Revista Informação em Cultura https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric <p>A&nbsp;Revista Informação em Cultura - RIC, é um periódico semestral, produto do <strong>Grupo de Pesquisa em Cultura, Conhecimento e Inovação (CCI-UFERSA/CNPq)</strong>. Tem caráter técnico, científico e extensionista (artística/cultural). É uma fonte de informação interdisciplinar tendo como finalidade básica ser um espaço democrático para o campo da cultura nas suas mais diversas formas e manifestações.</p> <p>A RIC está <strong>indexada</strong> em:</p> <p><img src="/public/site/images/ceoric/crossref-metadata-search-logo-200.png" width="122" height="65"><img src="/public/site/images/ceoric/1280px-Google_Scholar_logo.svg_1.png"><img src="/public/site/images/ceoric/IssnPortal_Logotype_Gradiant.png">&nbsp;<img src="/public/site/images/ceoric/logo_livre_134x714.png">&nbsp;<img src="/public/site/images/ceoric/Sumários4.png"></p> Editora Universitária da UFERSA (EdUFERSA) pt-BR Revista Informação em Cultura 2674-6549 <p>Direitos patrimoniais cedidos à Revista Informação em Cultura - RIC.&nbsp; Fica facultada a utilização da obra e do periódico apenas para fins exclusivamente educacionais e não comerciais, podendo a mesma ser impressa, divulgada, lida, citada e referenciada, conforme especifica a Licença Creative Commons.</p> Íntegra do número de lançamento https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8744 <p>DOI do número:&nbsp;<a href="https://doi.org/10.21708/issn2674-6549.v1i1.2019" target="_blank" rel="noopener">https://doi.org/10.21708/issn2674-6549.v1i1.2019</a>&nbsp;|&nbsp;Versão PDF-A:&nbsp;<a href="https://bit.ly/2LoTxid" target="_blank" rel="noopener">https://bit.ly/2LoTxid</a></p> <p>Este número apresenta inicialmente no Editorial assinado por Elisabete Stradiotto Siqueira, uma reflexão em torno da importância da cultura para sociedade contemporânea. Na sequência, a revista é categorizada em duas dimensões, a saber: dimensão científica e dimensão artístico-cultural. Quanto à <strong>dimensão científica</strong>, se tem a comunicação de 4&nbsp; (quatro)&nbsp; pesquisas.&nbsp; A primeira foi escrita por Celeste Dias Amorim e Célio Silva Meira e trata da temática Conservação das culturas de matrizes africanas e afro-brasileiras no contexto do capitalismo verde; o segundo artigo, é escrito por Gláucio Barreto de Lima e aborda a questão da Formação e desenvolvimento de coleções: a biblioteca como dispositivo ético e estético; quanto à terceira contribuição, há o artigo escrito por Mário Gaudêncio, Izabel França de Lima e Maria Elizabeth Baltar Carneiro de Albuquerque sob o título: Indicadores informacionais em inclusão social: estudo de caso na base de dados Scielo; o quarto artigo compõe a reflexão de Jonathas Luiz Carvalho Silva sobre a Lei de universalização das bibliotecas escolares (12.244/10): concepções, aplicações e proposição de política pública. Partindo para <strong>dimensão artístico-cultural</strong>, será possível ter acesso à entrevista de Higo da Silva Lima com o poeta Mailson Furtado Viana, ganhador do Prêmio Jabuti 2018,nas categorias: Poesia e Livro do Ano.</p> CEO RIC ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-11 2019-06-11 1 1 Quem somos https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8590 CEO RIC ##submission.copyrightStatement## 2019-06-12 2019-06-12 1 1 Nossos pesquisadores https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8587 CEO RIC ##submission.copyrightStatement## 2019-06-12 2019-06-12 1 1 Nosso chão! https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8603 Christiane Fernandes dos Santos Kelly Cristina de Medeiros da Silva Mário Gaudêncio ##submission.copyrightStatement## 2019-06-11 2019-06-11 1 1 5 6 Cultura na sociedade contemporânea https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8583 Elisabete Stradiotto Siqueira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-12 2019-06-12 1 1 7 9 10.21708/issn2674-6549.v1i1a8583.2019 Conservação das culturas de matrizes africanas e afro-brasileiras no contexto do capitalismo verde https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8307 <p>O presente artigo objetiva discutir sobre vivência das matrizes africanas e afro-brasileiras a partir da visão da hegemonia do paradigma moderno, industrializador da natureza. Para tanto, traz uma abordagem sobre o capitalismo pós-revolução industrial e as tensões modernas do “capitalismo verde” sobre o signo da sustentabilidade desenvolvimentista, também nos “espaços” dos terreiros. Conclui-se então que as matrizes afro-brasileiras ao se relacionarem diretamente, pelos seus rituais, preceitos e segredos, com o meio ambiente, sofrem a pressão provocada pelo pensar mercantilista e globalizado do homem moderno. Isso que dificulta a sua sobrevivência em meio a tantas destruições do meio natural, pois afirma que é da natureza que emanam as forças inspiradoras a manutenção dessas matrizes pelo desenvolvimento de estratégias de enfrentamento e sobrevivência.</p> Célio Silva Meira Celeste Dias Amorim ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-11 2019-06-11 1 1 10 29 10.21708/issn2674-6549.v1i1a8307.2019 Formação e desenvolvimento de coleções https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8475 <p>Problematiza a Formação e Desenvolvimento de Coleções - FDC como atividade bibliotecária que transforma a biblioteca em dispositivo não apenas estético, mas principalmente ético, para incorporar questões de gênero e diversidade sexual. Com aporte nos Estudos Culturais e de Gênero e fazendo a relação com o paradigma da Biblioteconomia Crítica, utiliza-se da pesquisa bibliográfica como metodologia de caráter exploratório e descritivo. Como resultado, a literatura sobre FDC explicita que um dos maiores entraves para a inclusão dessa temática nos acervos advém dos diversos tipos de censura e que o trabalho de bibliotecárias e bibliotecários não podem estar alheios a essas questões. Sinaliza que a biblioteca pode vir a ser um espaço de discussão tanto das injustiças de gênero quanto mediadora da informação sobre a diversidade sexual humana.</p> Gláucio Barreto de Lima ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-12 2019-06-12 1 1 30 43 10.21708/issn2674-6549.v1i1a8475.2019 Indicadores informacionais em inclusão social https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8416 <p>Apresenta uma investigação em torno dos indicadores informacionais em “Inclusão Social” a partir da Base de Dados da Biblioteca Eletrônica Científica <em>Online</em> (<em>Scielo</em>). A pesquisa objetiva analisar estes indicadores considerando a produção científica indexada nos últimos dez anos, considerando o período de 2007 a 2017. Observa-se que existem poucos estudos na Ciência da Informação sobre a temática “Inclusão Social” e por esse motivo, torna-se limitado o poder de atuação e intervenção científica no sentido de viabilizar ações contra-hegemônicas de empoderamento popular para reduzir as desigualdades consolidadas por meio dos modelos vigentes de contratos sociais. Assim, chega-se a conclusão que se fazem necessárias ampliar pesquisas voltadas para o viés social no âmbito da Ciência da Informação e ao fazê-las, têm-se os periódicos científicos que produzem relevantes fatores de impacto, com indicativos informacionais que agregam valor estratégico e que contribuem na redução de incertezas e na pressão das forças sociais e políticas a fim de que os dados e as informações geradas sejam elementos diferenciais a favor das populações que estão a margem da sociedade e consequentemente desprovidas de qualquer apoio ou iniciativas para redução das desigualdades sociais.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Indicadores informacionais. Inclusão social. <em>Scielo</em>.</p> Mário Gaudêncio Izabel França de Lima Maria Elizabeth Baltar Carneiro de Albuquerque ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-12 2019-06-12 1 1 44 59 10.21708/issn2674-6549.v1i1a8416.2019 Lei de universalização das bibliotecas escolares (12.244/10) https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8521 <p align="justify"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;">Trata dos rumos da Lei 12.244/10 sobre a universalização das bibliotecas escolares em face da proposição de elementos para composição de uma política pública. <span style="color: #000000;">apresenta como </span><span style="color: #000000;">síntese do problema</span><span style="color: #000000;"> a seguinte pergunta: como é possível pensar a construção de uma política pública para as bibliotecas escolares? Como objetivo elenca: abordar a Lei 12.244/10 constituindo uma discussão sobre os seus pressupostos, estabelecendo uma comparação com o Projeto de Lei 9484/2018, visando a proposição de estratégias que componham uma política pública para as bibliotecas escolares. </span><span style="color: #000000;">A metodologia consta de uma revisão de bibliografia, em especial com autores da área de Biblioteconomia e documentos que amparam a legislação alusiva a biblioteca escolar. Conclui que a Lei 12.244/10 não determinou avanços pela escassez de políticas públicas e que é fundamentalmente necessário a construção de uma política que tome como base fundamentos (norteadores e aplicacionais) que concebem e viabilizam condições para existência das bibliotecas e eixos (temáticos e pragmáticos) que delimitem os múltiplos escopos de execução de práticas nas bibliotecas escolares, conduzindo para a criação de sistemas estaduais e municipais de bibliotecas escolares, visando uma aplicação plena de um conjunto de práticas especializadas que contemplam a atuação do bibliotecário como gestor.</span></span></span></p> Jonathas Luiz Carvalho Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-12 2019-06-12 1 1 60 93 10.21708/issn2674-6549.v1i1a8521.2019 Mailson Furtado Viana: um ser tão cidade! https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8595 <p>Quando em outubro de 2018 a Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou a relação dos finalistas da sexagenária edição do Prêmio Jabuti, o noticiário, sobretudo as editorias especializadas em arte, cultura e literatura, dedicou-se em destacar os nomes de prata da literatura nacional que estrelavam a lista. Em maior parte, são autores publicados e distribuídos por grandes empresas do mercado editorial; são personalidades consagradas em feiras e em eventos literários; já ocupam espaços e capas na grande mídia. Aquele também fora um ano de mudanças na organização das categorias, que a partir de então passam a se dividir em quatro eixos: Literatura, Ensaios, Livro e Inovação. Revelados os finalistas, o nome do cearense Mailson Furtado Viana aparece na relação dos dez concorrentes pela categoria “Poesia”, um dos gêneros com possibilidades de arrematar a grande categoria de “Livro do Ano”, disputada entre as publicações dos eixos Ensaios e Literatura. Até então, ascender ao seleto grupo parecia motivar muito mais apenas ao próprio autor, que diz ter recebido a informação com muita surpresa, e, evidentemente, também aos moradores da pequena cidade de Varjota, que passam a ver um filho da terra em uma disputa de renome nacional.</p> Higo da Silva Lima ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-17 2019-06-17 1 1 94 106 10.21708/issn2674-6549.v1i1a8595.2019 Em Reconhecimento https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/ric/article/view/8604 CEO RIC ##submission.copyrightStatement## 2019-06-11 2019-06-11 1 1 107 107