MENINGOENCEFALITE POR Escherichia coli EM CABRITO

  • Lennon Magno Alves Nascimento Discente do Curso de Medicina Veterinária, Departamento de Ciência Animal (DCAN), Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)
  • Antônio Carlos Lopes Câmara Hospital Veterinário, UFERSA.
  • Camila Marinho de Miranda Oliveira Hospital Veterinário, UFERSA.
  • André Menezes do Vale Hospital Veterinário, UFERSA.
  • Jael Soares Batista Docente do Curso de Medicina Veterinária, DCAN, UFERSA
  • Michelly Fernandes de Macedo Docente do Curso de Medicina Veterinária, DCAN, UFERSA
  • Francisco Marlon Carneiro Feijó Docente do Curso de Medicina Veterinária, DCAN, UFERSA

Resumo

O presente trabalho objetiva relatar os achados epidemiológicos, clínico-patológicos e laboratoriais de um caso de meningoencefalite por Escherichia coli em um cabrito de dois meses de idade. Ao exame clínico observou-se decúbito lateral, vocalização, opistótono, rigidez muscular cervical, opacidade bilateral de córnea, febre (41,3ºC), taquicardia, desidratação, urina avermelhada e movimentos de pedalagem. A hematologia mostrou discreta leucocitose com monocitose absoluta. A bioquímica sérica apresentou-se dentro dos padrões fisiológicos para a espécie. A análise do líquido cefalorraquiano (LCR) revelou aspecto turvo, coloração amarelo claro, pleocitose (598 leucócitos/µL) neutrofílica e presença de bactérias. O animal veio a óbito aproximadamente duas horas após o exame clínico. A necropsia revelou hiperemia, opacidade e presença de exsudato fibrinopurulento nas meninges, sulcos do córtex cerebral e tronco encefálico; e os rins com severa congestão. Microscopicamente, observou-se infiltrado inflamatório misto envolvendo as meninges das regiões do córtex parietal, temporal e tronco encefálico; além de edema e degeneração neuronal. A cultura microbiológica de alíquota do LCR permitiu o isolamento de E. coli.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-07-07
Seção
Clinical Reports / Casos Clínicos