IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS E ADUBAÇÃO SILICATADA NO CULTIVO DE MARACUJAZEIRO GIGANTE AMARELO

Palavras-chave: Passiflora edulis f. flavicarpa. Salinidade. Silício.

Resumo

O Nordeste brasileiro sofre com alguns estresses abióticos que são responsáveis pela perda de produção agrícola, como os longos períodos de estiagem e elevada evapotranspiração, associado à qualidade das águas que induz ao uso de águas salinas como alternativa para expansão das áreas irrigadas, com isto a adubação silicatada contribui para redução dos efeitos da salinidade nas condições de semiárido nordestino. Objetivou-se avaliar o potencial osmótico e os índices fisiológicos de mudas de maracujazeiro amarelo sob salinidade da água de irrigação e adubação silicatada. O experimento foi desenvolvido em condições de casa de vegetação na Universidade Federal de Campina Grande, Pombal-PB, em delineamento de blocos ao acaso em esquema fatorial 5 x 5, relativo a cinco níveis de condutividade elétrica da água de irrigação - CEa (0,3; 1,0; 1,7; 2,4 e 3,1 dS m-1) e cinco doses de adubação silicatada (0; 25; 50; 75 e 100 g de silício por planta) em quatro repetições e duas plantas por parcela. A aplicação de 50, 75 e 100 g por planta de silício reduziu o potencial osmótico nos tecidos foliares das plantas de maracujazeiro ‘Gigante Amarelo’. A salinidade da água menor que 1,3 dS m-1 resultou em incremento no conteúdo de clorofila b; aumento nos teores de carotenoides foi verificado nas plantas submetidas as doses de 25 e 100 g de silício. Níveis salinos acima de 1,1 dS m-1 comprometeram o desempenho do fotossistema II das plantas de maracujazeiro quando submetidas as doses de silício.

 

Referências

ANDRADE, E. M. G. et al. Gas exchanges and growth of passion fruit under saline water irrigation and H2O2 application. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 23: 945-951, 2019.

ARNON, D. I. Copper enzymes in isolated cloroplasts: polyphenoloxidases in Beta vulgaris. Plant Physiology, 24: 1-15, 1949.

BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. Manual de irrigação. 8. ed. Viçosa, MG: Ed. UFV. 2013. 625 p.

CAVALCANTE, L. F. et al. Clorofila e carotenóides em maracujazeiro-amarelo irrigado com águas salinas no solo com biofertilizante bovino. Revista Brasileira de Fruticultura, 33: 699-705, 2011.

CAVALCANTI, J. C. P. Recomendações de adubação para o estado Pernambuco (2ª aproximação). 3. ed. Recife, PE: Instituto Agronômico do Pernambuco – IPA, 2008. 212 p.

COSTA, B. N. S. et al. Modificações morfoanatômicas e fisiológicas de maracujazeiro fertilizado com silício. Revista Agropecuária Brasileira, 53: 163-171, 2018.

CRUZ, A. F. S. et al. Stress index, water potentials and leaf succulence in cauliflower cultivated hydroponically with brackish water. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 22: 622-627, 2018.

FREIRE, J. L. O. et al. Rendimento quântico e trocas gasosas em maracujazeiro amarelo sob salinidade hídrica, biofertilizante e cobertura morta. Revista Ciência Agronômica, 45: 82-91, 2014.

HUANG, Z. et al. Growth, photosynthesis and H+ ATPase activity in two Jerusalem artichoke varieties under NaCl-induced stress. Process Biochemistry, 47: 591-596, 2012.

JAYAKANNAN, M. et al. The NPR1-dependent salicylic acid signalling pathway is pivotal for enhanced salt and oxidative stress tolerance in Arabidopsis. Journal of Experimental Botany, 66: 1865- 1875, 2015.

JESUS, C. A. S. et al. Fruit quality and production of yellow and sweet passion fruit in Northern state of São Paulo. Revista Brasileira de Fruticultura, 40: 1-7, 2018a.

JESUS, E. G. et al. Growth and gas exchanges of arugula plants under silicon fertilization and water restriction. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 22: 119-124, 2018b.

JESUS, O. N. et al. Cultivares comerciais de maracujá – azedo (Passiflora edulis Sims) no Brasil. In: Junghans, T. G.; Jesus. N. (Eds.). Maracujá: do cultivo à comercialização. Brasília: Embrapa. cap.3, 2017, p. 39-58.

KIM, Y. H. et al. Silicon regulates antioxidant activities of crop plants under abiotic-induced oxidative stress: a review. Frontiers in Plant Science, 8:1-7, 2017.

LIMA, G. S. et al. Effects of saline water and potassium fertilization on photosynthetic pigments, growth and production of West Indian cherry. Revista Ambiente & Água, 13: 1-12, 2018.

LUCENA, C. C. et al. Salt stress change chlorophyll fluorescence in mango. Revista Brasileira de Fruticultura, 34: 1245-1255, 2012.

MEDEIROS, S. S. et al. Sinopse do censo demográfico para o semiárido brasileiro. Campina Grande, PB: INSA, 2012. 103 p.

MUNNS, R.; TESTER M. Mechanisms of salinity tolerance. Annual Review of Plant Biology, 59: 651-681, 2008.

REIS, M. V. et al. Salinity in rose production. Ornamental Horticulture, 22: 228-234, 2016.

RICHARDS, L. A. Diagnosis and improvement of saline and alkali soils. Washington: U.S, Department of Agriculture, 1954. 160 p.

SANTOS, J. B. Estudo das relações nitrogênio: potássio e cálcio: magnésio sobre o desenvolvimento vegetativo e produtivo do maracujazeiro amarelo. 2001. 88p. Mestrado (Mestrado em Manejo de Solo e Água: Área de concentração Solos e Nutrição de plantas). Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2001.

SILVA, R. M. Produção de mudas de maracujazeiro-amarelo com diferentes tipos de enxertia e uso de câmera úmida. 2012. 59 p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia: Área de concentração Agricultura Tropical) - Universidade Federal Rural do Semi-árido, Mossoró, 2012.

SOUZA, E. R. et al. Biomass, anatomical changes and osmotic potential in Atriplex nummularia Lindl. cultivated in sodic saline soil under water stress. Environmental and Experimental Botany, 82:20-27, 2012.

TAHIR, M. A. et al. Silicon-induced changes in growth, ionic composition, water relations, chlorophyll contents and membrane permeability in two salt-stressed wheat genotypes. Archives of Agronomy and Soil Science, 58: 247-56, 2012.

TEIXEIRA, P. C. et al. Manual de métodos de análise de solo. 3. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2017. 573 p.

Publicado
2021-03-04
Seção
Engenharia Agrícola