UMA INTRODUÇÃO À VISÃO DE HOMEM, MUNDO E CONHECIMENTO NA PERPECTIVA FREIREANA

  • Sandra Maria Borba Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

 A compreensão antropológica do conhecimento e sua implicação na visão do ato pedagógico como ato de conhecimento é uma categoria fundante do pensamento freireano. Freire situa o homem como um “corpo consciente”, capaz de saber-se no mundo com o qual se relaciona e no qual exerce sua capacidade própria de perceber/compreender/sentir/transformar e comunicar-se. Nascido da ação dos homens em relação com o mundo e com outros homens, o conhecimento se torna produto social e, por isso, é inconcluso, apresenta-se em diferentes níveis e modos, e sua acessibilidade está diretamente ligada às múltiplas formas de interação e organização sociais e aos tipos de linguagem que o expressam. Ora, se o conhecimento é uma categoria fundante do homem ser que sabe-se no mundo, sua acessibilidade deve ser garantida como condição sine qua non ao exercício da dialeticidade necessária à existência humana. Aí está o papel da educação, o Ser Mais do homem, a busca pela sua valorização e aprimoramento constante. A missão da educação refere-se à orientação aos sujeitos em relação ao mundo onde se situam e isso representa um ato cognoscente, no qual os sujeitos envolvidos podem e devem agir como sujeitos de aprendizagens, mediatizados pelos objetos cognoscíveis que buscam conhecer. Toda educação comprometida com a acessibilidade, produção e crítica do conhecimento será problematizadora, dialética e promoverá a humanização, o SER MAIS e a transformação. Ao contrário, uma educação que busca apenas a assimilação passiva do conhecimento está subtraindo a possibilidade e o direito humano de transformar o mundo, humanizando-o. 

Palavras-Chave: Paulo Freire. Educação. Conhecimento. Gnosiologia.

Biografia do Autor

Sandra Maria Borba Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco onde também concluiu Mestrado em Filosofia (1986). Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte onde é docente na área de Fundamentos Histórico-Filosóficos da Educação e Didática. Possui experiência em cursos de formação de educadores de Jovens e Adultos e formação de professores para a Educação Básica.

Referências

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação?. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

______. Educação e mudança. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

______. Educação como prática da liberdade. 30. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007a.

______.Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2007b. Edição especial.

______. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1976.

______. Cartas à Guiné-Bissau: registros de uma experiência em processo. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1978.

______. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: UNESP, 2001.

______. A Educação na cidade. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

______. Pedagogia da esperança. São Paulo: Paz e Terra, 1992.
Publicado
01-04-2013