PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Spondias tuberosa E Spondias dulcis COM O USO DE IMERSÃO EM ÁCIDO INDOL ACÉTICO

Palavras-chave: Regulador vegetal. Frutíferas. Umbu. Cajá-manga.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de seis concentrações do ácido indol-3-acético (AIA), em três tempos de imersão em soluções de AIA, na propagação vegetativa por estaquia de Spondias dulcis e Spondias tuberosa. O experimento foi conduzido em delineamento experimental inteiramente causalizados, em esquema fatorial (6 x 3), em seis concentrações (0, 2, 4, 6, 8 e 10 g L-1) do AIA e três intervalos de imersão (8, 16 e 24 segundos), com dez estacas por parcela de S. dulcis e S. tuberosa, com três repetições, em casa de vegetação. A porcentagem de sobrevivência das estacas, porcentagem de estacas enraizadas, número de brotações jovens foliares, número de raízes por estacas, comprimento geral das raízes e massa fresca total foram avaliadas aos 180 dias após o plantio. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste de F e ajustados em equações de regressão. Concluiu-se que a propagação vegetativa na espécie Spondias dulcis não obteve resultados satisfatórios utilizando a técnica proposta no trabalho. Concluiu-se, também, que a técnica de propagação vegetativa na espécie Spondias tuberosa obteve resultados satisfatórios, porém, com pouca eficiência para o aumento e emergência de novos brotos e raízes, e mais efetiva na concentração 10 g L-1 de AIA, com 16 segundos de imersão.

Referências

ALBUQUERQUE, H. et al. Potencial atividade antiulcerogênica da espécie Spondias mombin. Journal of Biology & Pharmacy and Agricultural Management, v. 10, n. 2, p. 26-29, 2015.

ALMEIDA, J. P. N. et al. Concentrações de AIB e substratos no enraizamento e vigor de estacas lenhosas de cajaraneira. Revista de Ciências Agrárias, v. 60, n. 1, p. 11-18, 2017.

ANDRADE, M. W. et al. Adubos nitrogenados e potássicos na produção de porta-enxertos de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.). Revista Caatinga, v. 26, n. 4, p. 117-122, 2013.

ANTUNES, W. C. et al. Spondias tuberosa trees grown in tropical, wet environments are more susceptible to drought than those grown in arid environments. Revista Colombiana de Ciencias Hortícolas, v. 10, n. 1, p. 9-27, 2016.

ATROCH, A. L.; CRAVO, M. S.; SANTOS, J. A. Enraizamento de estacas de clones de guaranazeiro tratados com ácido indol-3-butírico (AIB). Revista de Ciências Agrárias, v. 47, n. 1, p. 103-112, 2007.

ALVARENGA, L. R.; CARVALHO, V. D. Uso de substâncias promotoras de enraizamento de estacas frutíferas. Informe Agropecuário, v. 9, n. 101, p. 47-55, 1983.

CHALFUN, N. N. J. et al. Enraizamento de estacas dos marmeleiros ‘Japonês’ e ‘Portugal’ em diferentes substratos e concentrações de ácido indolbutírico. Ceres, v. 54, n. 311, p. 68-72, 2007.

CRUZ-SILVA, C. T. A.; FANTI, F. P.; ZUFFELLATO-RIBAS, K. C. Propagação vegetativa de jasmim-amarelo (Jasminum mesnyi Hance) via estaquia. Scientia Agraria, v. 14, n. 2, p. 77-82, 2013.

FACHINELLO, J. C.; HOFFMANN, A.; NACHTIGAL, J. C. Propagação de plantas frutíferas. 2. Ed. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2005, 221 p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FISCHER, D. D. O. et. al. Efeito do ácido indolbutírico e da cultivar no enraizamento de estacas lenhosas de mirtilo. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 30, n. 2, p. 285-289, 2008.

HARTMANN, H. T.; KESTER, D. E. Plant propagation: principles e practices. 8. Ed. Boston, MA: Prentice Hall, 2011, 915 p.

LIMA, M. S. S. et al. Caracterização de frutos de genótipos selecionados de umbu-cajazeira (Spondias sp.). Interciencia, v. 40, n. 5, p. 311-316, 2015.

LINS-NETO, E. M. F. et al. Analysis of umbu (Spondias tuberosa Arruda (Anacardiaceae)) in different landscape management regimes: A process of incipient domestication. Environmental Monitoring and Assessment, v. 184, n. 7, p. 4489-4499, 2012.

LORENZI, H. Frutas brasileiras e exóticas cultivadas: de consumo in natura. 1. Ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarium, 2006, 357 p.

NACHTIGAL, J. C. Obtenção de porta-enxertos ‘Okinawa’ e de mudas de pessegueiro (Prunus persica (L.) Batsch) utilizando métodos de propagação vegetativa. 1999. 165 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 1999.

MITCHELL, J. D.; DALY, D. C. A revision of Spondias L. (Anacardiaceae) in the Neotropics. PhytoKeys, v. 55, p. 1, p. 1-92, 2015.

MOURA, A. P. C.; SALLA, V. P.; LIMA, D. M. Enraizamento de estacas de Bougainvillea com concentrações de ácido naftalenoacético. Scientia Agraria, v. 16, n. 2, p. 57-61, 2015.

OLIVEIRA, J. A. R. et. al. Tipos de estacas e uso de AIB na propagação vegetativa de fisális. Revista Agroambiente On-line, v. 9, n. 3, p. 342-346, 2015.

OINAM, G. et. al. Adventitious Root formation in ornamental plants: I. general overview and recent successes. Propagation of Ornamental Plants, v. 11, n. 2, p. 78-90, 2011.

PAULA, L. A. et. al. Efeito do ácido indolbutírico e raizon no enraizamento de estacas herbáceas e lenhosas de umbuzeiro. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 29, n. 3, p. 411-414, 2007.

PEREIRA, M. O. et. al. Enraizamento de estacas de Sequoia sempervirens (D. Don) Endl. em função de concentrações e reaplicações de AIB. Revista Espacios, v. 38, n. 21, p. 1-15, 2017.

PIO, R. et al. Propagação do marmeleiro 'Japonês' por estaquia e alporquia realizadas em diferentes épocas. Ciência e Agrotecnologia, v. 31, n. 2, p. 570-574, 2007.

RADMANN, E. B.; FACHINELLO, J. C.; PETERS, J. A. Efeito de auxinas e condições de cultivo no enraizamento in vitro de porta-enxertos de macieira'M-9'. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 24, n. 3, p. 624-628, 2002.

REIS, R. V. et al. Estádios de desenvolvimento de mudas de umbuzeiros propagadas por enxertia. Ciência Rural, v. 40, n. 4, p. 787-792, 2010.

RIOS, É. S. et al. Concentrações de ácido indolbutírico, comprimento e época de coleta de estacas, na propagação de umbuzeiro. Revista Caatinga, v. 25, n. 1, p. 52-57, 2012.

ROCHA, L. A. et al. Diferenças foliares morfoanatômicas de quatro espécies da família Anacardiaceae. Caderno de Pesquisa, v. 27, n. 2, p. 35-48, 2015.

SANTOS, C. A. F.; OLIVEIRA, V. R. Inter-relações genéticas entre espécies do gênero Spondias com base em marcadores AFLP. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 30, n. 3, p. 731-735, 2008.

SANTOS, H. G. et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. Rio de Janeiro, RJ. 2018, 355p.

SANTOS, M. B. D. et al. Caracterização e qualidade de frutos de umbu-cajá (Spondias tuberosa x S. mombin) provenientes do recôncavo sul da Bahia. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 32, n. 4, p. 1089-1097, 2010.

SAMPAIO, P. D. T. B. et al. Propagação vegetativa por miniestacas de preciosa (Aniba canellila (HBK) MEZ). Acta Amazonica, v. 40, n. 4, p. 687-692, 2010.

SALIBE, A. B. et. al. Enraizamento de estacas do porta-enxerto de videira 'VR 043-43' submetidas a estratificação, ácido indolbutírico e ácido bórico. Bragantia, v. 69, n. 3, p. 617-622, 2010.

SILVA, G. A. et al. Gênero Spondias: aspectos botânicos, composição química e potencial farmacológico. Journal of Biology & Pharmacy and Agricultural Management, v. 10, n. 1, p. 1-15, 2014.

SOUZA, F. X.; COSTA, J. T. A. Produção de mudas das Spondias cajazeira, cajaraneira, cirigueleira, umbu-cajazeira e umbuzeiro. 1. ed. Fortaleza, CE: Embrapa Agroindústria Tropical, 2010, 133 p.

SOUZA, F. X.; ARAÚJO, C. A. T. Avaliação dos métodos de propagação de algumas Spondias agroindustriais. 1. ed. Fortaleza, CE: Embrapa Agroindústria Tropical, 1999, 4 p.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3.ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2009, 719 p.

TOSTA, M. S. et al. Ácido indolbutírico na propagação vegetativa de cajaraneira (Spondias sp.). Semina: Ciências Agrárias, v. 33, n. 6, p. 2727-2740, 2012.

VANZELA, E. S. L. et al. Chemical and sensory characteristics of pulp and peel 'cajá-manga' (Spondias cytherea Sonn.) jelly. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 31, n. 2, p. 398-405, 2011.

VIGNOLO, G. K. et al. Enraizamento de estacas lenhosas de três cultivares de mirtileiro com diferentes concentrações de AIB. Ciência Rural, v. 42, n. 5, p. 785-800, 2012.

Publicado
2019-11-19
Seção
Agronomia