A CONDIÇÃO DE ARMAZENAMENTO INTERFERE NO POTENCIAL FISIOLÓGICO E SANITÁRIO E NO TEOR DE ÓLEO DE SEMENTES DE MAMONA?

Palavras-chave: Armazém. Câmara fria. Criopreservação. Embalagem. Ricinus communis.

Resumo

Para investigar se diferentes condições de armazenamento interferem no potencial fisiológico, sanitário e no teor de óleo de sementes de mamona (Ricinus communis) foram utilizadas sementes de duas cultivares, Guarani e IAC-80, armazenadas em dois ambientes (câmara fria e armazém convencional) em duas embalagens (saco de papel Kraft multifoliado e saco plástico - com e sem acondicionamento a vácuo a 1 atm). Testou-se ainda outro tipo de acondicionamento, utilizando-se papel aluminizado para criopreservação das sementes (-196 °C). A qualidade das sementes foi avaliada antes do armazenamento e após 4, 8 e 12 meses por meio dos testes de geminação (contagem aos 7 e 14 dias), emergência, sanidade, teor de água e teor de óleo. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 7x4, sendo sete condições de armazenamento e quatro épocas. A criopreservação (-196 °C) é a condição ideal para manutenção do potencial fisiológico de sementes de Ricinus communis, cultivares IAC-80 e Guarani, ao longo do armazenamento. Independente das condições de armazenamento de sementes de R. communis, o teor de óleo decresce e a incidência dos fungos Aspergillus spp. e Fusarium spp. aumenta ao longo do armazenamento.

Referências

ALMEIDA, F. A. C. et al. Estudo de técnicas para o armazenamento de cinco oleaginosas em condições ambientas e criogênicas. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 12, n. 2, p. 189-202, 2010.

ANTONELLO, L. M. et al. Influência do tipo de embalagem na qualidade fisiológica de sementes de milho crioulo. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 4, p. 75-86, 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Padrões para produção e comercialização de sementes de mamona (Ricinus communis). Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/assuntos/insumos-agropecuarios/insumosagricolas/sementes-e-mudas/publicacoes-sementes-e-mudas/INN45de17desetembrode2013.pdf >. Acesso em: 04 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/insumos-agropecuarios/arquivos-publicacoes-insumos/2946_regras_analise__sementes.pdf>. Acesso em: 04 out. 2017.

CALDEIRA, C. M. et al. Qualidade de sementes de tabaco durante o processo de pelotização e armazenamento. Ciência Rural , v. 46, n. 2, p. 216-220, 2016.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/16_07_08_17_35_34_Ricinus communis junho2016.pdf > Acesso em: 04 out. 2017.

COSTA, L. M. et al. Qualidade de frutos de crambe durante o armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, v. 34, n. 2, p. 239-301, 2012.

DAVID, A. M. S. S. et al. Qualidade sanitária de sementes de Ricinus communis (cv. IAC-226). Comunicata Scientiae, v. 5, n. 3, p. 311-317, 2014.

FANAN, S. et al. Influência da colheita e do armazenamento na qualidade fisiológica de sementes de Ricinus communis. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 150-159. 2009.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

GOLDFARB, M.; QUEIROGA, V. P. Considerações sobre o armazenamento de sementes. Revista Tecnologia e Ciência Agropecuária, v. 7, n. 3, p. 71-74, 2013.

KAVIANI, B. Conservation of plant genetic resources by cryopreservation. Australian Journal of Crop Science, v. 5, n. 6, p. 778-800, 2011.

KOUTROUBAS, S. D.; PAPAKOSTA, D. K.; DOITSINIS, A. Water requirements for castor oil crop (Ricinus communis L.) in a Mediterranean climate. Journal of Agronomy and Crop Science, v. 184, n. 1, p. 33-41, 2000.

LIMA, E. F. et al. Fungos causadores de tombamento transportados e transmitidos pela semente da mamoneira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 32, n. 1, p. 915-918, 1997.

MAGUIRE, J. D. Speeds of germination aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MENDES, R. C. et al. Tratamentos pré-germinativos em sementes de Ricinus communis (Ricinus communis L.). Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 187-194, 2009.

MOURA, J. F. et al. Comparação de métodos de detecção de fungos em sementes de cebola. Pesquisa Agropecuária Pernambucana, v. 17, n. 1, p. 24-29, 2012.

QUEIROGA, V. P.; BELTRÃO, N. E. M. Produção e armazenamento de sementes de mamona (Ricinus communis L.). 1 ed. Campina Grande: Embrapa, 2004. 7 p. (Comunicado Técnico, 206).

REED, B. et al. Biodiversity conservation and conservation biotechnology tools. In Vitro Cellular & Developmental Biology, v. 47, n. 1, p. 1- 4, 2011.

ROCHA, M. S. et al. Crioconservação de sementes de algodão. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 13, n. 3, p. 312-318, 2009.

SANTOS, H. O. et al. Physiological and biochemical aspects of castor beans seeds deterioration stored in different packaging conditions and temperatures. Journal of Seed Science, v. 38, n. 3, p. 241-247, 2016.

SILVA, H. W. Higroscopicidade das sementes de pimenta (Capsicum chinese L.). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 19, n. 8, p. 780-784, 2015.

Publicado
28-03-2019
Seção
Agronomia