CARACTERIZAÇÃO AGRONÔMICA DE GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE OBTIDOS POR MEIO DE POLICRUZAMENTOS

Autores

  • Darllan Junior Luiz Santos Ferreira de Oliveira Postgraduate Program in Agronomy (Genetics and Plant Breeding), Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, SP https://orcid.org/0000-0002-0930-7709
  • Maria Eduarda Facioli Otoboni Department of Plant Science, Food Technology and Socio-Economics, Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira, SP https://orcid.org/0000-0002-7288-0508
  • Bruno Ettore Pavan Department of Plant Science, Food Technology and Socio-Economics, Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira, SP https://orcid.org/0000-0002-6487-5135
  • Adalton Mazetti Fernandes Center for Tropical Roots and Starches, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP https://orcid.org/0000-0002-6745-0175
  • Pablo Forlan Vargas Faculty of Agricultural Sciences of Vale do Ribeira, Universidade Estadual Paulista, Registro, SP https://orcid.org/0000-0002-5718-6403

Palavras-chave:

Ipomoea batatas L. Melhoramento genético. Produtividade.

Resumo

O rendimento médio nacional da batata-doce está abaixo do potencial produtivo da cultura, principalmente devido ao cultivo de variedades locais e não melhoradas que apresentam baixos rendimentos. Para melhorar essa condição, junto com tratamentos culturais adequados, deve-se buscar cultivares mais produtivas. Assim, objetivou-se caracterizar genótipos de batata-doce obtidos por meio de cruzamentos. O experimento foi conduzido de janeiro a maio de 2019 em Selvíria, Mato Grosso do Sul, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com 264 (genótipos) + Controle (‘Beauregard’), com duas repetições. A colheita de todas as plantas começou 127 dias após o plantio dos propágulos. Após a colheita, as raízes foram lavadas e colocadas para secar em área coberta para avaliação. Foram avaliados: rendimento total, comercial e não comercial; número total, comercial e não comercial da raiz; teor de matéria seca de raízes; e a produtividade de matéria seca. Os genótipos CERAT16-20, CERAT31-1 e CERAT21-2 são promissores para a produção de raízes para consumo doméstico devido à alta produtividade das raízes comerciais. Os acessos CERAT16-20, CERAT31-1, CERAT25-17, CERAT25-12, CERAT21-2, CERAT29-26, CERAT34-4, CERAT31-11 e CERAT24-8 são promissores para a indústria devido à alta produção de massa seca por hectare. Os componentes principais, número total de raízes comerciais, produção de raízes não comerciais, massa de raízes comerciais, produção total de massa seca de raízes, massa de raízes e produção total de raízes têm baixa contribuição para discriminação dos genótipos, portanto, sua análise pode ser descartada em trabalhos futuros, sob mesmas condições edafoclimáticas, reduzindo o trabalho, despesas e tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARO, B. G. et al. Desempenho de cultivares de batata-doce para rendimento e qualidade de raízes em Sergipe. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 14: 1-6, 2019.

ANDRADE JÚNIOR, V. C. D. et al. Características produtivas e qualitativas de ramas e raízes de batata-doce. Horticultura Brasileira, 30: 584-589, 2012.

ANDRADE JUNIOR, V. C. D. et al. Potencial quantitativo e qualitativo de genótipos batata doce. Scientia Agrarian, 19: 28-35, 2018.

ANDRADE JÚNIOR, V. C. D. et al. Selection of sweet potato clones for the region Alto Vale do Jequitinhonha. Horticultura Brasileira, 27: 389-393, 2009.

BACH, D. et al. Sweet Potato (Ipomoea batatas L.): a Versatile Raw Material for the Food Industry. Brazilian Archives of Biology and Technology, 64: e21200568, 2021.

CARMONA, P. A. O. et al. Divergência genética entre acessos de batata-doce utilizando descritores morfoagronômicos das raízes. Horticultura Brasileira, 33: 241-250, 2015.

CARVALHO, F. I. F.; LORENCETTI, C.; BENIN, G. Estimativas e implicações

da correlação no melhoramento vegetal. Pelotas, RS: UFPel, 2004, 142 p.

CRUZ, C. D. GENES: a software package for analysis in experimental statistics and quantitative genetics. Acta Scientiarum Agronomy, 35: 271-276, 2013.

DAHER, R. F.; MORAES, C. F.; CRUZ, C. D. Seleção de caracteres morfológicos em capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum.). Revista Brasileita Zootecnia, 26: 247-259, 1997.

ELSAYED, A. Y. A. M. et al. Potencial quantitativo e qualitativo de genótipos batata-doce. Scientia Agraria, 19: 28-35, 2018.

FERREIRA, D. F. SISVAR: a computer analysis system to fixed effects split plot type designs. Revista Brasileira de Biometria, 37: 529-535, 2019.

GONÇALVES NETO, Á. C. et al. Correlação entre caracteres e estimação de parâmetros populacionais para batata-doce. Horticultura brasileira, 30: 713-719, 2012.

HARAHAP, E. S.; JULIANTI, E.; SINAGA, H. Utilization of orange fleshed sweet potato flour, starch and residual flour in biscuits making. In: IOP CONFERENCE SERIES: EARTH AND ENVIRONMENTAL SCIENCE, nº. 01, 2019, Medan. Proceedings... Medan: IOP Publishing, 2020. v. 454, p. 012120.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. SIDRA: produção agrícola municipal. 2019. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/5457#resultado>. Acesso em: 28 jul. 2019.

KOUROUMA, V. et al. Effects of cooking process on carotenoids and antioxidant activity of orange-fleshed sweet potato. LWT - Food Science and Technology, 104: 134-141, 2019.

MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. CULTIVARWEB: Gereciamento de informação. 2018. Disponível em: <http://sistemas.agricultura.gov.br/snpc/cultivarweb/cultivares_registradas.php>. Acesso em: 02 mai. 2018.

MONTEIRO, D. A.; PERESSIN, V. A. Batata doce e cará. In: RAIJ, B.V. et al. (Eds.). Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. Campinas, SP: Instituto Agronômico & Fundação – IAC, 1997. v. 2, cap. 21, p. 219-230.

OTOBONI, M. E. F. et al. Genetic parameters and gain from selection in sweet potato genotypes with high beta-carotene content. Crop Breeding and Applied Biotechnology, 20: e31632038, 2020.

PORTUGAL, J. R.; PERES, A. R.; RODRIGUES, R. A. F. Aspectos climáticos no feijoeiro. In: ARF, O. et al. (Eds.). Aspectos gerais da cultura do feijão Phaseolus vulgaris. Botucatu, SP: FEPAF, 2015. v. 1. cap. 4, p. 65-75.

RESENDE, M. D. V. D. Software Selegen-REML/BLUP: a useful tool for plant breeding. Crop Breeding and Applied Biotechnology, 16: 330-339, 2016.

RIZZOLO, J. A. et al. The potential of sweet potato biorefinery and development of alternative uses. SN Applied Sciences, 3: 1-9, 2021.

SANTOS, H. G. Sistema Brasileiro de Classificação dos Solos. Brasília, DF: EMBRAPA, 2013, 353 p.

SINGH, D. The relative importance of characters affecting genetic divergence. Indian Journal of Geneties and Plant Breeding, 41: 237-245, 1981.

SILVA, G. O. D. et al. Performance of root yield traits in sweet potato cultivars. Revista Ceres, 62: 379-383, 2015.

SILVA, J. B. C.; LOPES, C. A.; MAGALHÃES, J. S. Batata-doce: Ipomoea batatas. 1. ed. Brasília, DF: EMBRAPA-CNPH, 2008. 18 p. (EMBRAPA-CNPH. Sistema de produção, 6).

VARGAS, P. F. et al. Agronomic characterization of sweet potato accessions. Comunicata Scientiae, 8: 116-125, 2016.

VIEIRA, A. D. et al. Agronomic evaluation of clones of sweet potato with potential for ethanol production. Applied Research & Agrotechnology, 8: 69-74, 2015.

VIZZOTTO, M. et al. Mineral composition of sweet potato genotypes with coloured pulps and their consumption adequacy for risk groups. Brazilian Journal of Food Technology, 21: 1-8, 2018.

WANG, X. et al. Improving the production efficiency of sweet potato starch using a newly designed sedimentation tank during starch sedimentation process. Journal of Food Processing and Preservation, 44: e14811, 2020.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Agronomia