DANO CELULAR, STATUS HÍDRICO E TROCAS GASOSAS NA MAMONEIRA SOB NATUREZA CATIÔNICA DA ÁGUA

Autores

  • Geovani Soares de Lima Academic Unit of Agricultural Sciences, Center of Agrifood Science and Technology, Universidade Federal de Campina Grande, Pombal, PB http://orcid.org/0000-0001-9960-1858
  • Hans Raj Gheyi Nucleus of Soil and Water Engineering, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, BA http://orcid.org/0000-0002-1066-0315
  • Reginaldo Gomes Nobre Department of Science and Technology, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Caraúbas, RN http://orcid.org/0000-0002-6429-1527
  • Lauriane Almeida dos Anjos Soares Centro de Tecnologia e Recursos Naturais/Universidade Federal de Campina Grande http://orcid.org/0000-0002-7689-9628
  • João Batista dos Santos Rural Technology and Health Center, Universidade Federal de Campina Grande, Patos, PB http://orcid.org/0000-0003-3058-007X

Palavras-chave:

Ricinnus communis L. BRS Energia. Salinidade. Irrigação.

Resumo

A mamoneira é uma oleaginosa que possui capacidade de adaptação a variadas condições edafoclimáticas, além de ser uma cultura que se apresenta com considerável teor de óleo em suas sementes com potencial para uso na indústria ricinoquímica. Neste contexto, o estudo teve como objetivo avaliar as mudanças do dano de membranas, o status hídrico e as trocas gasosas em plantas de mamoneira (cv. BRS Energia) em respostas a salinidade e natureza catiônica da água de irrigação. Utilizou-se de blocos casualizados, testando-se seis composições catiônicas da água (S1 - Testemunha; S2 - Na+; S3 - Ca2+; S4 - Na+ + Ca2+; S5 - K+ e S6 - Na+ + Ca2+ + Mg2+) e quatro repetições. As plantas referentes ao tratamento testemunha foram submetidas à irrigação com água de baixa condutividade elétrica (S1 - CEa = 0,6 dS m-1) e os demais tratamentos foram irrigadas com CEa de 4,5 dS m-1 preparada com diferentes íons. A maior suculência no limbo foliar associado ao menor déficit de saturação hídrica é um indicativo de tolerância ao estresse salino da mamoneira irrigada com água de composição potássica. A presença de sódio na água de irrigação proporcionou o maior déficit de saturação hídrica no limbo foliar da mamoneira. O menor dano na membrana celular foi obtido nas plantas irrigadas com água de composição cálcica. O efeito deletério do estresse salino sobre as trocas gasosas da mamoneira depende da natureza catiônica da água e obedeceu à seguinte ordem Na+>Na++Ca2+>Ca2+>Na++Ca2++Mg2+>K+.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

21-05-2019

Edição

Seção

Engenharia Agrícola