GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CACTÁCEAS SOB ESTRESSE SALINO

Palavras-chave: Caatinga. Cereus jamacaru. Pilosocereus pachycladus. Salinidade. Vigor.

Resumo

As sementes de cactáceas que ocorrem em florestas tropicais sazonais secas estão sujeitas a múltiplos estresses, a exemplo do estresse salino, que limita a embebição e, consequentemente a germinação. Assim, objetivou-se comparar o desempenho germinativo de sementes de Cereus jamacaru subsp. jamacaru e Pilosocereus pachycladus subsp. pernambucoensis em condições de salinidade. Para isso, utilizou-se soluções de NaCl e KCl nos seguintes potenciais osmóticos: 0,0 (controle); -0,2; -0,4; -0,6; -0,8; -1,0 e -1,2 MPa. As sementes foram colocadas para germinar sob a temperatura de 25 °C e fotoperíodo de 12 horas. A contagem do número de sementes germinadas foi realizada diariamente durante 21 dias após a protrusão radicular. As variáveis analisadas foram: teor de água, germinação, plântulas normais, índice de velocidade de germinação e tempo médio de germinação. O delineamento foi inteiramente casualizado seguindo o esquema fatorial de 2 × 7 (espécie × potencial osmótico) para cada fonte salina. A restrição hídrica e o efeito iônico causados pelos sais favoreceram a germinação e o vigor das sementes de ambas as espécies nos potenciais osmóticos de -0,2 e -0,4 MPa, entretanto, a partir de -0,8 MPa houve diminuição expressiva da germinação nos dois sais. As sementes de C. jamacaru subsp. jamacaru e P. pachycladus subsp. pernambucoensis foram tolerantes ao estresse salino, pois conseguiram germinar em potenciais de até -0,8 MPa (NaCl) e -1,2 MPa (KCl), este último, apenas no caso do P. pachycladus subsp. pernambucoensis.

 

Referências

BARRIOS, D. et al. Seed traits and germination in the Cactaceae family: A review across Americas. Botanical Sciences, 98: 417-440, 2020.

BDMEP - Banco de dados meteorológicos para ensino e pesquisa. Instituto Nacional de Meteorologia. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2021. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep>. Acesso em: 17 mai. 2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: MAPA; ACS, 2009. 399 p.

BROWN, T. L. et al. Química: a ciência central. 13. ed. São Paulo, SP: Pearson Education do Brasil, 2016. 1216 p.

CARVALHO, T. K. N. et al. Cereus jamacaru DC. and Pilosocereus pachycladus F. Ritter (Cactaceae) in the Northeast region of Brazil: future perspectives and distribution. Revista Brasileira de Geografia Física, 14: 126-134, 2021.

CHEIB, A. L.; GARCIA, Q. S. Longevity and germination ecology of seeds of endemic Cactaceae species from high-altitude sites in south-eastern Brazil. Seed Science Research, 22: 45-53, 2012.

CIVATTI, L. M.; MARCHI, M. N. G.; BELLINTANI, M. C. Conservação de sementes de cactos com potencial ornamental armazenadas sob diferentes condições de umidade e temperatura. Gaia Scientia, 9: 17-26, 2015.

FARIAS, S. G. G. et al. Efeitos dos estresses hídrico e salino na germinação de sementes de gliricídia [Gliricidia sepium (JACQ.) STEUD.]. Revista Caatinga, 22: 152-157, 2009.

IBRAHIM, E. A. Seed priming to alleviate salinity stress in germinating seeds. Journal of Plant Physiology, 192: 38-46, 2016.

KRZYZANOWSKI, C. F. et al. Vigor de sementes: conceitos e testes. 2. ed. Londrina, PR: ABRATES, 2020. 601 p.

LIMA, A. T.; MEIADO, M. V. Discontinuous hydration alters seed germination under stress of two populations of cactus that occur in different ecosystems in Northeast Brazil. Seed Science Research, 27: 292-302, 2017.

LIMA, A. T.; OLIVEIRA, B. A.; MEIADO, M. V. Gibberellic acid provides greater tolerance to saline stress in cactus seed germination. Communications in Plant Sciences, 10: 80-84, 2020.

MARTINS, L. S. T. et al. Seed germination of Pilosocereus arrabidae (Cactaceae) from a semiarid region of south‐east Brazil. Plant Species Biology, 27: 191-200, 2012.

MEIADO, M. V. et al. Effects of light and temperature on seed germination of cacti of Brazilian ecosystems. Plant Species Biology, 31: 87-97, 2016.

MEIADO, M. V. et al. Seed germination responses of Cereus jamacaru DC. ssp. jamacaru (Cactaceae) to environmental factors. Plant Species Biology, 25: 120-128, 2010.

NASCIMENTO, J. P. B.; MEIADO, M. V; SIQUEIRA-FILHO, J. Á. Seed germination of three endangered subspecies of Discocactus Pfeiff. (Cactaceae) in response to environmental factors. Journal of Seed Science, 40: 253-262, 2018.

OLIVEIRA, D. M. et al. O aumento da temperatura reduz a tolerância ao estresse hídrico na germinação de sementes de Pereskia grandifolia Haw. subsp. grandifolia (Cactaceae)? Gaia Scientia, 11: 26-36, 2017.

PÔRTO, D. R. Q. et al. Acúmulo de macronutrientes pela cebola ‘Optima’ estabelecida por semeadura direta. Horticultura Brasileira, 24: 470-475, 2006.

REFLORA - Plantas do Brasil: resgate histórico e herbário virtual para o conhecimento e conservação da flora brasileira. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Flora do Brasil 2020 - Algas, Fungos e Plantas. 2020. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/listaBrasil/ConsultaPublicaUC/ConsultaPublicaUC.do#CondicaoTaxonCP>. Acesso em: 16 mai. 2021.

SALISBURY, F. B.; ROSS, C. W. Plant physiology. 4.ed. Belmont: Wadworth, 1991. 682 p.

SANTOS, A. M.; SOUZA, R. F.; CASTRO, F. C. Auto-organização da vegetação de caatinga em áreas salinizadas no município de Petrolina-PE. Scientia Plena, 14:1-12, 2018.

SANTOS, D. G. et al. Crescimento e clorofila em mudas de noni irrigadas com água salina em substrato com vermicomposto. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 23: 586-590, 2019.

SILVA, J. H. C. S.; AZERÊDO, G. A.; TARGINO, V. A. Resposta germinativa de sementes de cactáceas colunares sob diferentes regimes de temperatura e de potencial hídrico. Scientia Plena, 16: 1-13, 2020.

SILVA, J. H. C. S. et al. Water restriction in seeds of Cereus jamacaru DC. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 16: e8431, 2021.

SOUZA, D. D. Adaptações de plantas da Caatinga. São Paulo, SP: Oficina de Textos, 2020. 96 p.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6.ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 858 p.

ZAPPI, D.; TAYLOR, N. P. Cactaceae in flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2020. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB70>. Acesso em: 16 mai. 2021.

Publicado
2021-12-22
Seção
Agronomia