A Uberização das relações trabalhistas: o simulacro do empreendedorismo individual diante de um vínculo de trabalho

  • Maria Teodora Rocha Maia do Amaral Universidade Federal Rural do Semiárido
Palavras-chave: Direito do Trabalho, Uberização, Direito Constitucional, Revoluções Tecnológicas.

Resumo

Resumo: O novo paradigma tecnológico instituído por empresas como a Uber e o Ifood e revolucionou o modo de consumo da sociedade e instituiu novas relações jurídicas. Para essas empresas, não há vínculo laboral entre os seus motoristas/entregadores, o que desobriga a garantia dos direitos trabalhistas presentes no ordenamento jurídico doméstico. Nos tribunais e cortes superiores, no entanto, não há consenso acerca do tipo de vínculo existente. A partir desse cenário jurídico, o objetivo geral do trabalho é analisar a redefinição das relações laborais a partir da situação dos motoristas/entregadores de aplicativos. A investigação se baseou na jurisprudência doméstica e na literatura que discute o objeto a partir das revoluções tecnológicas. Concluiu-se que essa situação jurídica que gera uma zona de incerteza e ambiguidade precariza as condições de trabalho desses empregados e relativiza direitos garantidos perante a ordem constitucional.

Publicado
2021-01-31
Como Citar
Maria Teodora Rocha Maia do Amaral. (2021). A Uberização das relações trabalhistas: o simulacro do empreendedorismo individual diante de um vínculo de trabalho. Revista Estudantil Manus Iuris, 1(2), 98 - 114. Recuperado de https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/rmi/article/view/9899
Seção
Artigos