DESEMPENHO FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE Physalis angulata L. TRATADAS COM PROMOTORES QUÍMICOS

Palavras-chave: Solanaceae. Germinação. Ácido giberélico. Nitrato de potássio. Stimulate®.

Resumo

Physalis angulata L. (Solanaceae), conhecida popularmente como camapu, possui elevado potencial farmacológico e agroindustrial. No entanto, por ser uma espécie essencialmente silvestre, os estudos sobre a qualidade fisiológica de suas sementes ainda são escassos. Neste sentido, objetivou-se avaliar o desempenho fisiológico de sementes de P. angulata, em função de tratamentos pré-germinativos com promotores químicos. Para isso, realizou-se testes de germinação, primeira contagem de germinação, índice de velocidade de germinação e emergência de plântulas. O substrato foi previamente umedecido com soluções de ácido giberélico – GA3 (0,00; 0,02; 0,04; 0,06 e 0,08%), nitrato de potássio - KNO3 (0,0; 0,2; 0,4; 0,6; 0,8 e 1,0%), e Stimulate® (0,00; 0,25; 0,50; 0,75; 1,00; 1,25 e 1,50%). Cada promotor químico constituiu um experimento independente, em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições de 25 sementes. Os três promotores químicos estimularam o desempenho fisiológico de sementes de P. angulata, e as concentrações de 0,05% de GA3, 0,4% de KNO3 e 1,0% de Stimulate® foram as mais adequadas.

Referências

BINOTTI, F. F. S. et al. Tratamentos pré-germinativos em sementes de brachiaria. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 9, n. 4, p. 614-618, 2014.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 399 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal, SP: Funep, 2012. 590 p.

CARVALHO, T. C. et al. Germinação de sementes de Physalis angulata L.: estádio de maturação do cálice e forma de armazenamento. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 44, n. 4, p. 357-362, 2014.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

GUERRA, M. P.; RODRIGUES, M. A. Giberelinas. In: KERBAUY, G. B. (Ed.). Fisiologia vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. v. 2, cap. 11, p. 235-254.

GUIMARÃES, et al. Effects of seco-steroids purified from Physalis angulata L., Solanaceae, on the viability of Leishmania sp. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 20, n. 6, p. 945-949, 2010.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination: aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed. Londrina, PR: ABRATES, 2015. 660 p.

MORTELE, L. M. et al. Efeito de biorregulador na germinação e no vigor de sementes de soja. Revista Ceres, v. 58, n. 5, p. 651-660, 2011.

NUNES, A. S. et al. Nitrato de potássio e retirada do pericarpo na germinação e na avaliação do vigor de sementes de crambe. Semina. Ciências Agrárias, v. 36, n. 3, p. 1775-1782, 2015.

OLIVEIRA, J. A. R. et al. Caracterização Física, Físico-Química e Potencial Tecnológico de Frutos de Camapu (Physalis Angulata L.). Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 5, n. 2, p. 573-583, 2011.

OLIVEIRA, J. A. R. et al. Tipos de estacas e uso de AIB na propagação vegetativa de fisális. Revista Agroambiente On-line, v. 9, n. 3, p. 342-346, 2015.

PRADO NETO, M. et al. O. Germinação de sementes de jenipapeiro submetidas à pré-embebição em regulador e estimulante vegetal. Ciência e Agrotecnologia, v. 31, n. 3, p. 693-698, 2007.

SANTIAGO, W. R. et al. Physiological maturity of Physalis angulata L. seeds. Revista Ciência Agronômica, v. 50, n. 3, p. 431-438, 2019.

SANTOS, L. D. C. et al. Germinação de diferentes tipos de sementes de Brachiaria brizantha cv. BRS Piatã. Bioscience Journal, v. 27, n. 3, p. 420-426, 2011.

SANTOS, C. A. C. et al. Stimulate na germinação de sementes, emergência e vigor de plântulas de girassol. Bioscience Journal, v. 29, n. 2, p. 605-616, 2013.

SILVA, A. N. et al. Germinação de sementes de Castanheira-do-Pará armazenadas em areia úmida. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 44, n. 11, p. 1431-1436, 2009a.

SILVA, J. L.; GUIMARÃES, S. C.; YAMASHITA, O. M. Germinação de sementes de Chloris barbata (L.) Sw. em função da luz. Revista de Ciências Agro-Ambientais, v. 7, n. 1, p. 23-34, 2009b.

SILVA, M. J. R. et al. Formação de mudas de melancia em função de diferentes concentrações e formas de aplicação de mistura de reguladores vegetais. Scientia Plena, v. 10, n. 10, p. 1-9, 2014.

SOARES, M. B. B. et al. Efeito da pré-embebição em solução bioestimulante sobre a germinação e vigor de sementes de Lactuca sativa L. Biotemas, v. 25, n. 2, p. 17-23, 2012.

SOUZA, M. O. et al. Preconditioning of Physalis angulata L. to maintain the viability of seeds. Acta Amazonica, v. 44, n. 1, p. 153-156, 2014.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: ARTMED, 2017. 858 p.

VENDRUSCOLO, E. P. et al. GA3 em sementes de tomateiro: efeitos na germinação e desenvolvimento inicial de mudas. Revista de Agricultura Neotropical, v. 3, n. 4, p. 19-23, 2016.

VIANA, R. S. et al. Aplicação de fitorreguladores químicos na qualidade tecnológica do sorgo sacarino cv. biomatrix 535. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v. 14, n. 3, p. 326-334, 2015.

Publicado
2019-08-27
Seção
Nota Técnica