VARIABILIDADE GENÉTICA DE POPULAÇÕES DE Parkia platycephala: SUBSÍDIO PARA DEFINIR ÁREAS DE COLETA DE SEMENTES

Autores

Palavras-chave:

Conservação genética. Parâmetros genéticos. Fava de bolota. Restauração florestal. Sementes florestais.

Resumo

A perda da variabilidade genética de populações naturais implica negativamente no processo adaptativo e evolutivo das espécies. Nesse contexto, objetivou-se avaliar a variabilidade genética existente entre e dentro de populações naturais de P. platycephala, a partir de caracteres biométricos de frutos e sementes e fisiológicos de sementes e plântulas, e assim, verificar o potencial para seleção de árvores matrizes e indicar áreas para coleta e uso de sementes, como também gerar subsídios para conservação e pré-melhoramento genético da espécie. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com 45 tratamentos (progênies) e quatro repetições de 25 sementes cada. As progênies foram avaliadas em laboratório, a partir de sementes coletadas de 45 matrizes amostradas em três populações naturais. Para tanto, avaliou-se os seguintes caracteres: porcentagem de germinação, índice de velocidade de germinação, tempo médio de germinação, comprimento de parte aérea e raiz principal, massa seca da parte aérea e do sistema radicular de plântulas. Os dados foram submetidos a análise RELM/BLUP para estimativa dos parâmetros genéticos, correlações e análises de divergência genética (UPGMA). As populações apresentam diferenças genéticas entre si, e variação significativa entre progênies para todos os caracteres avaliados, sendo maior a variação dentro do que entre populações. Os caracteres avaliados apresentam alto controle genético, portanto, estes podem ser utilizados na análise da variabilidade genética de populações e progênies de P. platycephala, auxiliando assim na identificação de áreas para a coleta de sementes, programas de conservação e pré-melhoramento genético da espécie.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATES, D. et al. Fitting linear mixed-effects models using lme4. Journal of Statistical Software, 67: 1-48, 2015.

BATISTA, C. M. et al. Estimativas de parâmetros genéticos e a variabilidade em procedências e progênies de Handroanthus vellosoi. Pesquisa Florestal Brasileira, 32: 269-276, 2012.

BATISTA, I. L. et al. Effects of Parkia platycephala on feeding behavior, rumen health, blood markers, and physiological responses of lactating goats. Revista Brasileira de Zootecnia, 49: 1-13, 2020.

BIERNASKI, F. A.; HIGA, A. R.; SILVA, L. D. Variabilidade genética para caracteres juvenis de progênies de Cedrela fissilis Vell.: subsídio para definição de zonas de coleta e uso de sementes. Revista Árvore, 36: 49-58, 2012.

CARVALHO, L. P. et al. Uso da metodologia REML/BLUP para seleção de genótipos de algodoeiro com maior adaptabilidade e estabilidade produtiva. Bragantia, 75: 314-321, 2016.

CHAVES, S. R.; SANTOS, R. R.; SILVA, A. L. G. Reproductive biology of Parkia platycephala Benth (Leguminosae, Caesalpinioideae, clado mimosoide). Brazilian Journal of Development, 6: 79442-79458, 2020.

COSTA, L. A. et al. Chemical composition, fermentative characteristics, and in situ ruminal degradability of elephant grass silage containing Parkia platycephala pod meal and urea. Tropical Animal Health and Production, 52: 3481-3492, 2020.

GOIS, I. B.; FERREIRA, R. A.; SILVA-MANN, R. Variabilidade Genética em Populações Naturais de Cassia grandis L. f. Floresta e Ambiente, 25: e20160309, 2018.

KAMPA, M. B. et al. Variabilidade genética em progênies de Campomanesia xanthocarpa Mart. ex O. Berg em viveiro. Scientia Forestalis, 48: e2935, 2020.

LABOURIAU, L. G.; VALADARES, M. E. B. On the germination of seeds Calotropis procera (Aiton) W.T.Aiton. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 48: 263-284, 1976.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2013. 384 p.

LOVATEL, Q. C. et al. Genetic variability in juvenile characters of progenies of Apuleia leiocarpa. Floresta, 51: 547-556, 2021.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2: 176-177, 1962.

MORI, E.S.; NAKAGAWA, J. Conservação de recursos genéticos: a base para produção de sementes de qualidade. In: PIÑA-RODRIGUES, F.C.M. et al. (Eds.). Sementes florestais tropicais: da ecologia à produção. Londrina, PR: ABRATES, 2015. v. 1, cap. 2, p. 153-166.

NAMKOONG, G. Introduction to quantitative genetics in forestry. Washington, D.C: Forest Service, 1979. 342 p.

OKSANEN, J. et al. The vegan Package - Community Ecology Package. R package Version 2.5-2. 2018, 295 p.

REI, F. C. F.; GONÇALVES, A. F.; SOUZA, L. P. Acordo de Paris: reflexões e desafios para o regime internacional de mudanças climáticas. Veredas do Direito: Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, 14: 81-99, 2017.

RESENDE, M. D. V. Genética biométrica e estatística no melhoramento de plantas perenes. 1. ed. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2002. 975 p.

RESENDE, M. D. V.; ALVES, R. S. Linear, generalized, hierarchical, bayesian and random regression mixed models in genetics/genomics in plant breeding. Functional Plant Breeding Journal, 2: 1-31, 2020.

RESENDE, M. D. V. Genética quantitativa e de populações. 1. ed. Viçosa, MG: Suprema, 2015. 463 p.

ROVERI NETO, A.; PAULA, R. C. Variabilidade entre árvores matrizes de Ceiba speciosa St. Hil. para características de frutos e sementes. Revista Ciência Agronômica, 48: 318-327, 2017.

SANTOS, L. G. et al. Parâmetros genéticos da germinação de sementes e emergência de plântulas em girassol. Magistra, 29: 47-55, 2017.

SEBBENN, A. M. et al. Low levels of realized seed and pollen gene flow and strong spatial genetic structure in a small, isolated and fragmented population of the tropical tree Copaifera langsdorffii Desf. Heredity, 106: 134-145, 2011.

SEBBENN. A. M. Número de árvores matrizes e conceitos genéticos na coleta de sementes para reflorestamentos com espécies nativas, Revista do Instituto Florestal, 14: 115-132, 2002.

SILVA, K. B. et al. Variabilidade da germinação e caracteres de frutos e sementes entre matrizes de Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) TD Penn. Revista Eletrônica de Biologia, 7: 281-300, 2014.

SILVA, R. B. et al. Germination and seedling vigour in Parkia platycephala Benth. in different substrates and temperatures. Revista Ciência Agronômica, 48: 142-150, 2017.

SOKAL, R. R.; ROHLF, F. J. The comparison of dendrograms by objective methods. Taxon, 11: 30-40, 1962.

URZEDO, D. I. et al. Seed Networks for Upscaling Forest Landscape Restoration: Is it Possible to Expand Native Plant Sources in Brazil? Forests, 11: 259, 2020.

VENCOVSKY, R.; BARRIGA, P. Genética biométrica no fitomelhoramento. 1. ed. Ribeirão Preto, SP: Sociedade Brasileira de Genética, 1992. 496 p.

WEI, T.; SIMKO, V. R. Package “corrplot”: Visualization of a Correlation Matrix (Version 0. 84). 2017. Disponível em: <https://github.com/taiyun/corrplot>. Acesso em: 15 mai. 2022.

WRIGHT, J.W. Introduction to forest genetics. New York: Academic, 1976. 463 p.

YILMAZ-DÜZYAMAN, H.; ROSA, R.; LEÓN, L. Seedling Selection in Olive Breeding Progenies. Plants, 11:1-12ᵪᵪ, 2022.

YOKOMIZO, G. K.; FARIAS NETO, J. T.; OLIVEIRA, M. Ganho esperado na seleção de progênies de polinização aberta de Euterpe oleracea para produção de frutos. Scientia Forestalis, 44: 241-248, 2016.

Downloads

Publicado

20-09-2022

Edição

Seção

Ciências Florestais