DESENVOLVIMENTO INICIAL E TOLERÂNCIA DE ESPÉCIES DE PIMENTA AO ESTRESSE SALINO

Palavras-chave: Solanaceae. Capsicum sp. Estresse abiótico. Irrigação.

Resumo

A salinidade é uma das principais causas da queda de rendimento das culturas, em regiões áridas e semiáridas, sendo necessária a utilização de espécies tolerantes que viabilizem o cultivo nestas áreas. Nesse sentido, objetivou-se verificar a emergência, o crescimento inicial e a tolerância de espécies de pimenta irrigadas com águas salinas. O experimento foi conduzido em ambiente protegido (casa de vegetação), sendo os tratamentos formados a partir do esquema fatorial 5 x 3, usando-se quatro repetições de trinta sementes. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, relativos a cinco níveis de salinidade da água de irrigação (0,6; 1,2; 1,8; 2,4 e 3,0 dS m-1) e três espécies de pimenta [E1 – Capsicum annuum (“Doce Comprida”); E2 – Capsicum frutescens (“Malagueta”); E3 – Capsicum chinense (“De Bico”)]. As plântulas de pimenta foram cultivadas em bandejas de 30 células com capacidade de 0,1 dm3 de substrato, durante 30 dias após a semeadura. Nesse período, as plântulas foram monitoradas quanto à emergência, o crescimento inicial e o acúmulo de matéria seca. O aumento da salinidade da água de irrigação reduz a emergência, o crescimento e o acúmulo de fitomassa das pimentas C. annuum, C. frutescens e C. chinense. As espécies C. annuum, C. frutescens e C. chinense toleram CEa de até 1,78, 2,71 e 1,55 dS m-1 na fase de desenvolvimento inicial, respectivamente, sendo a C. frutescens a mais tolerante ao estresse salino, e a C. chinense, a mais sensível dentre as espécies verificadas.

Referências

ALBUQUERQUE, J. R. T. et al. Crescimento inicial e tolerância de cultivares de pepino sob estresse salino. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 10, n. 2, p. 486-495, 2016.

ARAÚJO, E. B. G. et al. Crescimento inicial e tolerância de cultivares de meloeiro à salinidade da água. Revista Ambiente & Água, v. 11, n. 2, p. 462-471, 2016.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. Water quality for agriculture. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 1985. 174 p. (Irrigation and Drainage Paper, 29).

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: Ciência, Tecnologia e Produção. 5. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP, 2012. 590p.

DANTAS, C. V. S. et al. Influência da salinidade e deficit hídrico na germinação de sementes de Carthamus tinctorius L. seeds L. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 3, p. 574-582, 2011.

ESTEVES, B. S.; SUZUKI, M. S. Efeito da salinidade sobre as plantas. Oecologia Brasiliensis, v. 12, n. 4, p. 662-679, 2008.

FAGERIA, N. K.; SOARES FILHO, W. S.; GHEYI, H. R. Melhoramento genético vegetal e seleção de espécies tolerantes à salinidade. In: GHEYI, H. R.; DIAS, N. S.; LACERDA, C. F. (Eds.). Manejo da salinidade na agricultura: Estudos básicos e aplicados. Fortaleza: INCTSal, 2010. v. 1, cap. 13, p. 205-216.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3. ed. rev. e ampl. Viçosa, MG: Editora UFV, 2013. 421 p.

MACIEL, K. S.; LOPES, J. C.; MAURI, J. Germinação de sementes e vigor de plântulas de brócolos submetida ao estresse salino com NaCl. Nucleus, v. 9, n. 1, p. 221-228, 2012.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-77, 1962.

MEDEIROS, J. F. et al. Caracterização das águas subterrâneas usadas para irrigação na área produtora de melão da Chapada do Apodi. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 7, n. 3, p. 469-472, 2003.

MUNNS, R.; TESTER, M. Mechanisms of salinity tolerance. Annual Review of Plant Biology, v. 59, n. 1, p. 651– 681, 2008.

OLIVEIRA, F. A. et al. Desempenho de cultivares de alface submetidas a diferentes níveis de salinidade da água de irrigação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 15, n. 8, p. 771-777, 2011.

OLIVEIRA, F. A. et al. Desenvolvimento inicial de espécies de abóboras e morangas submetidas ao estresse salino. Agro@mbiente On-line, v. 8, n. 2, p. 222-229, 2014.

OLIVEIRA, F. A. et al. Emergência e crescimento inicial de plântulas de beterraba cv. Chata do Egito sob estresse salino. Agropecuária Científica no Semi-Árido, v. 11, n. 1, p. 1-6, 2015a.

OLIVEIRA, F. A. et al. Emergência e crescimento inicial de plântulas de repolho cv. Chato de Quintal sob estresse salino. Agropecuária Técnica, v. 36, n. 1, p. 273-279, 2015b.

REBOUÇAS, J. R. L. et al. Cultivo hidropônico de coentro com uso de rejeito salino. Irriga, v. 18, n. 4, p. 624-634, 2013.

RHOADES, J. D.; KANDIAH, A.; MASHALI, Q. M. The use of saline waters for crop production. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 1992. 133 p. (Irrigation and Drainage Paper, 48).

SÁ, F. V. S. et al. Initial development and tolerance of bell pepper (Capsicum annuum) cultivars under salt stress. Journal of Agricultural Science, v. 9, n. 11, p. 181-189, 2017.

SALES, M. A. L. et al. Germinação e crescimento inicial do coentro em substrato irrigado com água salina. Brazilian Journal of Biosystems Engineering, v. 9, n. 3, p. 221-227, 2015.

SANTOS, A. S. et al. Tolerance of varieties and hybrid of pumpkin and squash to salt stress. Journal of Agricultural Science, v. 10, n. 1, p. 38-44, 2018.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Embrapa - Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 2013. 353 p.

SYVERTSEN, J. P.; GARCIA-SANCHEZ, F. Multiple abiotic stresses occurring with salinity stress in citrus. Environmental and Experimental Botany, v. 103, n. 1, p. 128-137, 2014.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 858 p.

VOIGT, E. L. et al. Source-sink regulation of cotyledonary reserve mobilization during cashew (Anacardium occidentale) seedling establishment under NaCl salinity. Journal of Plant Physiology, v. 166, n. 1, p. 80-89, 2009.

Publicado
2019-08-27
Seção
Nota Técnica