UTILIZAÇÃO DE Spirulina platensis COMO SUPLEMENTO ALIMENTAR DURANTE A REVERSÃO SEXUAL DE TILÁPIA DO NILO

  • Ricardo Lafaiete Moreira
  • Jamile Mota da Costa
  • Rafael Viana de Queiroz
  • Plácido Soares de Moura
  • Wladimir Ronald Lobo Farias
Palavras-chave: Microalga. Pós-larva. Copépodos. Alimentação.Oreochromis niloticus

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo avaliar a influência de Spirulina platensis como suplemento alimentar para pós-larvas de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Foram realizados dois experimentos. No primeiro, foram avaliados o efeito da inclusão de microalgas de água doce (água verde) e da inclusão específica da microalga S. platensis como suplementos alimentares. No segundo experimento foram avaliados os efeitos da ausência de copépodos, da administração de somente copépodos e da administração de copépodos enriquecidos com S. platensis. Durante toda a pesquisa os animais receberam ração com o hormônio masculinizante 17-α-metil-testosterona. Foram avaliados o crescimento em peso e comprimento, a taxa de sobrevivência e o índice de reversão sexual da tilápia (média ± DP). No primeiro, os peixes que receberam a S. platensis e os que receberam microalgas de água doce apresentaram como resultado: 0,21 ± 0,042 g; 2,50 ± 0,091 cm; 97,5 ± 1,00% e 0,11 ± 0,022 g; 1,91 ± 0,419 cm; 98,33 ± 0,70%, respectivamente. No segundo experimento, quando os copépodos foram administrados com ou sem S. platensis, as pós-larvas apresentaram como resultado: 0,221 ± 0,008 g; 2,70 ± 0,070 cm; 86,67 ± 1,03% e 0,211 ± 0,014 g; 2,56 ± 0,121 cm; 77,50 ± 1,33%, respectivamente. Os animais que só receberam ração obtiveram como resultado: 0,190 ± 0,008 g e 2,22 ± 0,215 cm e 79,17 ± 0,21%, respectivamente. A utilização de S. platensis resultou em melhor crescimento, mas não afetou a sobrevivência e os índices de reversão sexual dos peixes expostos aos alimentos naturais.
Publicado
2010-08-01
Seção
Engenharia de Pesca