EFEITO DE DIFERENTES PRÁTICAS DE MANEJO FLORESTAL SOBRE A MACROFAUNA EDÁFICA EM CAATINGA ARBOREA

Palavras-chave: Organismos do solo. Exploração sustentável. Diversidade de invertebrados.

Resumo

O manejo florestal pode acarretar inúmeras modificações na composição e diversidade dos organismos do solo, em diferentes magnitudes de acordo com o nível de interferência no habitat. Neste contexto, o objetivo deste estudo foi testar a influência de diferentes tipos de manejo florestal sobre a comunidade da macrofauna edáfica em área de Caatinga arbórea. O estudo foi realizado na Floresta Nacional Contendas do Sincorá, Contendas do Sincorá - BA. A área experimental foi constituída de três tipos de manejo (corte raso, corte seletivo por diâmetro e corte seletivo por espécie) e uma condição de Caatinga não manejada, que foi utilizada como controle. A macrofauna foi amostrada pelo método do monólito de solo, em duas épocas do ano (março e novembro). Foram estimadas as densidades, o número total de indivíduos, a riqueza total, a riqueza média e os índices de Shannon e de Pielou. A macrofauna do solo mostrou-se sensível às diferentes práticas de manejo florestal, sendo indicativa de que os cortes seletivos são sistemas mais conservacionistas de uso da Caatinga. Dentre esses, o corte seletivo por espécie mostra-se menos impactante à macrofauna do solo, proporcionando índices de diversidade e abundância mais expressivos e a ocorrência de organismos mais exigentes em condições de microclima, característicos de áreas preservadas. Os grupos predominantes da fauna edáfica, tanto na Caatinga não manejada quanto na manejada, foram Isoptera, Formicidae, Larvas de Coleóptera e Chilopoda.

Referências

ALMEIDA, M. A. et al. Sazonalidade da macrofauna edafica do Curimatau da Paraiba, Brasil. Ambiencia, v. 11, n. 2, p. 393-407, 2015.

ANDERSON, J. M.; INGRAM, J. S. I. Tropical soil biology and fertility: a handbook of methods. 2. ed. Wallingford: CAB International, 1993, 265 p.

ARAÚJO A. S. F. D. et al. Soil surface-active fauna in degraded and restored lands of Northeast Brazil. Land Degradation Development, v. 26, n. 1, p. 1-8, 2015.

ARAÚJO, K. D. et al. Influência da precipitação pluvial sobre a mesofauna Invertebrada do solo em área de caatinga no Semiárido da Paraíba. Revista Eletrônica do Curso de Geografia, v. 12, s/n., p. 1-12, 2009.

BARETTA, D. et al. Earthworm populations sampled using collection Araucaria angustifolia methods in Atlantic Forests. Scientia Agricola, v. 64, n. 4, p. 384-392, 2007.

BARROSO, E. et al. Acidentes por centopéias notificados pelo “Centro de informações toxicológicas de Belém”, num período de dois anos. Revista da Sociedade Brasileira Medicina Tropical, v. 34, n. 6, p. 527-530, 2001.

BRASIL, Ministerio da Casa Civil. Lei nº 12651, de 25 de maio de 2012. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20112014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 08 Jan. 2018.

COMITÊ TÉCNICO CIENTÍFICO DA REDE DE MANEJO FLORESTAL DA CAATINGA. Protocolo de medições de parcelas permanentes. Recife, PE: RMFC, 2005. 21 p.

COSTA, L. M.; DRESCHER, M. S. Implications of agricultural management on the epigeic fauna and soil physical properties of a clayey Oxisol. Revista Ceres, v. 65, n. 5, p. 443-449, 2018.

CUNHA NETO, F. V. et al. Soil fauna as an indicator of soil quality in forest stands, pasture and secondary forest. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 36, n. 5, p. 1407-1417, 2012.

DOBLAS-MIRANDA, E.; SANCHEZ-PIÑERO, F.; GONZÁLEZ-MEGÍAS, A. Soil macroinvertebrate fauna of a Mediterranean arid system: Composition and temporal changes in the assemblage. Soil Biology & Biochemistry, v. 39, n. 8, p. 1916-1925, 2007.

DONAGEMMA, G. K. et al. Manual de métodos de análise de solo . 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: EMBRAPA, 2011. 225 p.

DRUMOND, M. A.; SCHEISTEK, H.; SEIFFARTH, J. A. Caatinga: Um bioma exclusivamente brasileiro e o mais frágil. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, v. 7, n. 389, p. 1-60, 2012.

EDWARDS, C. A.; BOHLEN, P. J. Biology and ecology of earthworms. 3. ed. London: Chapman & Hall; 1996. 422 p.

GOTELLI, N. J. Ant lion zones: causes of high-density predator aggregations. Ecology, v. 74, n. 1, p. 226-237, 1993.

GUERRA, R. T.; BUENO, C. R.; SCHUBART, H. O. Avaliação preliminar sobre os efeitos da aplicação de herbicidas Paraquat e aração convencional na fauna edáfica do solo na região de Manaus - AM. Acta Amazônica, v. 12, n. 1, p. 7-13, 1982.

HOFFMAN, R. B. et al. Efeito do uso do solo sobre a macrofauna edáfica. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 1, n. 1, p. 125-133, 2018.

LIMA, P. C. F.; LIMA, J. L. S. Composição florísitica e fitossociologia de uma área de Caatinga em Contendas do Sincorá, Bahia, microrregião homogênea da Chapada Diamantina. Acta Botanica Brasilica, v. 12, n. 3, sup., p. 441-450, 1998.

MACHADO, D. L. et al. Fauna edáfica na dinâmica sucessional da Mata Atlântica em floresta estacional semidecidual na bacia do Rio Paraíba do Sul – RJ. Ciência Florestal, v. 25, n. 1, p. 91-106, 2015.

MARCHÃO, R. L. et al. Soil macrofauna under integrated crop-livestock systems in a Brazilian Cerrado Ferralsol. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 44, n. 8, p. 1011-1020, 2009.

MARTINS, L. et al. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2012. 271 p.

MARQUES, D. M. et al. Macrofauna edáfica em diferentes coberturas vegetais. Biosciense Journal, v. 30, n. 5, p. 1588-1597, 2014.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE/INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - MMA/IBAMA. Plano de manejo Floresta Nacional Contendas do Sincorá. v 1. Brasília: MMA/IBAMA, 2006. 132 p.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Caatinga. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/biomas/caatinga>. Acesso em: 31 jan. 2018.

MOÇO, M. K. S. et al. Caracterização da fauna edáfica em diferentes coberturas vegetais na região Norte Fluminense. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 29, n. 4, p. 555-564, 2005.

NUNES, F. P.; PINTO, M. T. C. Decomposição do folhedo em reflorestamento ciliar na bacia hidrográfica do rio São Francisco, Minas Gerais. Cerne, v. 18, n. 3, p. 423-431, 2012.

NUNES, L. A. P. L.; ARAÚJO FILHO, J. A.; MENEZES, R. I. Q. Diversidade da fauna edáfica em solos submetidos a diferentes sistemas de manejo no Semiárido Nordestino. Scientia Agrícola, v. 10, n. 1, p. 43-49, 2009.

NUNES, L. A. P. L.; ARAÚJO FILHO, J. A.; MENEZES, R. I. Q. Recolonização da fauna edáfica em áreas de caatinga submetidas a queimadas. Revista Caatinga, v. 21, n. 3, p. 214-220, 2008.

ODUM, E. P.; BARRETT, G. W. Fundamentos de ecologia. 6. ed. São Paulo, SP: CENGAGE, 2011. 612 p.

PAOLETTI, M. G.; HASSALL, M. Woodlice (Isopoda: Oniscidea): Their potential for assessing sustainability and use as bioindicators. Agriculture, Ecosystems & Environment, v. 74, n. 1-3, p. 157-165, 1999.

PIELOU, E. C. Mathematical ecology. New York: Wiley, 1977. 286 p.

PINHEIRO, F. J. et al. Caracterizacao da macrofauna edafica na interface solo-serrapilheira em uma area de Caatinga do Nordeste brasileiro. Enciclopedia Biosfera,v. 10, n. 19, p. 2964, 2014.

RUGGIERO, M. A. et al. A Higher Level Classification of All Living Organisms. PLoS ONE, v. 10, n. 4, p. 119-248, 2015.

SCORIZA, R. N.; CORREIA, M. E. F. Fauna do solo como indicadora em fragmentos florestais na Encosta de Morrotes. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 4, p. 598-601, 2016.

SILVA, R. F. et al. Macrofauna invertebrada do solo sob diferentes sistemas de produção em Latossolo da região do Cerrado. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, n. 4, p. 697-704, 2006.

SMITH, R. L.; SMITH, T. M. Ecologia. Madrid: Pearson Educación S. A., 2001,776 p.

SOUTO, P. C. et al. Comunidade microbiana e mesofauna edáficas em solo sob Caatinga no semiárido da Paraíba. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 32, n. 1, p. 151-160, 2008.

SWIFT, M. J. et al. O inventário da biodiversidade biológica do solo: conceitos e orientações gerais. In: MOREIRA, F. M. S., HUISING, E. J., BIGNELL, D. E. (Eds.). Manual de biologia dos solos tropicais: amostragem e caracterização da biodiversidade. Lavras: Editora da UFLA, 2010, v. 1, cap. 5, p. 23-41.

TEIXEIRA, R. L.; COUTINHO, E. S. Hábito alimentar de Proceratophrys boiei (Wied) (Amphibia, Anura, Leptodactylidae) em Santa Teresa, Espírito Santo, Sudeste do Brasil. Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão, v. 14, s/n., p. 13-20, 2002.

TOWNSEND, C. R.; BEGON, M.; HARPER, J. L. Fundamentos em Ecologia. 2. ed. Porto Alegre, RS: ARTMED, 2006. 592 p.

Publicado
2019-08-27
Seção
Ciências Florestais