TEMPERATURA, SUBSTRATO E CONDIÇÃO DE LUMINOSIDADE NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DA CHIA

Palavras-chave: Lamiaceae. Salvia hispanica. Potencial germinativo. Fotoblastismo.

Resumo

Este trabalho teve como objetivo avaliar a temperatura, o substrato e a luminosidade na germinação de sementes de chia, a fim de determinar procedimentos adequados para um teste de germinação. O experimento consistiu de um delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 4 x 5 x 2 (quatro substratos x cinco temperaturas x duas condições de luminosidade), com quatro repetições. As seguintes variáveis foram analisadas: primeira contagem de germinação; germinação; índice de velocidade de germinação e tempo médio de germinação. A germinação apresentou as maiores porcentagem de germinação a 15, 20, 25 e 30 °C para os substratos em papel, rolo de papel e areia; no entanto, na presença de luminosidade, o substrato em papel, a 25 °C, diferiu de todos os demais, resultando na maior média. Para todos os substratos, a menor germinação foi obtida a 35 °C, comprovando que o uso de altas temperaturas reduz a germinação das sementes de chia. O índice de velocidade de germinação apresentou os maiores valores a 25 e 30 °C para substratos em papel, rolo de papel e areia, tanto na presença quanto na ausência de luminosidade. Sementes de chia são consideradas como fotoblasticas neutras. O teste de germinação deve ser realizado com o substrato em papel, a 25 °C, com duração de sete dias, sendo a primeira contagem realizada aos quatro dias após a instalação do teste.

Referências

ALCÂNTARA, M. A. et al. Effect of the solvent composition on the profile of phenolic compounds extracted from chia seeds. Food Chemistry, v. 275, n. 1, p. 489–496, 2019.

ALVES, C. Z. et al. Metodologia para a condução do teste de germinação em sementes de goiaba. Revista Ciência Agronômica, v. 46, n. 3, p. 615-621, 2015.

BEWLEY, J. D.; BLACK, J. M. Seeds: physiology of development and germination. 2. ed. New York: Plenum Press. 1994. 445 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395 p.

CAPITANNI, M. I. et al. Physicochemical and functional characterization of by-products from chia (Salvia hispanica L.) seeds of Argentina. Food Science and Technology, v. 45, n. 1, p. 94-102, 2012.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP, 2012. 590 p.

FIGLIOLIA, M. B. et al. Análise de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. (Eds.). Sementes florestais tropicais. Brasília: Abrates, 1993. v. 1, cap. 4, p. 137-174.

GUEDES, R. S.; ALVES, E. U. Substratos e temperaturas para o teste de germinação de sementes de Chorisia glaziovii (O. Kuntze). Cerne, v. 17, n. 4, p. 525-531, 2011.

HOFS, A. et al. Efeito da qualidade fisiológica das sementes e da densidade de semeadura sobre o rendimento de grãos e qualidade industrial em arroz. Revista Brasileira de Sementes, v. 26, n. 2, p. 54-62, 2004.

IXTAINA, V. Y. et al. Characterization of chia seed oils obtained by pressing and solvent extraction. Journal of Food Composition and Analysis, v. 24, n. 2, p. 166-174, 2011.

JIN, F. et al. Supplementation of milled chia seeds increases plasma ALA and EPA in postmenopausal women. Plant Foods for Human Nutrition, v. 67, n. 2, p. 105-110, 2012.

LABOURIAU, L. G. A. Germinação das sementes. Washington, DC: Secretaria da OEA, 1983. 173 p.

LUZ, F. N. et al. Interferência de luz, temperatura, profundidade de semeadura e palhada na germinação e emergência de Murdannia nudiflora. Comunicata Scientiae, v. 5, n. 1, p. 26-33, 2014.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in relation evaluation for seedling emergence vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MARINELI, R. D. S. et al. Antioxidant potential of dietary chia seed and oil (Salvia hispanica L.) in diet-induced obese rats. Food Research International, v. 76, n. 4, p. 666–674, 2015.

MENEZES, N. L. et al. Germinação de sementes de Salvia splendens Sellow em diferentes temperaturas e qualidade de luz. Revista Brasileira de Sementes, v. 26, n. 1, p. 32-37, 2004.

MONDO, V. H. V. et al. Teste de germinação de sementes de Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan (Fabaceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 2, p. 177-183, 2008.

NASCIMENTO, W. M. et al. Qualidade fisiológica da semente e estabelecimento de plantas de hortaliças no campo. 1. ed. Porto Alegre, RS: Embrapa Hortaliças, 2011. 16p.

OLIVEIRA, S. S. C. et al. Seleção de progênies de nabo-forrageiro para germinação sob altas temperaturas. Ciência Rural, v. 44, n. 2, p. 217-222, 2014.

OLIVEIRA-ALVES, S. C. et al. Characterization of phenolic compounds in chia (Salvia hispanica L.) seeds, fiber flour and oil. Food Chemistry, v. 232, n. 1, p. 295–305, 2017.

ORZARI, I. et al. Germinação de espécies da família Convolvulaceae sob diferentes condições de luz, temperatura e profundidade de semeadura. Planta Daninha, v. 31, n. 1, p. 53-61, 2013.

PACHECO JUNIOR, F. et al. Germination and vigor of long-pepper seeds (Piper hispidinervum) as a function of temperature and light. Revista Ciência Agronômica, v. 44, n. 2, p. 325-333, 2013.

PAIVA, E. P. et al. Light regime and temperature on seed germination in Salvia hispanica L. Acta Scientiarum: Agronomy, v. 38, n. 4, p. 513-519, 2016.

POSSENTI, J. C. et al. Influência da temperatura e do substrato para a germinação de sementes de chia. Revista Científica, v. 44, n. 2, p. 235-238, 2016.

SANDOVAL-OLIVEROS, M. R.; PAREDES-LÓPES, O. Isolation and characterization of proteins from chia seeds (Salvia hispanica L.). Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 61, n. 2, p. 193-201, 2013.

STEFANELLO, R. et al. Germinação e vigor de sementes de chia (Salvia hispanica L. - Lamiaceae) sob diferentes temperaturas e condições de luz. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 17, n. 4, p. 1177-1181, 2015.

TAKAKI, M. A. Luz como fator de estresse na germinação de sementes. In: NOGUEIRA, R. M. C. (Ed.). Estresses ambientais: danos e benefícios em plantas. Recife, PE: UFRP, 2005. v. 1, cap. 3, p. 243-248.

VÁZQUEZ-OVANDO, J. A. et al. Dry processing of chia (Salvia hispanica L.) flour: chemical characterization of fiber and protein. Journal of Food, v. 8, n. 2, p. 117-127, 2010.

Publicado
2019-05-20
Seção
Agronomia