CARACTERIZAÇÃO FISIOLÓGICAS DE BACTÉRIAS DIAZOTRÓFICAS ISOLADAS DA RIZOSFERA DE Brachiaria brizantha

Autores

  • Ana Beatriz Carvalho Terra Department of agricultural science, Universidade José do Rosário Vellano, Alfenas, MG http://orcid.org/0000-0002-1912-0059
  • Flávia Romam da Costa Souza Department of agricultural science, Universidade José do Rosário Vellano, Alfenas, MG http://orcid.org/0000-0003-0482-822X
  • José Ricardo Mantovani Department of agricultural science, Universidade José do Rosário Vellano, Alfenas, MG http://orcid.org/0000-0002-9817-8143
  • Adauton Vilela Rezende Department of agricultural science, Universidade José do Rosário Vellano, Alfenas, MG http://orcid.org/0000-0001-8515-484X
  • Ligiane Aparecida Florentino Department of agricultural science, Universidade José do Rosário Vellano, Alfenas, MG http://orcid.org/0000-0001-9092-3017

Palavras-chave:

Bactérias promotoras de crescimento. Microrganismos do solo. Sustentabilidade na produção animal.

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar a capacidade das bactérias diazotróficas, isoladas da rizosfera de Brachiaria brizantha, crescer em meios com diferentes valores de pH e concentrações salinas, de produzir ácido 3-indol acético (AIA) e solubilizar fosfato. Os testes de acidez e salinidade foram realizados em meio FAM sólido. Para acidez foram usados os valores de 4.0, 5.0, 6.0 e 7.0. Para salinidade foram utilizadas as seguintes concentrações: 0.01; 5.02; 9.99; 14.96; 19.98; 24.95; 29.98; 34.94; 39.97; 44.94 and 49.96 gꞏL-1. No teste de produção de AIA, as estirpes foram cultivadas em meio DYGS líquido, na ausência e presença de triptofano (Trp). A solubilização de fósforo, foi realizada em meio GL líquido. Todas as estirpes foram capazes de crescer em todos os valores de pH analisados. Já em relação aos testes de diferentes concentrações salinas, produção de AIA e solubilização de fosfato, foi verificada alta diversidade, havendo estirpes que se destacaram. As estirpes UNIFENAS 100-51; UNIFENAS 100-52; UNIFENAS 100-60; UNIFENAS 100-63 e UNIFENAS 100-65, foram as que apresentaram maior crescimento nas três maiores concentrações salinas. Na presença de triptofano, as estirpes UNIFENAS 100-63 e UNIFENAS 100-69 foram as que apresentaram maior produção de AIA. Já em solubilização de Fosfato in vitro, a estirpe UNIFENAS 100-52 foi a que obteve melhor resposta. Baseado nesses resultados, observa-se a importância de estudos relacionados às características fisiológicas e metabólicas de bactérias diazotróficas, de modo a garantir maior sucesso no campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

26-08-2019

Edição

Seção

Agronomia