MANCHA DE RAMULÁRIA AFETA A PRODUTIVIDADE E QUALIDADE DA FIBRA EM ALGODOEIRO SUBMETIDO À APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS

Palavras-chave: Algodão. Controle de doenças. Ramulariopsis gossypii. Qualidade da fibra. Danos.

Resumo

A mancha de ramulária (MR) é a principal doença do algodoeiro no Brasil e uma das principais causas de redução na produtividade da cultura. A doença causa desfolha, reduz a capacidade fotossintética e provoca abertura precoce de capulhos. Devido a importância da doença para o algodão e da carência de publicações nessa área, neste se avaliou a eficiência de fungicidas no controle da MR em algodoeiro e mensurou os danos causados sobre a produtividade e a qualidade da fibra. Foram conduzidos três experimentos de nas safras 2014/15 e 2016/17, em Planaltina/DF e Cristalina/GO, seguindo o delineamento de blocos casualizados e os tratamentos foram compostos pelos fungicidas, além de uma testemunha. As aplicações foram iniciadas preventivamente e repetidas a cada 14 dias (6 pulverizações). As variáveis mensuradas foram a severidade da MR, com a qual foi calculada a área abaixo da curva de progresso da MR (AACPR), a produtividade e a qualidade da fibra do algodão. Os fungicidas avaliados reduziram significativamente a AACPR em relação à testemunha e obtiveram maior produtividade de algodão em caroço. As estrobilurinas (azoxistrobina, piraclostrobina e picoxistrobina) mostraram baixa efetividade no controle da doença. Os triazóis (difenoconazol, epoxiconazol, tetraconazol e metconazol) apresentaram desempenho superior às estrobilurinas. Maior eficiência de controle foi obtida pela aplicação de piraclostrobina + fluxapiroxade, piraclostrobina + epoxiconazol + fluxapiroxade e hidróxido de fentina. A MR reduziu a produtividade do algodoeiro e induziu danos de 14,8 a 31,7%, reduzindo a qualidade da fibra, impactando negativamente o micronaire, comprimento, resistência e uniformidade da fibra.

Referências

ANDRADE JUNIOR, E. R.; GALBIERI, R. Eficiência de fungicidas no controle da mancha de ramulária em algodoeiro na safra 2015/16 em Mato Grosso. Cuiabá, MT: IMA-MT, 2016. 8 p. (Circular técnica n°26/2016).

AQUINO, L. A. et al. Elaboração e validação de escala diagramática para quantificação da mancha de ramulária do algodoeiro. Summa Phytopathologica, v. 34, n. 4, p. 361-363, 2008.

BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. N. Experimentação agrícola. 4. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP/ UNESP, 2006. 237 p.

BARBOSA, J. C.; MALDONADO JÚNIOR, W. Experimentação Agronômica e Agroestat – Sistema para análises estatísticas de ensaios agronômicos. Jaboticabal, SP: Multipress, 2015. 396 p.

BELTRÃO, N. E. M. et al. Fisiologia da fibra do algodoeiro herbáceo. In: BELTRÃO, N. E. M.; AZEVEDO, D. M. P. (Eds.). O agronegócio do algodão no Brasil. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. v. 2, cap. 32 p. 1121-1138.

CHITARRA, L. G. et al. Controle químico da mancha de ramulária do algodoeiro, causada por Ramularia areola, em função da idade da planta e da severidade da doença: safra 2003/2004. Campina Grande, PB: Embrapa Algodão, 2005. 16 p.

CIA, E. et al. Reação de genótipos de algodoeiro à incidência da mancha de ramularia em condições naturais de infestação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DO ALGODÃO, 7., 2009, Foz do Iguaçu. Anais... Campina Grande: Embrapa Algodão, 2009. 1 CD-ROM.

CURVÊLO, C. R. S. et al. Mecanismos bioquímicos da defesa do algodoeiro à mancha de ramulária mediados pelo silício. Bragantia, v. 72, n. 1, p. 41-51, 2013.

DIAS, A. R.; THEODORO, G. F. Integração de cultivares resistentes e fungicidas no controle da mancha de ramulária (Ramularia areola) e produtividade do algodoeiro. Revista de Ciências Agroveterinárias, v. 16, n. 3, p. 221-230, 2017.

FUNGICIDE RESISTANCE ACTION COMMITTEE - FRAC. List of plant pathogenic organisms resistant to disease control agents. Disponível em: < http://www.frac.info/docs/default-source/working-groups/sdhi-fungicides/group/list-of-resistant-plant-pathogens_2012-edition.pdf?sfvrsn=ef18469a_2>. Acesso em 20 fev. 2019.

FREIRE, E. C. Algodão no Cerrado. 3. ed. Brasília, DF: Positiva, 2015. 956 p.

GILIO, T. A. S. et al. Estimated damage caused by ramularia leaf spots on cotton. African Journal of Agricultural Research, v. 12, n. 1, p. 12-19, 2017.

IAMAMOTO, M. M. Doenças foliares do algodoeiro. 1. ed. Jaboticabal, SP: Funep, 2003. 41 p.

ISHII, H.; HOLLOMON, D. W. Fungicide resistance in plant pathogens: principles and a guide to practical management. Tokyo: Spriger, 2015. 489 p.

KLEFFMANN GROUP. GB Cereals Crop Protection Preliminary Amis Results 2014–2015. Kleffmann Group, 2015.

LOPES, L. O. et al. Efeito de fungicidas para o controle da Ramularia areola na cultura do algodoeiro. Summa Phytopathologica, v. 43, n. 3, p. 229-235, 2017.

MEHTA, Y. et al. Mycosphaerella areola-The Teleomorph of Ramularia areola of Cotton in Brazil, and Its Epidemiological Significance. American Journal of Plant Sciences, v. 7, n. 10, p. 1415-1422, 2016.

NOVAES, T. G. et al. Herança de resistência do algodoeiro a Ramularia areola. Summa Phytopathologica, v. 37, n. 2, p. 150-152, 2011.

PAIVA F. A. Doenças. In: EMBRAPA AGROPECUÁRIA DO OESTE (Eds.). Algodão: tecnologia de produção. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste, 2001. cap. 13, p. 245-266.

PIMENTEL GOMES, F. Curso de estatística experimental. 6. ed. Piracicaba, SP: Nobel, 1976. 430 p.

RATHAIAH, Y. Spore germination and mode of cotton infection by Ramularia areola. Phytopathology, v. 67, n. 3, p. 351-357, 1977.

ROCHA, C. L.; CARVALHO, C. L.; OLIVEIRA, C. G. Avaliação de fungicidas no controle de ramulária (Ramularia aerola) na cultura do algodão. In: XXXVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE FITOPATOLOGIA, 2005, Brasília. Anais... Brasília: Fitopatologia Brasileira, v. 30, p. 582.

SESTREN, J. A.; LIMA, J. J. Características e classificação da fibra do algodão. In: FREIRE, E. C. (Ed.) Algodão no cerrado do Brasil. Brasília: Positiva, 2015. cap. 18, p. 653-749.

SILVA, J. C. D. Mancha de ramulária do algodoeiro: agente etiológico, produção de inóculo, resistência de genótipos e controle integrado. 2014. 45 f. Tese (Doutorado em Agronomia: Área de Concentração em Proteção de plantas) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho, Botucatu, 2014.

SILVA, J. C.; SUASSUNA, N. D.; BETTIOL, W. Management of ramularia leaf spot on cotton using integrated control with genotypes, a fungicide and Tricho­derma asperellum. Crop Protection, v. 94, n. 1, p. 28-32, 2017.

SUASSUNA, N. D.; COUTINHO, W. M. Manejo das principais doenças do algodoeiro no cerrado brasileiro. In: FREIRE, E. C (Ed.). Algodão no cerrado do Brasil. Brasília: Talento, 2007. cap. 13, p. 479-521.

SUASSUNA, N. D. et al. Manejo de doenças do algodoeiro. In: BELTRÃO, N. E. M.; AZEVEDO, D. M. P. (Eds.). O agronegócio do algodão no Brasil. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. v. 2, cap. 29, p. 983-1032.

ZANDONÁ, C. et al. Mechanism of resistance and presence of different resistance genes to Ramularia areola in two cotton genotypes. Tropical Plant Pathology, v. 37, n. 3, p. 175-178, 2012.

Publicado
2019-08-26
Seção
Agronomia