ARTÉRIA BASILAR EM COELHOS NOVA ZELÂNDIA: ORIGEM, MORFOMETRIA E RAMOS PRINCIPAIS

  • Carlos Augusto Santos-Sousa UFRRJ
  • Larissa Torres Ferreira UFRRJ
  • Stephanie Cardoso Silva UFRRJ
  • Marcelo Salvador Gomes UFRRJ
  • Marcelo Abidu Figueiredo UFRRJ

Resumo

O objetivo desta investigação foi caracterizar a origem, morfometria e ramos principais da artéria basilar em coelhos Nova Zelândia adultos de ambos os sexos. A fixação foi feita através de cânula plástica introduzida na artéria carótida comum com solução de formaldeído a 10%. Em seguida foram feitas repleções vasculares com solução aquosa de Petrolátex S65 corado com pigmento Suvinil vermelho. Procedeu-se a craniotomia, remoção dos encéfalos e dissecção para a observação da origem e ramificações principais da artéria basilar. A média e erro padrão do comprimento da artéria basilar foram de 1,293 cm ± 0,024 nas fêmeas e 1,227 cm ± 0,025 nos machos. Em todos os coelhos dissecados, a artéria basilar se originou da anastomose das artérias vertebrais, direita e esquerda, emitindo a artéria cerebelar caudal, ramos variados para bulbo e ponte, ramos terminais e artérias cerebelares rostrais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Augusto Santos-Sousa, UFRRJ
Médico Veterinário autônomo, discente do Programa de Pós-graduação em Biologia Animal.
Larissa Torres Ferreira, UFRRJ
Discente do Curso de Medicina Veterinária
Stephanie Cardoso Silva, UFRRJ
Discente do curso de Medicina Veterinária
Marcelo Salvador Gomes, UFRRJ
Médico Veterinário Autônomo, discente do Programa de Pós-graduação em Medicina Veterinária (Patologia e Ciências Clínicas).
Marcelo Abidu Figueiredo, UFRRJ
Professor Adjunto do Departamento de Biologia Animal, Área de Anatomia Animal.
Publicado
2016-03-04
Seção
Original Articles / Artigos de Pesquisa

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor (es)