QUALIDADE DO ABACAXI FRF 632, RESISTENTE À FUSARIOSE, COLHIDO EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO

Palavras-chave: Ananas comosus var. comosus. Atributos sensoriais. Ponto de colheita.

Resumo

O objetivo desse estudo foi avaliar a influência do ponto de colheita na qualidade física, química e sensorial do abacaxi FRF 632. Os frutos foram colhidos nos estádios de maturação “verdoso”, “pintado” “colorido” e “amarelo” e avaliados quanto à massa do fruto e da polpa; rendimento em polpa; comprimentos do fruto e da coroa; diâmetros da base, da parte média, do ápice do fruto; cor da polpa; acidez titulável (AT); translucidez; sólidos solúveis (SS); relação SS/AT; aceitação sensorial dos atributos cor, aroma, sabor, textura/firmeza e aceitação global e avaliação da intensidades dos atributos doçura, acidez e firmeza usando a escala do ideal. Não houve diferença para a maioria das características físicas dos frutos comparando-se os pontos de colheita. Os frutos apresentaram massa média em torno de 1.100 g. Houve aumento gradativo no teor de sólidos solúveis e da relação SS/AT com o avanço dos estádios de maturação. Os frutos colhidos nos estádios “colorido” e “amarelo” apresentaram maiores percentuais de aprovação e foram considerados com doçura e acidez ideais pela maior parte dos consumidores. Entretanto, o mapa de preferência revelou uma maior preferência pelos frutos colhidos nos estádios “pintado” e “colorido”, para todos os atributos avaliados, diferente ao que foi observado pelo teste de média e pelo percentual de aprovação. Portanto, ao considerar todos os testes físicos, químicos e sensoriais, conclui-se que os frutos colhidos no estádio “colorido” são os preferidos pelos consumidores, uma vez que apresentaram elevado percentual de aceitação, doçura e acidez ideais.

 

 

Referências

ABBOTT, J. A.; HARKER, F. R. Texture. In: GROSS, K.C., WANG, C.Y., SALTVEIT, M. (Eds). The commercial storage of fruits, vegetables, and florist and nursery stocks. Washington: USDA, 2016, p. 89-110. (USDA Agriculture Handbook, 66).

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. Escalas utilizadas em análise sensorial de alimentos e bebidas – NBR 14141. Rio de Janeiro: ABNT, 1998.

ALMEIDA, C. O. et al. Peso médio do abacaxi no Brasil: um tema em discussão. Bahia Agrícola, 6: 41-46, 2004.

AZZOLINI, M.; JACOMINO, A. P.; SPOTO, M. H. F. Maturation stage and postharvest quality of ‘Pedro sato’ guavas. Revista Brasileira de Fruticultura, 26: 29-31, 2004.

BERILLI, S. S. et al. Sensory evaluation of fruits of pineapple cultivars for in natura consumption. Revista Brasileira de Fruticultura, 33: 592-598, 2011.

BRASIL. Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento / Secretaria de Apoio Rural e Cooperativismo / Serviço Nacional de Proteção de Cultivares. Instruções para Execução dos Ensaios de Distinguibilidade, Homogeneidade e Estabilidade de Cultivares de Abacaxizeiro (Ananas comosus (L.) Merrill). 2003

CABRAL, J. R. S. et al. Pineapple Genetic Improvement in Brazil. Acta Horticulturae, 822: 39-46, 2009.

CABRAL, J. R. S.; MATOS, A. P. Imperial, nova cultivar de abacaxi. Cruz das Almas, BA: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2005. 4 p. (Embrapa Mandioca e Fruticultura. Comunicado Técnico, 114)

CABRAL, J. R. S.; MATOS, A. P. BRS Ajubá, nova cultivar de abacaxi. Cruz das Almas, BA: Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, 2008. 4 p. (Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical. Comunicado técnico, 126).

COMPANHIA DE ENTREPOSTOS E ARMAZÉNS GERAIS DE SÃO PAULO - CEAGESP. Programa brasileiro para modernização da horticultura: normas de classificação do abacaxi. São Paulo, Central de Qualidade em Horticultura, 2003 (CQH. Documentos, 24). Disponível em: <http://www.ceagesp.gov.br/entrepostos/servicos/produtos/classificacao/>. Acesso em: 15 fev 2019.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2. ed. Lavras, MG : UFLA, 2005. 785 p.

DIFONZO, G. et al. Characterisation and classification of pineapple (Ananas comosus [L.] Merr.) juice from pulp and peel. Food Control, 976: 260-270, 2019.

FERREIRA, D. F. SISVAR - Sistema de análise de variância. Versão 5.3. Lavras-MG: UFLA, 2010.

FERREIRA, V. L. P. et al. Análise sensorial: testes discriminativos e afetivos. Campinas, SP: SBCTA, 2000. 127 p. (Manual - Série Qualidade).

HAFF, R. P. et al. X-Ray assessment of translucency in pineapple. Journal of Food Processing and Preservation, 30: 527-533, 2006.

HARKER, F. R. et al. Texture of fresh fruit. Horticultural Reviews, 20: 121-224, 1997.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ - IAL. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2008. 1018 p.

JINTANA J.; ADISAK J.; CHATLADA W. Relationship between chemical properties and acceptability of ‘Smooth Cayenne’ Pineapple. Acta Horticulturae, 902: 453-458, 2011.

LIU, J. et al. The crown plays an important role in maintaining quality of harvested pineapple. Postharvest Biology and Technology, 124: 18–24, 2017.

LOBO, M. G.; YAHIA, E. Biology and postharvest physiology of pineapple. In: LOB, M.G; PAULL, R.E. (Eds.) Handbook of pineapple technology: production, postharvest science. London: John Wiley & Sons Ltda, 2017, cap. 3, p. 39-61.

MIGUEL, A. C. A. et al. Modificações sensoriais em abacaxi ‘Pérola’ armazenado à temperatura ambiente. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 30: 20-23, 2010.

PAULL, R. E.; CHEN, C. C. Pineapple: postharvest quality-maintenance guidelines. Fruit, Nut, and Beverage Crops, 2: 1-6, 2014.

PLOETZ, R. C. Fusarium-induced diseases of tropical, perennial crops. Phytopathology, 96: 648-652, 2006.

REINHARDT, D. H. R. C. Colheita e beneficiamento. In: GONÇALVES, N. B. (Ed.) Abacaxi: pós-colheita. Brasília: Embrapa Comunicação para Transferência de Tecnologia, 3, 2000, cap. 3, p. 28-37. (Frutas do Brasil, 5).

REINHARDT, D. H. R. C. et al. Gradientes de qualidade em abacaxi ‘pérola’ em função do tamanho e do estádio de maturação do fruto. Revista Brasileira de Fruticultura, 26: 544-546, 2004.

STATSOFT. Statistics for Windows 7.0. Tulsa, OK: StatSoft, Inc. 2008.

SOUZA, et al. Plants from the Caatinga biome harbor endophytic Trichoderma species active in the biocontrol of pineapple fusariosis. Biological Control, 94: 25-32, 2016.

VENTURA, J. A. et al. ‘Vitória’: New Pineapple Cultivar Resistant to Fusariosis. Acta Horticulturae, 822: 51-56, 2009.

VIANA, E. S. et al. Physico-chemical characterization of new hybrids pineapple resistant to fusariosis. Ciência Rural, 43: 155-1161, 2013.

VILAPLANA, R; PÉREZ-REVELO, K.; VALENCIA-CHAMORRO, S. Essential oils as an alternative postharvest treatment to control fusariosis, caused by Fusarium verticillioides, in fresh pineapples (Ananas comosus). Scientia Horticulturae, 238: 255-263, 2018.

Publicado
2020-05-22
Seção
Engenharia de Alimentos