Neoplasias intracranianas em pequenos animais - Revisão de literatura

  • Rodrigo dos Santos Horta Universidade Federal de Minas Gerais
  • Bernardo de Caro Martins Universidade Federal de Minas Gerais
  • Gleidice Eunice Lavalle Universidade Federal de Minas Gerais
  • Mariana de Pádua Costa Universidade Federal de Minas Gerais
  • Roberto Baracat de Araújo Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Tumores intracranianos representam a principal causa de disfunção neurológica em animais de meia idade a idosos. O objetivo dessa revisão foi detalhar os aspectos clínico-patológicos dessas afecções. O acometimento secundário do tecido nervoso intracraniano, por extensão tumoral ou lesões metastáticas, é mais comum em relação às neoplasias primárias. No entanto, o meningioma é a principal neoplasia extra-axial primária de cães e gatos, enquanto os gliomas (astrocitoma e oligodendroglioma), ependimomas e tumores do plexo coróide representam os principais processos intra-axiais. Os sinais neurológicos decorrentes de neoplasias intracranianas dependem da localização, extensão e taxa de crescimento do tumor. O diagnóstico definitivo só é possível após o exame histopatológico do tecido tumoral, no entanto diagnósticos presuntivos podem ser obtidos a partir do exame clínico e exames de imagem, com destaque para a tomografia computadorizada e ressonância magnética. O prognóstico de cães e gatos com neoplasias intracranianas pode ser significativamente alterado a partir do tratamento com cirurgia, radioterapia e quimioterapia, utilizados isoladamente ou em combinação. No entanto, o elevado custo de implantação da radioterapia e a morbidade e mortalidade associadas à neurocirurgia limitam a biópsia e o tratamento cirúrgico aos centros veterinários que disponham de alta qualificação e técnicas avançadas de anestesia e cuidados críticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-01-17
Seção
Reviews / Revisões Bibliográficas