MODULAÇÃO DO MEIO DE CULTURA NA CONSERVAÇÃO EX SITU DE Neoregelia mucugensis Leme (BROMELIACEAE)

Palavras-chave: Crescimento lento. Bromélia. Osmorregulador.

Resumo

As bromélias são alvo de extrativismo predatório e com isso muitas estão inseridas na lista vermelha de espécies ameaçadas, a exemplo das que pertencem ao gênero Neoregelia. Apesar da Neoregelia mucugensis não ter sido avaliada quanto ao grau de ameaça, sua exploração é exclusivamente extrativista e sua ocorrência na Chapada Diamantina-BA está sujeita à ação das queimadas que afetam a região anualmente. Neste contexto, a aplicação de técnicas que visem proteger este recurso genético é fundamental tanto para manutenção de suas populações naturais quanto para conservação ex situ deste material genético. Técnicas de cultura de tecidos vegetais têm sido aplicadas com êxito para conservação de diversas espécies de bromélias. Um dos métodos utilizados é o crescimento lento que consiste na redução do metabolismo da planta e consequentemente na desaceleração do seu crescimento, o que possibilita a manutenção das coleções de plantas in vitro sem necessidade de subcultivo. Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi testar a redução de sais do meio de cultura e a adição de osmorregulador na indução do crescimento lento de N. mucugensis. Plantas foram submetidas a tratamentos compostos por diferentes concentrações do meio MS e de manitol pelo período de 12 meses, quando então foram realizadas as análises de crescimento, teor de clorofila e capacidade de regeneração de brotos in vitro. Constatou-se que o tratamento contendo MS ½ e 7,8 g.L-1 de manitol é indicado para a conservação in vitro de N. mucugensis com manutenção da capacidade regenerativa dos seus tecidos.

 

Referências

ARNON, D. I. Copper enzymes in isolated chloroplasts -polyphenoloxidase in Beta vulgaris. Plant Physiology, 24: 1-15, 1949.

BELLINTANI, M. C. et al. Estabelecimento in vitro de Orthophytum mucugense e Neoregelia mucugensis, bromélias endêmicas da Chapada Diamantina, Bahia - Brasil. Revista Brasileira de Biociências, 5: 1101-1103, 2007.

BELLINTANI, M. C. et al. Resposta regenerativa in vitro de explantes caulinares de bromélias endêmicas da Chapada Diamantina, Bahia. Magistra, 20: 328-337, 2008.

BELLO-BELLO, J. J.; GARCÍA-GARCÍA, G. G.; IGLESIAS-ANDREU, L. Conservación de vainilla (Vanilla planifolia Jacks.) bajo condiciones de lento crecimiento in vitro. Revista Fitotecnia Mexicana, 38: 165-171, 2015.

BETTENCOURT, G. M. F. et al. Efeito da fonte de carbono na embriogênese somática em Bactris gasipaes. Pesquisa Florestal Brasileira, 36: 179-183, 2016.

CARVALHO, I. R. et al. Desempenho fisiológico da soja com regulação hídrica por manitol. Agrarian, 9: 34-43, 2016.

CNCFlora - Centro Nacional de Conservação da Flora.. Bromeliaceae in Lista Vermelha da flora brasileira versão. 2012. Disponível em: <http://www.cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/listavermelha/BROMELIACEAE>. Acesso em 18 fev. 2020.

FERREIRA, A. C. T. et al. Water and salt stresses on germination of cowpea (Vigna unguiculata cv. brs tumucumaque) seeds. Revista Caatinga, 30: 1009-1016, 2017.

FIGUEIREDO, M. L. et al. In vitro establishment and conservation of Aechmea bambusoides LB Smith & Reitz, a threatened bromeliad species from Brazil. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, 14: 99-103, 2008.

FLORA DO BRASIL. Bromeliaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB66. Acesso em: 28 Jan. 2020.

JENSEN, A. S. C. et al. Bromélia: promoção da biodiversidade x riscos à saúde ambiental. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, 19: 38-45, 2011.

LIMA-BRITO, A. et al. Agentes osmóticos e temperatura na conservação in vitro de sempre-viva. Ciência Rural, 41 :1354-1361, 2011.

MURASHIGE, T.; SKOOG, F. A. Revised medium for rapid growth and bio assays with tobacco tissue cultures. Physiology Plant, 15: 473-497, 1962.

PALHA, P. M. G. et al. Parâmetros ecológicos de fungos em Bromeliaceae em ecossistemas naturais e cultivadas na Bahia. Rodriguésia, 69: 2025-2033, 2018.

PEREIRA, C. S. et al. Phytotoxicity in transgenic soybean treated with glyphosate doses. Scientific Electronic Archives, 9: 52-61, 2016.

R CORE TEAM (2018). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL https://www.R-project.org/.

RAPINI, A. et al. A flora dos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade, 4: 16-23, 2008.

RODRIGUES, P. H. V.; ARRUDA, F.; FORTI, V. A. Slow-grown in vitro conservation of Heliconia champneiana cv. Splash under different light spectra. Scientia Agricola, 75: 163-166, 2018.

SÁ, A. J.; LÊDO, A. S.; LÊDO, C. A. S. Conservação in vitro de mangabeira da região nordeste do Brasil. Ciência Rural, 41: 57-62, 2011.

SASAMORI, M. H.; ENDRES-JUNIOR, D.; DROSTE, A. Conservation of Vriesea flammea L.B.Sm., an endemic Brazilian bromeliad: effects of nutrients and carbon source on plant development. Brazilian Journal of Biology, 80: 437-448, 2020.

SCHUTTZ, R.; ARAÚJO, L. C.; SÁ, F. S. Bromélias: abrigos terrestres de vida de água doce na floresta tropical. Natureza, 10:89-92, 2012.

SILVA, A. B. et al. Efeito da luz e do sistema de ventilação natural em abacaxizeiro (Bromeliacea) micropropagado. Bioscience Journal, 30: 380-386, 2014.

SILVA, N. D. G. et al. Conservação in vitro de amoreira-preta: Crescimento lento. Plant Cell Culture & Micropropagation, 12: 7-12, 2016.

SILVEIRA, D. G. et al. Micropropagation and in vitro conservation of Neoglaziovia variegata (Arr. Cam.) Mez, a fiber producing bromeliad from Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology, 52: 923-932, 2009.

STREIT, N. M. et al. As clorofilas. Ciência Rural, 35: 748-755, 2005.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 858 p.

Publicado
2021-09-27
Seção
Agronomia