A CONTRIBUIÇÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO-AEE PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

  • Maria Kéllia de Araújo
  • Themis Gomes Fernandes
  • Heloíza Aline Pereira da Silva
Palavras-chave: Formação Continuada. Docentes. AEE.

Resumo

Este artigo relata a contribuição do Curso de Especialização em Atendimento Educacional Especializado-AEE para a formação continuada de professores da educação básica na cidade de Mossoró/RN. O trabalho objetiva socializar a experiência e refletir sobre a importância da disciplina Deficiência Auditiva e AEE, uma vez que delimitamos esta pesquisa, ao discutirmos sobre a contribuição desta disciplina como aporte teórico reflexivo para a prática pedagógica. Fundamentamos esse artigo com autores que dialogam com esta temática, como Braga e Bedaque (2015), Carvalho (2006), Werneck (1997), Gonçalves e Furtado (2015), as leis que regulamentam a educação inclusiva em âmbito Nacional, entrevista semiestruturada com a mãe de um aluno com surdez severa profunda e o Caderno da disciplina. Verifica-se que a disciplina Deficiência Auditiva e AEE contribuiu para o aprimoramento da prática pedagógica da professora participante do curso, fazendo-a refletir sobre práticas metodológicas inovadoras, contribuindo para o processo de ensino e aprendizagem dos alunos.

Referências

BEDAQUE, Selma Andrade de Paula. Atendimento Educacional especializado. Mossoró, 2015.68p.
BRAGA JUNIOR, Francisco Varder; BEDAQUE, Selma Andrade de Paula. Deficiência auditiva e o Atendimento Educacional Especializado. Mossoró: EdUFERSA, 2015.
BRASIL. Ministério da Justiça. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: Corde, 1997.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, 2008.
_______. Presidência da República. Casa Civil. Lei 13.146/2015 de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília, 2015. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em 20 de Outubro de 2015.
CARVALHO, Rosita Edler. Educação inclusiva com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação, 2004.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.
FURTADO DA CUNHA, M. a. Linguística funcional – teoria e prática. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2015 v 1. 125p.
NÓVOA, A.(Org.). Profissão professor. Portugal: Porto Editora, 1995.
WERNECK, Cláudia. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. WVA, Rio de Janeiro: 1997.
Publicado
11-10-2017