NARRATIVAS DE VIDA E DE ESCOLARIZAÇÃO DE GRADUANDOS DOS CURSOS DE LETRAS LIBRAS E LETRAS INGLÊS DA UFERSA

  • Simone Maria da Rocha
  • Ana Karla Medeiros da Silva
  • Genildo Agripino de Araújo
  • Maria Aliane de Souza
  • Marilene Alves Ferreira de Oliveira
  • Nikésia Alessa de Morais Alves
Palavras-chave: Narrativas (auto)biográficas. Escolarização. Formação docente

Resumo

Este estudo tem como objetivo apresentar as narrativas (auto)biográficas como método de pesquisa e formação docente. No âmbito da educação inúmeros estudos no Brasil vêm sendo desenvolvidos no sentido de depreender as experiências, saberes, conhecimentos que fazem com que a pessoa se torne docente. Quais experiências marcaram e/ou marcam as trajetórias de graduandos dos cursos de Letras Libras e letras inglês da UFERSA? Suas histórias são dignas de serem ouvidas? Como suas narrativas de vida e de escolarização podem nos ajudar a pensar a formação docente? O que podemos aprender com suas histórias de vida em formação? Esses questionamentos vêm mapeando as preocupações iniciais e guiando a trajetória metodológica dessa pesquisa. Espera-se depreender quais experiências foram essenciais em suas histórias de vida e de escolarização, a fim de, pelas narrativas, construir uma consciência biopolítica e epistemopolítica de sua vida profissional.

Referências

ALIANE. Narrativa (auto)biográfica. Caraúbas, 2017.
BRASIL. LEI Nº 10.436, de 24 de abril de 2002.
BRUNER, J. Atos de significação. 2. ed. Trad. Sandra Costa. São Paulo: Artmed, 2002.
BRUNER, Jerome. Fabricando histórias. Direito, Literatura e Vida. Trad. de F. Cássio, São Paulo: Letra e Voz, 2014.
CECÍLIA. Narrativa (auto)biográfica. Caraúbas, 2017.
DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e Educação: figuras do indivíduo-projeto. Tradução de Maria da Conceição Passeggi, João Gomes da Silva Neto, Luis Passeggi. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

_________. Expérience de la maladie et reconfigurations biographiques. Dossier Apprendre du malade. Revue Education PermanentE – Nº 195/2013-2, Juin 2013.
FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A. e FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Editora Paulus, 2010.

EDUARDO. Narrativa (auto)biográfica. Caraúbas, 2017.

MARILENE. Narrativa (auto)biográfica. Caraúbas, 2017.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In: PASSEGGI, M.C. e SILVA, V. B. (Orgs.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.
_______. A pesquisa (auto)biográfica em Educação. Princípios epistemológicos, eixos e direcionamentos da investigação científica. In: VASCONCELOS, Maria de Fátima. (Orgs.). Em torno da noção de alteridade, 2011.
_______. A experiência em formação. Educação, Porto Alegre, v. 4, n. 2, 147-156, 2011.
PASSEGGI, Maria da Conceição et al. L’enfance à l’école : Scénarios et enjeux de la recherche avec des enfants au Brésil. In (Dir.) LANI- BAILE, M.; PASSEGGI, M. C. Raconter l’école: à l’écoute de vécus scolaires en Europe et au Brésil. Paris: L’Harmattan, 2014, p. 33-48.

PINEAU, Gaston. A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e a ecoformação. In: NÓVOA, António; FINGER, Mathias (Org.). O método (auto)biográfico. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010, p. 97-118.

PINEAU, Gaston. Gêneros, gerações, infâncias e famílias: perspectivas (auto)biográficas. In: EGGERT, Edla; FISHER, Beatriz Dautd. Gênero, geração, infância, juventude e família. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012. P. 197-218.

NICOLY. Narrativa (auto)biográfica. Caraúbas, 2017.
Publicado
16-10-2017