantia L). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17: 505-514, 2015.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Cultivar web - Gerenciamento de Informação. Disponível em:<https://sistemas.agricultura.gov.br/snpc/cultivarweb/cultivares_registradas.php>. Acesso em: 03 mar. 2022.

BRASIL. Resolução RDC n° 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Órgão emissor: ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2010.

BRASIL. RENISUS – Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009. 2 p.

CABI. Momordica charantia. In: Invasive Species Compendium. Disponível em: <https://www.cabi.org/isc/datasheet/34678>. Acesso em: 02 mar. 2022.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI). Alelo Vegetal. Disponível em: <http://alelobag.cenargen.embrapa.br/AleloConsultas/Passaporte/buscaNcBancos.do?idn=3667>. Acesso em: 03 mar. 2022.

GOO, K. S. et al. The Bitter Gourd Momordica charantia L.: Morphological Aspects, Charantin and Vitamin C Contents. IOSR Journal of Agriculture and Veterinary Science, 9: 76-81, 2016.

ISLAM, M. S. et al. Sex phenology of bittergourd (Momordica charantia L.) landraces and its relation to yield potential and fruit quality. Pakistan Journal of Agricultural Sciences, 51: 651-658, 2014.

KHAN, M. H. et al. Variability, correlation and path co-efficient analysis of bitter gourd (Momordica charantia L.). Bangladesh Journal Agricultural Research, 40: 607-618, 2015.

KOLE, C. et al. Nanobiotechnology can boost crop production and quality: first evidence from increased plant biomass, fruit yield and phytomedicine content in bitter melon (Momordica charantia). BMC Biotechnology, 13: 1-10, 2013.

KÖPPEN, W. Climatologia: com un estúdio de los climas de latierra. México: Fondo de Cultura Economica, 1948. 478 p.

KUNDU, B. C. et al. Genetic divergence in bittergourd (Momordica charantia L.). Journal of the Asiatic Society of Bangladesh, 2: 125-134, 2012.

LENZI, M.; ORTH, A. I.; GUERRA, T. M. Ecologia da polinização de Momordica charantia L. (Cucurbitaceae), em Florianópolis, SC, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, 28: 505-313, 2005.

LUTZ, B. E. Momordica charantia L. in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB17098>. Acesso em: 16 fev. 2022.

MAURYA, D. et al. Studies on genetic divergence in bitter gourd (Momordica charantia L.). International Journal of Chemical Studies, 6: 2637-2639, 2018.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2022. Disponível em: <http://www.r-project.org>. Acesso em: 05 fev. 2022.

SINGH, D. The relative importance of characters affecting genetic divergence. The Indian Journal of Genetics e Plant Breeding, 41: 237-245, 1981.

SINGH, B.; SINGH, K. A.; KUMAR, S. Genetic divergence studies in bittergourd (Momordica charantia L.). Academic Journal of Plant Sciences, 6: 89-91, 2013.

SINGH, W. J.; KANDASAMY, R. Genetic diversity in bitter gourd (Momordica charantiaL.) under coastal ecosystems. Plants Archives, 10: 1063-1066, 2020.

TWUMASI, P. et al. Morphological diversity and relationships among the IPGRI maize (Zea mays L.) landraces held in IITA. Maydica, 62: 1-9, 2017.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Agronomia