EFEITO DA GIBERELINA NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE Spondias tuberosa

Palavras-chave: Fitohormônios. Bioma Caatinga. Endêmica. Umbuzeiro.

Resumo

O desenvolvimento de tecnologias de cultivo certamente contribuirá para alavancar a exploração comercial e domesticação de Spondias tuberosa. O presente estudo teve como objetivo identificar os efeitos morfofisiológicos da giberelina no crescimento de mudas de S. tuberosa. O trabalho foi conduzido em casa de vegetação na Universidade Estadual de Goiás, Brasil. Utilizaram-se plantas de umbuzeiro oriundas de sementes com 300 dias de idade em vasos de 12 litros contendo uma mistura de solo, areia e esterco na proporção de 3:1:0,5 respectivamente. O experimento seguiu o delineamento inteiramente casualizado, com seis tratamentos e cinco repetições caracterizados pelo uso de giberelina nas concentrações de 0; 150; 300; 450; 600 e                   750 mg L-1 em volume de 30 ml/planta em aplicação única via foliar com auxílio de borrifador manual. As análises foram realizadas aos 60 dias após a imposição dos tratamentos. O máximo acúmulo de biomassa em mudas de umbuzeiro ocorreu com aplicação de 415 mg L-1 de GA3. A giberelina acelerou o crescimento vegetativo das plantas e permitiu a formação de mudas com sistema radicular e xilopódio robustos, parte aérea vigorosa com maior número de folhas, área foliar e massa caulinar.

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22: 711-728, 2013.

AMARO, C. L. et al. Análise do crescimento de mudas de Eucalyptus sp. submetidas a diferentes doses de giberelina. Revista Agri-Environmental Sciences, 3: 24-29, 2017.

ANDERSON, M. J. A new method for non-parametric multivariate analysis of variance. Austral Ecology, 26: 32-46, 2001.

BJÖRKLUND, S. et al. Cross-talk between gibberellin and auxin in development of Populus wood: gibberellin stimulates polar auxin transport and has a common transcriptome with auxin. The Plant Journal, 52: 499-511, 2007.

BORGES, L. P. et al. Caracterização morfofisiológica de populações de pinhão manso. Revista Agrotecnologia, 5: 75-86, 2014.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Plano nacional de desenvolvimento da fruticultura. Brasília, DF, 2018. 41 p.

CAVALCANTI, N. M. S. et al. Aspectos agronômicos do meloeiro ‘mandacaru’ cultivado em ambiente protegido sob irrigação. Irriga, 20: 261-272, 2015.

CRUZ, F. R. S.; ANDRADE, L. A.; FEITOSA, R. C. Produção de mudas de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda Câmara) em diferentes substratos e tamanho de recipientes. Ciência Florestal, 26: 69-80, 2016.

DONATO, S. L. R. et al. Prospecção e avaliação de acessos de umbuzeiro. Informe agropecuário, 40: 22-38, 2019a.

DONATO, S. L. R. et al. Aspectos ecofisiológicos, morfológicos, fenológicos e de produção do umbuzeiro e da umbucajazeira. Informe agropecuário, 40: 22-38, 2019b.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3 ed. Brasília, DF: Embrapa Solos, 2013. 353 p.

LIMA, M. A. C.; SILVA, S. M.; OLIVEIRA, V. R. Umbu -Spondias tuberosa. In: RODRIGUES, S.; SILVA, E. O.; BRITO, E. S. ( 1 ed.). Exotic Fruits Reference Guide, 1. ed. Inglaterra: Academic Press, 2018. v. 1, cap. 56, p. 427-433.

LINS NETO, E. M. F. et al. Phenology of Spondias tuberosa Arruda (Anacardiaceae) under different landscape management regimes and a proposal for a rapid phenological diagnosis using local knowledge. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 9: 1-13, 2013.

LOPES, V. A. et al. Crescimento inicial de plantas de eucalipto tratadas com giberelina. Academic Journal, 10: 1251-1255, 2015.

MERTENS, J. et al. Spondias tuberosa Arruda (Anacardiaceae), a threatened tree of the Brazilian Caatinga? Brazilian Journal of Biology, 77: 542-552, 2016.

NUNES, E. N. et al. Local botanical knowledge of native food plants in the semiarid region of Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 14: 49-62, 2018.

PIRES, E. S. Crescimento de mudas de umbuzeiro sob doses crescentes de giberelina. 2018. 20 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal: Área de Concentração em Fisiologia da Produção Vegetal) –I nstituto Federal Baiano, Guanambi, 2018.

PORTO, A. H. et al. Giberelina e substratos na produção e qualidade de mudas de araçazeiros amarelo e vermelho. Colloquium Agrarie, 14: 32-46, 2018.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing, R foundation for statistical computing, Vienna, Austria, Disponível em:< http://www.R-project.org/>. Acesso em: 15 set. 2018.

SANTOS, E. F. et al. Quantificação de compostos bioativos em frutos de umbu (Spondias tuberosa Arr. Câm.) e cajá (Spondias mombin L.) nativos de alagoas. Ciência Agrícola, 16: 21-29, 2018.

SATURNINO, H. M. et al. Características botânicas do umbuzeiro e outras Spondias. Informe agropecuário, 40: 7-21, 2019.

SOKAL, R. R.; ROLPH, F. J. Biometry. 2. ed. New York: W. H. Freeman, 1995. 915 p.

SOUZA, B. I.; MENEZES, R.; ARTIGAS, R. C. Efeitos da desertificação na composição de espécies do bioma Caatinga, Paraíba/Brasil. Investigaciones Geograficas, 88: 45-69, 2015.

SYSTAT SOFTWARE. SigmaPlot for windows. Version 10.0. San Jose: Systat Software, 2006.

TAIZ, L. et al. Fisiologia Vegetal. 6 ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 858 p.

WEISS, D.; ORI, N. Mechanisms of cross talk between gibberellin and other hormones. Plant Physiology, 144: 1240-6, 2007.

WELLBURN, A. R. The spectral determination of chlorophylls a and b, as well as total carotenoids, using various solvents with spectrophotometers of different resolution. Journal of Plant Physiology, 144: 307-313, 1994.

Publicado
2020-10-22
Seção
Nota Técnica