ALFABETIZAR E POLITIZAR: ANGICOS, 50 ANOS DEPOIS

  • Moacir Gadotti Instituto Paulo Freire

Resumo

Neste texto, o autor recupera momentos históricos importantes da memorável experiência de Paulo Freire emAngicos, em 1963, seus antecedentes e suas repercussões, até a elaboração do Programa Nacional deAlfabetização. Mostra a importância que Paulo Freire dava à “politização”, isto é, à formação para a cidadania, ainda hoje tão necessária, reafirmando o que ele sempre sustentou: “sou educador para ser substantivamente político”. Desde o início, em seus primeiros escritos e na sua práxis político-pedagógica, Paulo Freire preconizava a necessidade da participação popular na luta contra o analfabetismo. Mas, Angicosnãoéapenasumsímbolodalutacontraoanalfabetismo; é um marco em favor da universalizaçãodaeducaçãoemtodososgraus,superandoavisão elitista. Angicos representa um convite a um novo pacto social, em que a educação, exercida de comum acordo com os movimentos sociais e a sociedade civil, torna o Estado um instrumento de transformação social, um instrumento de gestão do desenvolvimento, um instrumento de luta contra a opressão, um instrumento de libertação e, não, simplesmente, de regulação e de governança da ação social, como querem os neoliberais. O autor finaliza afirmando, neste momento particular que vive o Brasil, o significadopolítico-pedagógicoda experiência de Paulo Freire emAngicos, concluindo que a melhorhomenagem que podemos prestar a ele, hoje patrono da educação brasileira, éeliminaroanalfabetismo.


Palavras-chave: Paulo Freire. Angicos. Alfabetização de adultos. Politização. Educação como cultura.

Biografia do Autor

Moacir Gadotti, Instituto Paulo Freire

DiretordoInstitutoPauloFreire. ProfessorTitulardaUniversidadedeSãoPaulo. DoutoremCiênciasdaEducaçãopelaUniversidadedeGenebra,DoutorHonorisCausapelaUniversidadeRuraldoRiodeJaneiro, Livre Docente pela Universidade Estadual de Campinas,ProfessorTitulardaUniversidadedeSãoPaulo,FundadoreatualPresidentedeHonradoInstitutoPauloFreire.Éautorde diversos livros,traduzidosemváriosidiomas,entreeles:Pedagogiadapráxis(1996);Históriadasideiaspedagógicas(1998);PauloFreire:Umabiobibliografía(2001);PedagogiadaTerra(2002);Perspectivasatuaisdaeducação(2003);OsmestresdeRousseau(2004),Educarparaumoutromundopossível(2006)eEducarparaasustentabilidade(2008).

Referências

BEISIEGEL, Celso de Rui. Estado e educação popular. São Paulo: Pioneira, 1974

BEISIEGEL, Celso de Rui. Política e educação popular: a teoria e a prática de Paulo Freire no Brasil. São Paulo: Ática, 1982 (Coleção Ensaios, 85).

BEISIEGEL, Celso de Rui. Paulo Freire. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2010.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é o método Paulo Freire. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues (Org.). De Angicos a ausentes: 40 anos de educação popular. Porto Alegre: MOVA, RS; CORAG, 2001.

FÁVERO, Osmar. Educação popular e cultura popular: memoria dos anos 60. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

FEITOSA, Sônia Couto Souza. Método Paulo Freire: princípios e práticas de uma concepção popular de educação. 1998. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

FERNANDES, Calazans; TERRA, Antonia. 40 horas de esperança: o método Paulo Freire, política e pedagogia na experiência de Angicos. São Paulo: Ática, 1994.

FERREIRA, Jorge. João Goulart, uma biografia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FREIRE, Ana Maria Araújo. Paulo Freire: uma história de vida. Indaiatuba: Villa das Letras, 2006.

FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Aprendendo com a própria história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Conscientização e alfabetização: uma nova visão do processo. Brasília: MEC, 1963. 15 p. mimeografado. (Comissão Nacional de Cultura Popular).

FREIRE, Paulo. Discurso do professor Paulo Freire, em Angicos, ao encerramento do curso de alfabetização de adultos. Angicos, RN: IFP, 2 abr. 1963. 8 p. Mimeografado. (Biblioteca IPF/SP).

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação, uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, Paulo. Educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, Paulo. Repercussão de seus primeiros trabalhos – 1962-1963. São Paulo: IPF, [2000?]. (Série Textos Escolhidos, v. 33).

GADOTTI, Moacir. (Org.). Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 1996.

GADOTTI, Moacir; ABRÃO, Paulo. (Org.). Paulo Freire anistiado político brasileiro. São Paulo: Instituto Paulo Freire; Comissão da Anistia; Ministério da Justiça, 2012.

GERHARDT, Heinz Peter. “Angicos – Rio Grande do Norte – 1962/63”. Revista Educação & Sociedade, São Paulo, ano 4, n. 14, maio 1983, 1982.

KIRKENDALL, Andrew J. Paulo Freire and the cold war politics of literacy. North Carolina: Green Press Initiative, 2010.

LIMA, Lauro de Oliveira. Método Paulo Freire, processo de aceleração da alfabetização de Adultos. In: Tecnologia educação e democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965. p. 175-202.

LYRA, Carlos. As quarenta horas de Angicos: uma experiência pioneira de educação. São Paulo: Cortez, 1996.

MANFREDI, Sílvia Maria. Política e educação popular: experiências de alfabetização no Brasil com o Método Paulo Freire – 1960/1964. São Paulo: Cortez, 1981.

MÉTODO Paulo Freire: manual do monitor. Angicos, RN: [s.n.], 1963, 12 p.

PAIVA, Vanilda. História da educação popular no Brasil: educação popular e educação de adultos. 6. ed. rev. e amp. São Paulo: Loyola, 2003.

PELANDRÉ, Nilcéa Lemos. Ensinar e aprender com Paulo Freire: 40 horas 40 anos depois. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2002. (Biblioteca Freiriana, v. 2).

RODRIGUES, Jorge Gabriel. Notas para la aplicación del método psico-social de educación de adultos de Paulo Freire. Cidade do México: [s.n.], 1969. Mimeografado.

ROMÃO, José Eustáquio. “Paulo Freire e o pacto populista” (contextualização). In: FREIRE, Paulo. Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-48.

ROSAS, Paulo (Org.). Paulo Freire: educação e transformação social. Recife: Centro Paulo Freire; UFPE, 2002.

SCOCUGLIA, Afonso Celso. Educação popular: do Sistema Paulo Freire aos IPMs da ditadura. São Paulo: Cortez, 2001.

SECERN. A experiência de Angicos. Natal: SECERN, 1963.

SECERN. Angicos I: a experiência de Angicos. Natal: SECERN, 1963a.

SOARES, Leôncio; FÁVERO, Osmar (Org.). Alfabetização e cultura popular. In: ENCONTRO NACIONAL DE ALFABETIZAÇÃO E CULTURA POPULAR, 1., 2009, Brasília. Anais... Brasília: Unesco; MEC, 2009.

TORRES, Carlos Alberto. Lectura crítica de Paulo Freire: ontologia de ensayos latioamericanos sobre la pedagogia de Paulo Freire. Buenos Aires: Tierra Nueva, 1975.

TORRES, Carlos Alberto. 50 Anos de Angicos: proposta da Secretaria de Educação de RGN em parceria com os Institutos Paulo Freire de Los Angeles e de São Paulo. São Paulo: IPF, abr. 2012. Mimeografado.
Publicado
01-04-2013