ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE CULTIVARES DE ALFACE EM REGIÃO DE CLIMA SEMIÁRIDO

Palavras-chave: Lactuca sativa L. Modelos mistos. Produtividade. Melhoramento.

Resumo

O estudo de genótipos, em diferentes ambientes ou épocas de cultivo, tem grande importância para a cultura da alface, cuja expressão do potencial produtivo é influenciada pelas condições ambientais. Deste modo, a aplicação da metodologia de modelos mistos (REML/BLUP) tem sido utilizada para avaliar os efeitos da interação genótipo x ambiente. Assim, o objetivo do presente trabalho foi estimar os parâmetros de adaptabilidade e estabilidade fenotípica que estão relacionados a produção de cultivares de alface em região de clima semiárido utilizando modelo misto. Avaliaram-se doze cultivares de alface dos grupos Americana (Angelina, Amélia, Tainá), Crespa (Scarlet, Vera, Isabela, Vanda), Mimosa (Mila, Mimosa, Lavínia) e Lisa (Elisa e Regiane). O delineamento utilizado foi em blocos casualizados completos, com quatro repetições. Os parâmetros genéticos foram estimados pela metodologia REML/BLUP e a seleção simultânea da produtividade, estabilidade e adaptabilidade dos genótipos, baseou-se no método da média harmônica da performance relativa dos valores genotípicos preditos (MHPRVG). As cultivares Amélia, Angelina e Tainá sobressaíram-se para a produtividade. As cultivares Regiane e Elisa foram responsivas para o número de folhas e produtividade, sendo as mais indicadas para o cultivo nas condições de Mossoró. Os grupos Crespa e Mimosa não foram adaptados e estáveis nas condições ambientais em que foram conduzidos os ensaios. Recomenda-se que mais genótipos de todos os grupos de alface sejam testados e que, sobretudo, programas, para obter genótipos com maior resistência ao calor, produtivos e com boa qualidade, sejam desenvolvidos em regiões semiáridas.

Referências

BLIND, A. D.; SILVA FILHO, D. F. Desempenho produtivo de cultivares de alface americana na estação seca da amazônia central. Bioscience Journal, v. 31, n. 2, p. 404-414, 2015.

CRUZ, C. D; CASTOLDI, F. L. Decomposição da interação genótipos x ambientes em partes simples e complexa. Revista Ceres, v. 38, n. 219, p. 422-430, 1991.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3. ed. Viçosa, MG: UFV, 2008. 402 p.

GUALBERTO R.; OLIVEIRA, P. S. R.; GUIMARÃES, A. M. Adaptabilidade e estabilidade fenotípica de cultivares de alface do grupo crespa em cultivo hidropônico. Horticultura Brasileira, v. 27, n. 1, p. 7-11, 2009.

GUIMARÃES, I. P. et al. Interference of genotype-by-environment interaction in the selection of inbred lines of yellow melon in an agricultural center in Mossoró-Assu, Brazil. Acta Scientiarum Agronomy, v. 38, n. 1, p. 51-59, 2016.

LUZ A. O. et al. Resistência ao pendoamento de genótipos de alface em ambientes de cultivo. Agrarian, v. 2, n. 6, p. 71-82, 2009.

MARIOTTI, J. A. et al. Análisis de estabilidad y adaptabilidad de genotipos de cana de azúcar. I. Interacciones dentro de un localidad experimental. Revista Agronómica del Noroeste Argentino, v. 13, n. 14, p. 105-127, 1976.

NUNES, G. H. S. et al. Influência de variáveis ambientais sobre a interação genótipos x ambientes em meloeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. 4, p. 1194-1199, 2011a.

NUNES, G. H. S. et al. Phenotypic stability of hybrids of Galia melon in Rio Grande do Norte state, Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 83, n. 4, 1421-1434, 2011b.

QUEIROZ, J. O. S. et al. Estabilidade fenotípica de alfaces em diferentes épocas e ambientes de cultivo. Revista Ciência Agronômica, v. 45, n. 2, p. 276-283, 2014.

RESENDE, M. D. V. Genética biométrica e estatística no melhoramento de plantas perenes. 1. ed. Brasília, DF: Embrapa - Informação Tecnológica. 2002. 975 p.

RESENDE, M. D. V. Métodos estatísticos ótimos na análise de experimentos de campo. 1. ed. Colombo, PR: Embrapa Florestas. 2004. 57 p.

RESENDE, M. D. V. SELEGENREML/BLUP: Sistema Estatístico e Seleção Genética Computadorizada via Modelos Lineares Mistos. 1. ed. Colombo, PR: Embrapa Florestas. 2007. 359 p.

RESENDE, M. D. V; DUARTE, J. B. Precisão e controle de qualidade em experimentos de avaliação de cultivares. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 37, n. 3, p. 182-194. 2007.

RODRIGUES, I. N. et al. Desempenho de cultivares de alface na região de Manaus. Horticultura Brasileira, v. 26, n. 4, p. 524-527. 2008.

SILVA, G. O. et al. Verificação da adaptabilidade e estabilidade de populações de cenoura pelos métodos AMMI, GGE biplot e REML/BLUP. Bragantia, v. 70, n. 3, p. 494-501, 2011.

TORRES, F. E. et al. Interação genótipo x ambiente em genótipos de feijão-caupi semiprostrado via modelos mistos. Bragantia, v. 74, n. 3, p. 255-260, 2015.

VIANA, E. P. T. et al. A. Cultivo de alface sob diferentes condições ambientais. Agropecuária Científica no Semiárido, v. 9, n. 2, p. 21-26, 2013.

YAN, W. et al. GGE Biplots vs. AMMI analysis of genotype-by-environment data. Crop Science, v. 47, n. 1, p. 643-655, 2007.

ZUFFO, A. M. et al. Análise de crescimento em cultivares de alface nas condições do Sul do Piauí. Revista Ceres, v. 63, n. 2, p. 145-153, 2016.

Publicado
2019-05-22
Seção
Nota Técnica