HISTÓRIA DE VIDA E AUTOFORMAÇÃO DOCENTE: RELATO DE UM PROFESSOR DE ALUNOS CEGOS NO CADV –MOSSORÓ

  • Glaedes Ponte de Carvalho Sousa
  • Marcos Randall Oliveira Freitas
  • Janssen Klauss do Nascimento Dias e Xavier
Palavras-chave: Autoformação. Professor. Narrativas.

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre o percurso autoformativo e experiência de vida de um professor de discentes cegos e com baixa visão no Centro de Apoio ao Deficiente Visual-CADV localizado na cidade de Mossoró-RN. A pesquisa aqui apresentada foi produzida a partir dos pressupostos da abordagem qualitativa aliada ao método (auto)biográfico. As reflexões serão feitas a luz de teóricos como Nóvoa (1992), Cunha (1996), Huberman (1992), Josso (1988), Dominicé (1988), Larrosa (1996), Freire (2014) entre outros, estes autores afirmam que ouvir as narrativas das histórias que compõem a vida dos docentes é oportunizar momentos de reflexão, apresentando alternativas que podem ajudar na sua formação e na de outros. A partir de sua narrativa e da análise das informações contidas no depoimento observa-se que foi na prática com os discentes cegos que o docente vivenciou o percurso formativo de seus alunos bem como o fez refletir sobre sua própria formação docente.

Referências

AUGÉ, Marc. As formas do esquecimento. Tradução de Ernesto Sampaio, Lisboa: Imanedições, 1998

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação Qualitativa em Educação. 2. ed. Porto:
Porto Editora, 2010.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? São Paulo: Brasiliense, 2008.

BUENO, Belmira Oliveira et al. Histórias de vida e autobiografias na formação de professores e profissão docente (Brasil, 1985-2003). Educação e Pesquisa. 32, n. 2, p. 385-410, 2006.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano: artes de fazer. 3 ed. Editora Vozes, Petrópolis, 1998.

Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem, Jomtien, 1990.

Declaração de Salamanca e Enquadramento da Ação na Área das Necessidades Educativas Especiais - Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais: acesso e qualidade, na cidade de Salam anca, Espanha,10 de Junho de 1994.

DOMINICÉ, Pierre. A biografia educativa: instrumento de investigação para a educação de adultos. In: NÒVOA, Antonio; FINGER, Matthias. O método (auto) biográfico e a Formação. Natal, EDUFRN; São Paulo:Paulus, 2010. (Coleção Pesquisa (auto) biográfica ∞ Educação. Clássicos das Histórias de Vida).

CARVALHO, Rosita Edler. Educação Inclusiva: com os pingos nos "is". Porto Alegre: Mediação, 3 ed. 2004.

FERRAROTTI, F. (1988). Sobre a Autonomia do Método Biográfico. In Nóvoa, A. & Finger, M. (Org.), O Método (auto) biográfico e a Formação. Lisboa: Ministério da Saúde - Departamento de Recursos Humanos. 154

FINGER, (1988). As implicações sócio-epistemológicas do método biográfico. In Nóvoa, A. & Finger, M. (Org.), O Método (auto) biográfico e a Formação. Lisboa: Ministério da Saúde - Departamento de Recursos Humanos.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FREITAS, F. de; GALVÃO, C.. O uso de narrativas autobiográficas no desenvolvimento profissional de professores. Ciências & Cognição; Ano 04, vol.12, 2007.

GOFFMAN. Erving. Estigma. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza/ Francisco Imbernón. – 6.ed, cortez, 2006.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. 2. Ed. São Paulo: Paulus, 2010.

JOSSO, Marie-Christine. Caminhar para si. Tradução Albino Pozzer, revisão Maria Helena Menna Barreto Abrahão. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

JOSSO, M. C. Da formação do sujeito ao sujeito da formação. In: NÓVOA, António; FINGER, M. (Org.). O método (auto) biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

JOSSO, M. C. A experiência de vida e formação. 2 ed. rev. e ampl. Natal, RN: EDUFRN, São Paulo: Paulus, 2010. Coleção Pesquisa (auto) biográfica & Educação. (Série Clássicos das Histórias de Vida).

LUCKESI,Cipriano Carlos. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez,2001.

MANTOAN, Maria Teresa Egler. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? 2 ed. São Paulo: Moderna, 2006.

MOMBERGER, Christine Delory. Biografia, Corpo, Espaço. In: In: Tendências da pesquisa (auto) biográfica/Maria da Conceição Passeggi (Org.)- Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

NÓVOA, Antônio. Profissão professor. Porto: Porto Editora, p. 155, 1995.

NÓVOA, António; FINGER, Matthias (Org.). O método (auto) biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrativa autobiográfica: uma prática reflexiva na formação docente. Trabalho publicado nos Anais do II Colóquio Nacional da AFIRSE – UNB – set/2003.

PINEAU, G. As histórias de vida em formação: gênese de uma corrente de pesquisa-ação formação existencial. Educação e Pesquisa, v. 32, n. 2, p. 329-346, maio/ago. 2006.

PINEAU, Gaston. A autoformação no decurso da vida: entre hetero e a ecoformação. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias (Org.). O método (auto) biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010, p. 82-97.

PINEAU, Gaston. As histórias de vida como artes formadoras da existência. In: SOUZA, Elizeu Clementino de; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Org.) Tempos, Narrativas e Ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006, p. 42-59.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro: vol. 5, n. 10, p. 200-212, Dora Rocha, 1992.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Crítica da Razão Indolente Contra o Desperdício da Experiência. Cortez, 6 ed., 2007.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: Construindo uma Sociedade para Todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SOUZA, Elizeu Clementino (Org.). Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: EDPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 7 ed. Petrópolis- RJ: Vozes, 2012.
Publicado
10-10-2017