Population of hematophagous bats in the Andradina region, São Paulo: roost and control characterization

  • Ana Paula Lopes Santana Universidade Estadual Paulista (Unesp), Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba (FMVA),
  • Cristiano de Carvalho Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, Departamento de Apoio, Produção e Saúde Animal
  • Ana Júlia Silva e Alves FMU – Faculdades Metropolitanas Unidas – Medicina Veterinária Preventiva
  • Wagner André Pedro Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, Departamento de Apoio, Produção e Saúde Animal
  • Luzia Helena Queiroz Universidade Estadual Paulista - UNESP, Programa de Pós-graduação em Ciência Animal, Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba http://orcid.org/0000-0002-5472-5029

Resumo

The present study quantified Desmodus rotundus population and characterized their roosts in the Andradina microregion, Sao Paulo, Brazil, in 2010 and 2012, determining the effect of bat control measures on roost numbers and types and their population. From April to June 2010, professionals from the Agriculture and Livestock Defense Coordination of the State of Sao Paulo responsible for the rabies control that consists of capturing and treating vampire bats with a vampiricide paste based on Warfarin 2%, inspected 50 bat roosts registered in 12 municipalities in the Andradina microregion, northwestern São Paulo. In September 2012, 31 of these roosts were again surveyed by the authors of this study. The vast majority (92% and 96% in 2010 and 2012, respectively) of the roosts were characterized as artificial, e.g., abandoned houses and warehouses, house attics, culverts under highways, deactivated wells and mills, bridges, disused housings, and barns. The only natural roosts found were tree hollows. The number of roosts and the bat population in roosts decreased drastically after the measures for direct control of hematophagous bats were performed, especially the number of maternity colonies, indicating that the direct selective method had a strong impact on reducing these populations.

Biografia do Autor

Ana Paula Lopes Santana, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba (FMVA),
Medica Veterinária, Mestre em Ciência Animal pela Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, UNESP
Cristiano de Carvalho, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, Departamento de Apoio, Produção e Saúde Animal
Graduado em Ciências Biológicas, Mestrado em Ciência Animal pela Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba,Unesp e Doutorado em Ciências pelo programa de Ecologia e Recursos Naturais - UFSCar - São Carlos - SP. Colaborador cientifico e responsável pelo laboratório de Chiroptera (morcegos) da UNESP, Campus de Araçatuba - SP. Experiência na área de Ecologia, com ênfase em Ecologia de Ecossistemas, Educação Ambiental e Mastofauna, atuando principalmente no seguinte tema: Ecologia da Ordem Chiroptera.
Ana Júlia Silva e Alves, FMU – Faculdades Metropolitanas Unidas – Medicina Veterinária Preventiva
Medica Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem Mestrado (USP-2008) e Doutorado (USP-2013) em Epidemiologia Experimental Aplicada às Zoonoses pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo (USP). Trabalhou como consultora da FAO em epidemiologia veterinária, no Ministério da Pesca e Aquicultura (2012-2013)
Wagner André Pedro, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, Departamento de Apoio, Produção e Saúde Animal

Graduação em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas de São José do Rio Preto, UNESP/IBILCE. Mestrado em Ecologia pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP e Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR. Professor e pesquisador atuando nas áreas de ecologia, zoologia e evolução. Pesquisas e orientações científicas na área de biologia de morcegos e em biologia de vertebrados. Docente da Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, UNESP.

Luzia Helena Queiroz, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Programa de Pós-graduação em Ciência Animal, Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba

Tem experiência na área de Medicina Veterinária Preventiva, com ênfase em epidemiologia e controle de Doenças Infecciosas de Animais, em especial as viroses, atuando principalmente nos seguintes temas: diagnóstico laboratorial, epidemiologia e controle da raiva animal.

Publicado
26-07-2018
Seção
Original Articles / Artigos de Pesquisa