USO DO MÉTODO BDq EM UMA ÁREA DE CAATINGA SUBMETIDA AO MANEJO FLORESTAL

Autores

  • João Henrique do Nascimento Neto Specialized Academic Unit in Agricultural Sciences, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Macaíba, RN https://orcid.org/0000-0003-1085-1952
  • Alan Cauê de Holanda Department of Agricultural and Forestry Sciences, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, RN https://orcid.org/0000-0003-1408-0075
  • Jadson Coelho de Abreu Forest Engineering Collegiate, Universidade do Estado do Amapá, Macapá, AP https://orcid.org/0000-0001-9273-7533

Palavras-chave:

Quociente De Liocourt. Distribuição diamétrica. Floresta seca.

Resumo

O método BDq está baseado no conceito de floresta balanceada em que o crescimento corrente pode ser removido periodicamente enquanto se mantêm a distribuição de diâmetros inicial da floresta. O trabalho teve por objetivo analisar a viabilidade técnica na aplicação de três intensidades de corte e seis cenários em vegetação da Caatinga submetida ao manejo florestal sustentável. O trabalho foi desenvolvido na Fazendas Baixa da Oiticica, Rancho da Velha e Tabuleiro de Dentro, situados no município de Upanema-RN, com área de 343,0472 hectares submetidas ao manejo. No processo amostral foram alocadas 11 parcelas de 20 m x 20 m. Foram mensurados todos os indivíduos com circunferência a altura do peito (CAP) ≥ 6 cm. Os indivíduos foram identificados in loco, sendo adotado o sistema de classificação APG IV para organização da lista dos nomes científicos e famílias.  Para a aplicação do método BDq, foram propostas três alternativas de manejo, com 40% (Cenário 1), 50% (Cenário 2) e 60% (Cenário 3) de redução da área basal e volume real. Inventariou-se 1.680 indivíduos distribuídos em 10 famílias, 18 espécies, 16 gêneros e sete classes de diâmetro. Levando em consideração a exploração racional, sustentável e, seguindo os preceitos teóricos dos processos dinâmicos, não pode realiza-se cortes nos centros de classes de maiores diâmetro (22,45; 27,45 e 32,45 cm) e, a combinação que apresentou os resultados mais efetivos foi o cenário 3, pois possibilita a exploração de um número maior de indivíduos conferindo maiores rendimentos econômicos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22: 711-728, 2013.

ALVES, J. J. A. Geoecologia da caatinga no semiárido do nordeste brasileiro. Climatologia e Estudos da Paisagem, 2: 58-71, 2007.

AMORIM, I. L.; SAMPAIO, E. V. S. B.; ARAÚJO, E. L. Flora e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea de uma área de Caatinga do Seridó, RN, Brasil. Acta Botânica Brasílica, 19: 615-623, 2005.

ARAÚJO, H. J. B. Acervo arbóreo das áreas sob manejo florestal comunitário do projeto de colonização Pedro Peixoto. 1. ed. Rio Banco, AC: Embrapa Acre, 2015. 49 p. (Embrapa Acre. Documento, 139).

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP - APG IV. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181: 1-20, 2016.

BRASIL. REDE DE MANEJO FLORESTAL DA CAATINGA – RMFC. Protocolo de medições de parcelas permanentes. Disponível em: <http://rmfc.cnip.org.br>. Acesso em: 05 set. 2019.

CALIXTO JÚNIOR, J. T.; DRUMOND, M. A. Estudo comparativo da estrutura fitossociológica de dois fragmentos de Caatinga em níveis diferentes de conservação. Pesquisa Florestal Brasileira, 34: 345-355, 2014.

CAMPOS, J. C. C.; LEITE, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 4.ed. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 2013. 605 p.

CAMPOS, J. C. C.; RIBEIRO, J. C.; COUTO, L. Emprego da distribuição diamétrica na determinação da intensidade de cortes em matas naturais submetidas ao sistema de seleção. Revista Árvore, 7: 110-122, 1983.

DINIZ, C. E. F. Análise estrutural e corte seletivo baseado no método BDq em vegetação de caatinga. 2011. 114 f. Dissertação (Mestrado em ciências florestais: Área de Concentração em manejo florestal) – Universidade Federal de Campina Grande, Patos, 2011.

FELFILI, J. M. Diameter and height distributions in a gallery forest community and some of its main species in central Brazil over a six-year period (1985-1991). Revista Brasileira de Botânica, 20: 155-162, 1997.

GUEDES, R. S. et al. Caracterização florístico-fitossociológica do componente lenhoso de um trecho de caatinga no semiárido paraibano. Revista Caatinga, 25: 99-108, 2012.

HOLANDA, A. C. et al. Estrutura da vegetação em remanescentes de caatinga com diferentes históricos de perturbação em Cajazeirinhas (PB). Revista Caatinga, 28: 142-150, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA - IBGE. Mapa de clima do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2002. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais>. Acesso em: 05 set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA - IBGE. Mapa de vegetação do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2004. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais>. Acesso em: 05 set. 2019.

LEITE, J. A. N. et al. Análise quantitativa da vegetação lenhosa da Caatinga em Teixeira, PB. Pesquisa Florestal Brasileira, 35: 89-100, 2015.

LEMOS, J. R.; MEGURO, M. Estudo fitossociológico de uma área de Caatinga na Estação Ecológica (ESEC) de Aiuaba, Ceará, Brasil. Biotemas, 28: 39-50, 2015.

LIMA, R. B. et al. Volumetria e classificação da capacidade produtiva para Mora paraensis (Ducke) no estuário Amapaense. Scientia Forestalis, 42: 141-154, 2014.

MARANGON, G. P. et al. Estrutura e padrão espacial da vegetação em uma área de Caatinga. Revista Floresta, 43: 83-92, 2013.

MEDEIROS, F. S. et al. Florística, fitossociologia e modelagem da distribuição diâmétrica em um fragmento de Caatinga em São Mamede-PB. Agropecuária Científica no Semiárido, 14: 85-95, 2018.

MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, 52: 85-92, 1952.

MOREIRA, F. T. A. Florística, Fitossociologia e corte seletivo pelo método BDq em uma área de caatinga, no município de São José de Espinharas – PB. 2014. 59 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais: Área de Concentração em manejo florestal) – Universidade Federal de Campina Grande, Patos, 2014.

RODE, R. et al. Comparação da regulação florestal de projetos de fomento com áreas próprias de empresas florestais. Pesquisa Florestal Brasileira, 35: 11-19, 2015.

SANTANA, J. A. S.; SOUTO, J. S. Diversidade e estrutura fitossociológica da caatinga na Estação Ecológica do Seridó-RN. Revista Biologia e Ciência da Terra, 6: 232-242. 2006.

SANTOS, W. S. et al. Estudo fitossociológico em fragmento de caatinga em dois estágios de conservação, Patos, Paraíba. Agropecuária Científica no Semiárido, 13: 315-321, 2017.

SCHILLING, A. C.; BATISTA, J. L. F. Curva de acumulação de espécies e suficiência amostral em florestas tropicais. Revista Brasileira de Botânica, 31: 179-187, 2008.

SOTERO, J. P. et al. Floresta do Brasil em resumo: dados de 2007 a 2012. 1. ed. Brasília, DF: SFB, 2013. 188 p.

SILVA, P. H. et al. Optimal selective logging regime and log landing location models: a case study in the Amazon forest. Acta Amazonica, 48: 18-27, 2018.

SOUZA, D. R.; SOUZA, A. L. Emprego do método BDq de seleção após a exploração florestal em floresta ombrófila densa de terra firme, Amazônia oriental. Revista Árvore, 29: 617-625, 2005.

SOUZA, A. L.; SOARES, C. P. B. Floresta nativas: estrutura, dinâmica e manejo. 1. ed. Viçosa, MG: UFV, 2013. 322 p.

SOUZA, L. A. et al. Critérios de Seleção como subsídio ao manejo florestal na Amazônia. Método BDq. In: CONGRESSO AMAPAENSE DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEAP, UNIFAP, IEPA E EMBRAPA AMAPÁ, 8° MOSTRA DE TCC'S E 1° EXPOSIÇÃO DE PESQUISA CIENTIFICA, 4., 2013, Macapá. Anais... Macapá: UEAP, 2013. p. 11.

VERÍSSIMO, A.; PEREIRA, D. Produção na Amazônia Florestal: características, desafios e oportunidades. Parcerias Estratégicas, 19: 13-44, 2015.

ZAKIA, M. J. B; PAREYN, F. G. C.; RIEGELHAUPT, E. Equações de Peso e Volume para Oito Espécies Lenhosas Nativas do Seridó-RN. In: ZAKIA, M. J. B; PAREYN, F. G. C.(Eds.) Plano de Manejo Florestal para a Região do Seridó-RN. Natal, RN: Projeto PNUD/FAO/IBAMA/BRA/87/007, 1988, v. 1, cap. 4, p. 1-94.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Edição

Seção

Ciências Florestais