FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES EXÓTICOS E ENDOFÍTICOS “DARK SEPTATE” NATIVOS NO CRESCIMENTO INICIAL DE Paspalum millegrana

Autores

  • Larissa de Souza Gois Departament of Agronomic Engineering, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE http://orcid.org/0000-0003-2134-0509
  • Johny de Jesus Mendonça Departament of Agronomic Engineering, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE http://orcid.org/0000-0002-7690-6234
  • Juan Lopes Teixeira Departament of Agronomic Engineering, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE http://orcid.org/0000-0002-6053-8692
  • Carolina Mangieri de Oliveira Prado Laboratory of Organic Chemistry, Instituto Tecnológico de Pesquisa do Estado de Sergipe, Aracaju, SE http://orcid.org/0000-0002-7973-268X
  • Francisco Sandro Rodrigues Holanda Departament of Agronomic Engineering, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE http://orcid.org/0000-0001-6812-6679
  • Regina Helena Marino Departament of Agronomic Engineering, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE http://orcid.org/0000-0002-7295-3746

Palavras-chave:

Poaceae. Fungos filamentosos. Simbiose. Crescimento vegetal. Micotrofia.

Resumo

Os fungos micorrízicos arbusculares (FMA) e os endofíticos “dark septate” (DSE) podem promover o incremento da biomassa vegetal, a depender das condições edafoclimáticas e da interação com a planta hospedeira. O objetivo deste trabalho foi avaliar a interação de fungos micorrízicos arbusculares exóticos e fungos endofíticos DSE nativos no crescimento inicial de Paspalum millegrana Schrad. ex Schult. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado composto pelo cultivo de Paspallum millegrana em quatro tratamentos (controle - sem FMA, e três isolados de FMA exóticos: UFLA351 – Rhizoglomus clarum; UFLA372 – Claroideoglomus etunicatum e UFLA401 - Acaulospora morrowiae), com quatro repetições. O capim P. millegrana é colonizado por FMA exóticos das espécies R. clarum (UFLA351; 11,9%), C. etunicatum (UFLA372; 39,6%) e A. morrowiae (UFLA401; 51,2%). O P. millegrana foi colonizado por fungos endofíticos DSE nativos, mas estes não interferem na colonização por FMA exóticos e no desenvolvimento das plantas. O P. millegrana foi responsivo à inoculação dos isolados UFLAs de FMA exóticos, o que pode contribuir para o crescimento e sobrevivência do capim em condições de campo. E o processo de desinfestação superficial das sementes não elimina micro-organismos endofíticos, cuja presença pode influenciar na colonização das plantas por FMA, bem como no desenvolvimento da planta hospedeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

22-08-2019

Edição

Seção

Agronomia