A DESSECAÇÃO QUÍMICA E A ÉPOCA DE COLHEITA AFETAM A QUALIDADE FISIOLÓGICA E SANITÁRIA DE SEMENTES DE SOJA?

Palavras-chave: Glycine max. Herbicidas. Maturidade fisiológica. Vigor.

Resumo

O uso de dessecantes pode permitir a obtenção de sementes com máxima qualidade fisiológica e sanitária, devido o menor período em que as sementes ficam expostas as condições adversas no campo aguardando o estádio de maturação para colheita. O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito de dessecantes químicos e épocas de colheita sobre a qualidade fisiológica e sanitária em sementes de soja. O ensaio foi realizado em delineamento em blocos casualizados, disposto em esquema fatorial (4 × 3) + 1, sendo quatro herbicidas para a dessecação (gramoxone - 2 L ha-1, glufosinato – 2 L ha-1, reglone – 1,5 L ha-1, saflufenacil 40 g ha-1) aplicado no estádio fenológico R7.1 (maturidade fisiológica e 65% de umidade), com três épocas de colheita (0; sete e 14 dias após o estádio fenológico R8 - maturação plena), mais o controle (ausência de dessecante e colhida em R8), com quatro repetições. O uso do dessecante gramoxone e as sementes colhidas sete dias após R8 proporciona maior qualidade fisiológica de sementes de soja, conforme observado nas variáveis germinação, danos por umidade, danos mecânicos e a incidência de Colletotrichum sp., Phomopsis sp., Penicilium sp., Fusarium sp., Cercospora kikuchii e Alternaria sp.. A colheita de sementes no estádio R8+14 promove as maiores perdas na qualidade das sementes. O uso de glufosinato de amônio e saflufenacil como dessecantes não são recomendados, devido à redução na qualidade fisiológica das sementes de soja.

Referências

BEALE, S. I.; WEINSTEIN, J. D. Tetrapyrrole metabolism in photosynthetic organisms. In: DAILEY, H. A. (Ed.). Biosynthesis of heme and chlorophyll. New York: McGraw-Hill, 1990. p. 287-391.

BOTELHO, F. J. E. et al. Qualidade de sementes de soja obtidas de diferentes cultivares submetidas à dessecação com diferentes herbicidas e épocas de aplicação. Revista Agro@mbiente, v. 10, n. 2, p. 137-144, 2016.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes, Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. Instrução Normativa n. 45, de 17 de setembro de 2013. Padrões de identidade e qualidade para produção e comercialização de sementes.

BÜLOW, R. L.; CRUZ-SILVA, C. T. A. Dessecantes aplicados na pré-colheita na qualidade fisiológica de sementes de soja. Jounal of Agronomic Sciences, v. 1, n. 1, p. 67-75, 2012.

CARDOSO, R. B. et al. Potencial fisiológico de sementes de crambe em função de embalagens e armazenamento. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 42, n. 3, p. 272-279, 2012.

CARVALHO, L. B. Dinâmica fisiológica. In: CARVALHO, L. B. (Ed.). Herbicidas. Lages, 2013. v. 1, cap. 4, p. 21-52.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP, 2012. 590 p.

DALTRO, E. M. F. et al. Aplicação de dessecante em pré-colheita: efeito na qualidade fisiológica de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 1, p. 111-122, 2010.

DANELLI, A. L. et al. Qualidade sanitária e fisiológica de sementes de soja em funçao do tratamento químico de sementes e no campo. Revista Ciencia y Tecnología, v. 4, n. 2, p. 29-37, 2011.

DANTAS, A. A.; CARVALHO, L. G.; FERREIRA, E. Classificação e tendências climáticas em Lavras, MG. Ciência e Agrotecnologia, v. 31, n. 6, p.1862-1866, 2007.

DELGADO, C. M. L.; COELHO, C. M. M.; BUBA, G. P. Mobilization of reserves and vigor of soybean seeds under desiccation with ammonium glufosinate. Journal of Seed Science, v. 37, n. 2, p. 154-161, 2015.

DINIZ, F. O. et al. Qualidade fisiológica de sementes de soja de cultivares submetidas ao atraso de colheita e sua associação com a emergência de plântulas no campo. Journal of Seed Science, v. 35, n. 2, p. 147-152, 2013.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Brasília, DF: EMBRAPA, 2013. 353 p.

FEHR, W. R. et al. Stage of development descriptions for soybeans, Glycine max (L.) Merrill. Crop Science, v. 11, n. 6, p. 929-931, 1971.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FRANÇA-NETO, J. B. et al. O teste de tetrazólio em sementes de soja. Londrina, PR: EMBRAPA, 1998. 72 p.

GROSSMANN, K. et al. The herbicide saflufenacil (KixorTM) is a new inhibitor of protoporphyrinogen IX oxidase activity. Weed Science, v. 58, n. 1, p. 1-9, 2010.

GUIMARÃES, V. F. et a. Produtividade e qualidade de sementes de soja em função de estádios de dessecação e herbicidas. Planta Daninha, v. 30, n. 3, p. 567-573, 2012.

KAPPES, C. et al. Potencial fisiológico de sementes de soja dessecadas com Reglone e Gramoxone. Scientia Agrária, v. 10, n. 1, p. 1-6, 2009.

LACERDA, A. L. S. et al. Efeito da dessecação de plantas de soja no potencial fisiológico e sanitário das sementes. Bragantia, v. 64, n. 3, p. 447-457, 2005.

MACHADO, J. C. Tratamento de sementes no controle de doenças. Lavras, MG: UFLA, 2000. 138 p.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed. Londrina, PR: ABRATES, 2015. 660 p.

MINUZZI, A. et al. Qualidade de sementes de quatro cultivares de soja, colhidas em dois locais no estado do Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 1, p. 176-185, 2010.

MOREANO, T. B. et al. Physical and physiological qualities of soybean seed as affected by processing and handling. Journal of Seed Science, v. 35, n. 4, p. 466-477, 2013.

SANTOS, F. L. et al. A influência de dessecante na qualidade fisiológica de sementes de soja. Brazilian Journal of Biosystems Engineering, v. 12, n. 1, p. 68-76, 2018.

TAIZ L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6 ed. Porto Alegre, RS: ARTMED, 2017. 888 p

TERASAWA, J. M. et al. Antecipação da colheita na qualidade fisiológica de sementes de soja. Bragantia, v. 68, n. 3, p. 765-774, 2009.

TOLEDO, M. Z.; CAVARIANI, C.; FRANÇA NETO, J. B. Qualidade fisiológica de sementes de soja colhidas em dias épocas após dessecação das plantas com glyphosate. Journal of Seed Science, v. 34, n. 1, p. 135-144, 2012.

VEIGA, A. D. et al. Tolerância de sementes de soja à dessecação. Ciência e Agrotecnologia, v. 31, n. 3, p. 771-780, 2007.

ZUFFO, A. M. et al. Physiological and sanitary quality of soybean seeds harvested at different periods and submitted to storage. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 47, n. 3, p. 312-320, 2017a.

ZUFFO, A. M. et al. Physiological and enzymatic changes in soybean seeds submitted to harvest delay. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 47, n. 4, p. 488-496, 2017b.

Publicado
2019-11-19
Seção
Agronomia