MANEJO DE CORTE DAS FOLHAS DE Copernicia prunifera (Miller) H. E. Moore NO PIAUÍ

  • Clemilton da Silva Ferreira Instituto Federal do Ceará - IFCE
  • José Airton Rodrigues Nunes Universidade Federal de Lavras
  • Regina Lucia Ferreira Gomes Universidade Federal do Piauí
Palavras-chave: Copernicia prunifera. Estádio de desenvolvimento. Idade da folha. Pó cerífero.

Resumo

A carnaubeira (Copernicia prunifera (Miller) H. E. Moore) é uma espécie frutífera nativa do Nordeste brasileiro, no entanto sua exploração está fundamentada, principalmente, na extração do pó cerífero proveniente das folhas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes estratégias de manejo de corte de folhas, do estádio de desenvolvimento e da idade da folha sobre características foliares e físico-químicas da cera em carnaubeiras. O estudo foi realizado em uma população natural localizada na Fazenda Cajazeira, município de União, Piauí, Brasil. As plantas amostradas foram identificadas e classificadas em dois estádios de desenvolvimento: capoteiro e palmeira adulta. As estratégias de manejo de corte avaliadas foram: um corte em agosto; cortes em agosto e dezembro; e um corte em dezembro. As folhas foram separadas segundo a idade em folha nova ou folha velha. Foram realizadas as análises de variância dos dados do número de folhas (NF), produção de pó cerífero (PP), relação PP/NF, teor de umidade, teor de impurezas e rendimento da cera de cada manejo, além das análises envolvendo os diferentes manejos adotados. A idade da folha destacou-se como atributo da planta de maior relevância na exploração comercial da carnaubeira. A melhor estratégia de manejo de corte das folhas da carnaubeira constitui-se na realização de um único corte anual das folhas em dezembro.

Biografia do Autor

Clemilton da Silva Ferreira, Instituto Federal do Ceará - IFCE
Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Campus Tianguá
José Airton Rodrigues Nunes, Universidade Federal de Lavras
Professor Adjunto, Departamento de Biologia, Genética e Melhoramento de Plantas
Regina Lucia Ferreira Gomes, Universidade Federal do Piauí
Professor Associado, Departamento de Fitotecnia, Recursos Genéticos e Melhoramento de Plantas

Referências

ANDRADE JÚNIOR, A. S. et al. Classificação climática do Estado do Piauí. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2004. 86 p. (Embrapa Meio-Norte. Documentos, 86).

ARRUDA; G. M. T.; CALBO, M. E. R. Efeitos da inundação no crescimento, trocas gasosas e porosidade radicular da carnaúba (Copernicia prunifera (Mill.) H.E. Moore). Acta Botânica Basílica, Feira de Santana, v. 18, n. 2, p. 219-224, 2004.

CARVALHO FILHO, C. D.; HONÓRIO, S. L.; GIL, J. M. Qualidade pós-colheita de cerejas cv. Ambrunés utilizando coberturas comestíveis. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 28, n. 2, p. 180-184, 2006.

CARVALHO, F. P. A. de; GOMES, J. M. A. Eco-eficiência na produção de cera de Carnaúba no município de Campo Maior, Piauí, 2004. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 46, n. 2, p. 421-453, 2008.

CARVALHO, J. B. M. Ensaios sobre a carnaubeira. 2. ed. Natal: EMPARN, 1982, 369 p.

COÊLHO, J. D.; ALVES, M. O. Cera de carnaúba: Produção e Mercado. Informe Rural ETENE. Banco do Nordeste do Brasil. Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste. Ano 1, n. 10, 2007.

COSTA FILHO, R. T. Uso alternativo da energia solar na elevação do rendimento de pó cerifero da carnaúba (Copernicia prunifera, Moore). In: REUNIÃO DE PESQUISA DO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, 6., 2003, Teresina. Anais... Teresina: UFPI, 2003. p. 414.

FERNANDES, P. L. de O. et al. Qualidade de mamão ‘Formosa’ produzido no RN e armazenado sob atmosfera passiva. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 41, n. 4, p. 599-604, 2010.

GOMES, J. M. A.; NASCIMENTO, W. L. Visão sistêmica da cadeia produtiva da carnaúba. In: Cadeia produtiva da cera de carnaúba: Diagnóstico e cenários. Jaíra Maria Alcoboça Gomes, Karla Brito dos Santos e Marcos Soares da Silva (Org.). Teresina: EDUFPI, 2006. 190 p.

HOLANDA, S. J. R. et al. Impacto da salinidade no desenvolvimento e crescimento de mudas de carnaúba (Copernicia prunifera (Miller) H.E.Moore). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 15, n. 1, p. 47–52, 2011.

JACOMINO, A. P. et al. Conservação de goiabas tratadas com emulsões de cera de carnaúba. Revista Brasileira Fruticultura, Jaboticabal, v. 25, n. 03, p. 401-405, 2003.

MALGARIM, M. B. et al. Concentrações de cera de carnaúba na qualidade de pêssegos cv. Esmeralda armazenados sob refrigeração. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v. 29, n. 4, p. 469-73, 2007.

MOTA, W. F. et al. Uso de cera de carnaúba e saco plástico poliolefínico na conservação pós-colheita do maracujá-amarelo. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 28, n. 02, p.190-193, 2006.

REIS, R. de G. E. Emergência e qualidade de mudas de Copernicia prunifera em função da embebição das sementes e sombreamento. Revista Caatinga, Mossoró, v. 24, n. 4, p. 43-49, 2011.

REIS, R. G. E. et al. Biometria e efeito da temperatura e tamanho das sementes na protrusão do pecíolo cotiledonar de carnaúba. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 41, n. 1, p. 81-86, 2010.

RIBEIRO, V. G. et al. Armazenamento de goiabas ‘Paluma’ sob refrigeração e em condição ambiente, com e sem tratamento com cera de carnaúba. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 27, n. 02, p. 203-206, 2005.

SA, C. R. L. et al. Eficiência de métodos alternativos utilizando atmosfera modificada passiva, no controle da podridão de melão Cantaloupe. Revista Caatinga, Mossoró, v. 21, n. 4, p.35-42, 2008.

SEFAZ-PI. Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí. Exportações piauiense crescem 113% em 2009 e PI supera CE na exportação de cera. Teresina, 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2012.

SILVA, F. D. B. da et al. Pré-embebição e profundidade de semeadura na emergência de Copernicia prunifera (Miller) H. E Moore. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 40, n. 2, p. 272-278, 2009.

SILVA, J. A. A. da; CUNHA, P. B. da; MEUNIER, I. M. J. Modelagem da produção cerífera de carnaúba copernicia prunifera (Miller) H.E. Moore, no município de Campo Maior – Piauí. Cerne, v. 5, p. 61-68. 1999.

SILVA, L. J. B. da. Revestimentos alternativos na conservação pós-colheita de maracujá-amarelo. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 31, n. 4, p. 995-1003, 2009.

SILVA, M. C. da et al. Qualidade pós-colheita de caqui ‘Fuyu’ com utilização de diferentes concentrações de cobertura comestível. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 1, p. 144-151, 2011.

STEEL, R. G. D.; TORRIE, J. H., DICKEY, D. Principles and procedures of statistics: a biometrical approach. 3. ed. Boston: WCB/McGraw Hill, 1997. 666 p.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004. 719p.

VIANA, F. M. P. et al. Processamento mínimo, atmosfera modificada, produtos químicos e resfriamento no controle da podridão basal pós-colheita em frutos do coqueiro anão verde. Summa Phytopathologica, Botucatu, v. 34, n. 4, p. 326-331, 2008.
Publicado
2013-09-06
Seção
Agronomia