PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA ALUNOS COM DIFICIÊNCIA VISUAL – APORTE TEÓRICO SOBRE COMO TRABALHAR COM DEFICIENTES VISUAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL.

  • Anna Christina Martins do Nascimento
Palavras-chave: Inclusão. Deficiência Visual. Recursos auxiliadores. Tecnologias Assistivas.

Resumo

Na luta por uma sociedade inclusiva, a presença de profissionais capacitados para atender ao público de forma eficaz e legítima, garantindo a todos os indivíduos, acessibilidade em todos os contextos sociais, se faz necessária e urgente. Incluir é propiciar e garantir acesso e subsídios aos indivíduos em suas mais variadas especificidades, necessidades, diferenças, para que estes sejam participantes de todas as atividades sociais existentes. Assim, o referido artigo traz um aporte teórico com informações valiosas e usuais sobre os mais variados recursos auxiliadores - ópticos, não ópticos, humanos e as Tecnologias Assistivas - para se trabalhar com deficientes visuais e como proceder com os mesmos, de forma a garantir inclusão e participação ativa e efetiva no contexto educacional, e onde se fizer necessário, visto que as informações contidas não estão direcionadas apenas para a escola.

Referências

ALVES, J.F. A audiodescrição no contexto escolar: a imagem sendo revelada pela palavra. In: Maria da Conceição Bezerra Varella; Luzia Guacira dos SANTOS, Silva; Cláudia Rosana Kranz; Jefferson Fernandes Alves. (Org.). Educação Inclusiva e formação continuada de professores: diálogos entre teoria e prática. 1 ed. Natal/RN: EDUFRN, 2012, v 2, p. 87 – 103.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 16537: Acessibilidade — Sinalização tátil no piso — Diretrizes para elaboração de projetos e instalação. Versão corrigida 27.10.2016. ISBN 978-85-07- 06306-3. Disponível em: < http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_176.pdf > Último acesso em: 03 de Outubro de 2017.
BRASIL. Ministério da educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEEP. 2007
CABRAL, D. Instituto dos meninos cegos. MAPA. Memória da Administração Pública Brasileira. Arquivo Nacional, 2015. Disponível em: < http://linux.an.gov.br/mapa/?p=8133> Último acesso em 09 de Maio de 2017
CAIADO, K. R. M. CEGUEIRA: CONCEPÇÕES DE APRENDIZAGEM E DE ENSINO REVELADAS EM ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BENJAMIN CONSTANT. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, Jul.-Dez. 2002, v.8, n.2, p.223-232. Disponível em: < http://www.abpee.net/homepageabpee04_06/artigos_em_pdf/revista8numero2pdf/6katia_caidado.pdf > Último acesso em: 03 de Outubro de 2017
CONDE, A. J. M. Definindo a cegueira e a visão subnormal. IBC – Instituto Benjamin Constant. Disponível em: < http://ibcserver0c.ibc.gov.br/?itemid=94#more > Último acesso em: 09 de Maio de 2017
LAKATOS, E.M; MARCONI, M.A. Metodologia do Trabalho Científico. 4° ed. Revista e Ampliada. São Paulo: Atlas, 1992, p 44. Disponível em: < http://docslide.com.br/documents/eva-maria-lakatos-metodologia-do-trabalho-cientifico-561e7d91a3146.html > Acesso em: 09 de Maio de 2017.
NASCIMENTO, Fátima A. A. A. C., MAIA, Shirley R., Educação Infantil; Saberes e práticas da inclusão: Dificuldades de comunicação e sinalização: surdocegueira/múltipla deficiência sensorial. 4 ed. – (Elaboração profª ms. Fátima Ali Abdalah Abdel Cader Nasimento – UFSC/SP, prof. Shirley Rodrigues Maia – Associação Educacional para a Múltipla Deficiência – AHIMSA – Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006. P 79: il 1. Educação
NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS. Disponível em: < http://www.fio.edu.br/manualtcc/co/7_Material_ou_Metodos.html > Acesso em: 08 de Maio de 2017
OLIVEIRA, Luciana, et al. Cotidiano e Práticas Escolares: Um olhar pedagógico sobre a deficiência visual. I Seminário Internacional de Inclusão Escolar. UERJ, 2014. Disponível em < http://www.cap.uerj.br/site/images/stories/noticias/12-oliveira_et_al.pdf > Acesso em: 23 de Agosto de 2016
ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE. Conhecimentos básicos para a inclusão da pessoa com deficiência visual/ Elaboração Edilene Vieira Machado...[et al] – Brasília: MEC, SEESP, 2003. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/ori_mobi.pdf > Último acesso em: 08 de Maio de 2017
SÁ, E. D. et al. Atendimento Educacional Especializado – Deficiência Visual. SEESP/SEED/MEC, Brasília. DF, 2007
SANTIAGO, J. V. B. A Tecnologia Assistiva e as Pessoas Cegas ou com Baixa Visão. 2011. Disponível em: < http://www.contagem.pucminas.br/pitane/index.php?option=com_content&view=article&id=87:a > Acesso em: 08 de Maio de 2017
SILVA, Luciene Maria da. Subjetividades Mediadas: As relações entre leitores cegos e ledores. Universidade do Estado da Bahia/ UNEB. Disponível em < http://alb.com.br/arquivo-morto/edições¬_anteriores/anais16/sem09pdf/sm09ss03_07.pdf> Acesso em: 06 de Maio de 2016
SILVA, L. M. da. Qualquer maneira de ler vale a pena: Sobre leituras, ledores e leitores cegos. GT-10: Alfabetização, Leitura e Escrita. PUC – São Paulo
SOUSA, Milena. Tecnologias na Educação. 2012. Disponível em: < http://libereductec.blogspot.com.br/2012/11/o-que-e-o-mecdaisy-e-como-funciona.htm?view=sidebar> Acesso em: 09 de Maio de 2016
SILVEIRA, C. M. Professores de alunos com Deficiência Visual: saberes, competências e capacitação. PUCRS, Porto Alegre, RS, 2010.
Publicado
09-10-2017