AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DE SEMENTES DE Tabebuia aurea POR MEIO DO TESTE DE TETRAZÓLIO

Palavras-chave: Bignoniaceae. 2,3,5 trifenil cloreto de tetrazólio. Espécie florestal.

Resumo

A avaliação da viabilidade de sementes de T. aurea é realizada por meio do teste de germinação, demorando 21 dias, o que dificulta a obtenção de informações rápidas sobre a viabilidade de suas sementes. Nesse sentido, a utilização do teste de tetrazólio como método de avaliação seria adequado por proporcionar informações com maior agilidade e confiável para várias espécies. Diante do exposto, objetivou-se adequar a metodologia do teste de tetrazólio para avaliar a viabilidade de sementes de T. aurea. Inicialmente, realizou-se a curva de embebição para determinar o período adequado de hidratação das sementes e o teste de germinação, tanto para avaliar a qualidade inicial, quanto para fins comparativos com os resultados do teste de tetrazólio. Para a instalação deste, as sementes foram hidratas por 24 horas, posteriormente, o tegumento foi removido e as sementes imersas em soluções de tetrazólio. As concentrações utilizadas foram de 0,05; 0,075 e 0,1% por três períodos de coloração 2, 4 e 6 horas, a 35 e 40 °C, em ausência de luz. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 3 x 3 + 1 (três concentrações da solução de tetrazólio x três períodos de coloração + uma testemunha = teste de germinação), com quatro repetições de 25 sementes. O teste de tetrazólio mostrou-se adequado para avaliar a viabilidade de sementes de T. aurea utilizando a concentração de 0,05%, por quatro horas, a 40 °C.

 

Referências

ABBADE, L. C.; TAKAKI, M. Teste de tetrazólio para avaliação da qualidade de sementes de Tabebuia roseoalba (Ridl.) Sandwith – Bignoniaceae, submetidas ao armazenamento. Revista Árvore, 38: 233-240, 2014.

ARAUJO, R. B.; REIS, F. C.; NOVEMBRE, A. D. L. C. Preparo de sementes de corda-de-viola para o teste de tetrazólio utilizando micro-ondas. Multi-Science Journal, 1: 7-11, 2016.

ASSOCIATION OF OFFICIAL SEED ANALYSTS – AOSA. Seed vigour testing handbook. East Lansing: AOSA, 2009. 334 p. (Contribution, 32).

BEWLEY, J. D. et al. Seeds: Physiology of Development, Germination and Dormancy. 3. ed. Nova York: Springer, 2012. 392 p.

BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. N. Experimentação agrícola. 4. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP, 2006. 237 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes, Brasília, DF: MAPA/ACS, 2009. 395 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instruções para análise de sementes de espécies florestais, Brasília, DF: MAPA, 2013. 98 p.

CARVALHO, S. M. C. et al. Viability of Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var. ferrea) seeds by tetrazolium test. Journal of Seed Science, 39: 7-12, 2017.

CASTRO, R. D.; BRADFORD, K. J.; HILHORST, H. W. M. Embebição e reativação do metabolismo. In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Eds.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre, PR: Artmed, 2004. v. 1, cap. 9. p. 149-162.

DIAS, M. C. L. L.; ALVES, S. J. Avaliação da viabilidade de sementes de Panicum maximum Jacq pelo teste de tetrazólio. Revista Brasileira de Sementes, 30: 152-158, 2008.

DUBOC, E.; SILVEIRA, M. C. A.; NASCENTES, T. F. Avaliação da Qualidade de Sementes de Farinha-Seca (Albizia hasslerii) pelo Teste de Tetrazólio. Cadernos de Agroecologia, 13: 1-9, 2018.

GUEDES, R. S. et al. Armazenamento de sementes de Tabebuia caraiba (Mart.) Bureau em diferentes embalagens e temperaturas. Journal of Seed Science, 34: 433-440, 2012.

KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANCA-NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. 1. ed. Londrina, PR: ABRATES, 1999. 218 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 6. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2014. 384 p.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed. Londrina, PR: ABRATES, 2015. 660 p.

MANTOAN, P. et al. Escarificação mecânica e química na superação de dormência de Adenanthera pavonina L. (Fabaceae: Mimosoideae). Scientia Plena, 8: 1-8, 2012.

NOGUEIRA, N. W.; TORRES, S. B.; FREITAS, R. M. O. Teste de tetrazólio em sementes de timbaúba. Semina: Ciências Agrárias, 35: 2967-2976, 2014.

OLIVEIRA, F. N. et al. Viability of Simira gardneriana M.R. Barbosa & Peixoto seeds by the tetrazolium test. Journal of Seed Science, 38: 007-013, 2016.

OLIVEIRA, A. B.; BOSCO, M. R. O. Biometria, determinação da curva de absorção de água em sementes e emergência inicial de plântulas de Copernicia hospita Martius. Revista Brasileira de Agroecologia, 8: 66-74, 2013.

PEREIRA, K. T. O. et al. Physiological quality evaluation of Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke seeds by tetrazolium test. Revista Ciência Agronômica, 51: e20196712, 2020.

SILVA, F. A. S.; AZEVEDO, C. A. V. Versão do programa computacional Assistat para o sistema operacional Windows. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, 4: 71-78, 2002.

SMIDERLE, O. J.; LIMA, J. M. E.; PAULINO, P. P. S. Curva de absorção de água em sementes de Jatropha curcas L. com dois tamanhos. Revista Agro@mbiente On-line, 7: 203-208, 2013.

SOUSA, D. M. M. et al. Viabilidade e vigor de sementes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz pelo teste de tetrazólio. Revista Ciência Agronômica, 48: 381-388, 2017.

VIRGENS, P. B. S.; CONCEIÇÃO, T. A.; BARBOSA, R. M. Tetrazolium test to evaluate viability and vigour in Genipa americana seeds. Seed Science and Technology, 47: 307-318. 2019.

Publicado
2020-10-21
Seção
Ciências Florestais