CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR COM DEFICIT HÍDRICO CONTROLADO NO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO

Palavras-chave: Saccharum officinarum L.. Manejo de irrigação. Qualidade tecnológica. Eficiência no uso da água.

Resumo

A cana-de-açúcar é uma das culturas que mais sofrem com a escassez hídrica e, para minimizar esse problema, uma das alternativas é o uso eficiente da água de irrigação. Objetivou-se com este trabalho avaliar os parâmetros biométricos, produtividade e qualidade tecnológica da cana-de-açúcar submetida a diferentes regimes de deficit hídrico controlado, na região do Submédio do Vale do São Francisco. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com 10 tratamentos e três repetições, sendo três deficits hídricos controlados (15; 30; e 45% da evapotranspiração da cultura - ETc), aplicados nas três fases  de desenvolvimento da planta (Fase I - brotação e perfilhamento, Fase II - desenvolvimento e Fase III -  maturação) e tratamento controle com 100% da ETc, realizados em dois ciclos de cultivo. A qualidade tecnológica da cana-de-açúcar não foi alterada em função do deficit hídrico controlado nas diferentes fases de desenvolvimento. A produtividade da cana-de-açúcar foi maior utilizando-se deficit hídrico controlado de 30% da ETc na fase de brotação e perfilhamento de desenvolvimento da cultura da cana-de-açúcar. A fim de se garantir maior eficiência do uso da água pelo sistema produtivo, recomenda-se a aplicação de uma lâmina com deficit hídrico de 15% da ETc, nas fases de maior desenvolvimento ou maturação do ciclo da cultura.

Referências

ALLEN, R. G. et al. Crop evapotranspiration: guidelines for computing crop water requirements. Rome: FAO, 1998. 300 p.

AZEVEDO, R. A. et al. Sugarcane under pressure: an overview of biochemical and physiological studies of abiotic stress. Tropical Plant Biology, New York, v. 4, n. 1, p. 42–51, 2011.

CARVALHO, C. M. et al. Resposta dos parâmetros tecnológicos da terceira folha de cana-de-açúcar submetida a diferentes níveis de irrigação. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 3, n. 4, p. 337-342, 2008.

CASTRO, P. R. C.; KLUGE, R. A. Ecofisiologia de culturas extrativas: cana-de-açúcar, seringueira, coqueiro, dendezeiro e oliveira. Cosmópolis, SP: Stoller do Brasil, 2001. 138 p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Centro de Pesquisa Agropecuária do Tropico Semiárido. Médias anuais da estação agrometeorológica de Mandacaru. Juazeiro-BA, 2014. Disponível em: <http://www.cpatsa.embrapa.br:8080/servicos/dadosmet/cem-anual.html>. Acesso em: 23 abr. 2018.

FARIAS, C. H. A. et al. Qualidade industrial de cana-de-açúcar sob irrigação e adubação com zinco, em Tabuleiro Costeiro paraibano. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, n. 4, p. 419-428, 2009.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 38, n. 2, p. 109-112, 2014.

FREIRE, A. L. O.; LEÃO, D. A. S.; MIRANDA, J. R. P. Acúmulo de massa seca e de nutrientes em gliricídia em resposta ao estresse hídrico e a doses de fósforo. Semina. Ciências Agrárias, Londrina, v. 33, n. 1, p. 19-26, 2012.

HANAUER, J. G. et al. Desenvolvimento e crescimento foliar e produtividade de cana-de-açúcar em cultivo de cana-planta e de cana-soca. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 30, n. 4, p. 1077-1086, 2014.

INMAN-BAMBER, N. G.; SMITH, D. M. Water relations in sugarcane and response to water deficits. Field Crops Research, Amsterdam, v. 92, n. 2/3, p. 185-202, 2005.

JACOMINE, P. K. T. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa, 2013. 353 p.

LEVIDOW, L. et al. Improving water-efficiency irrigation: prospects and difficulties of innovative practices. Agricultural Water Management, Amsterdam, v. 146, n. 16, p. 84-94, 2014.

LOPES, M. S. et al. Enhancing drought tolerance in C4 crops. Journal of Experimental Botany, Oxford, v. 62, n. 9, p. 3135-3153, 2011.

MACHADO, R. S. et al. Respostas biométricas e fisiológicas ao déficit hídrico em cana-de-açúcar em diferentes fases fenológicas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 44, n. 12, p. 1575-1582, 2009.

MARAFON, A. C. Análise quantitativa de crescimento em cana-de-açúcar: uma introdução ao procedimento prático. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2012. 29 p. (Documentos, 168).

MATSUOKA, S. et al. Bioenergia da cana. In: SANTOS, F.; BORÉM, A.; CALDAS, C. (Eds.). Cana-de-açúcar: bioenergia, açúcar e álcool. 2. ed. Viçosa: UFV, 2012. v. 1, cap. 20, p. 487-517.

MAURI, R. Relações hídricas na fase inicial de desenvolvimento da cana-de-açúcar submetida a deficit hídrico variável. 2012. 103 f. Dissertação (Mestrado em Ciências: Área de Concentração em Irrigação e Drenagem) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2012.

OLIVEIRA, A. R.; BRAGA, M. B. Florescimento e acamamento de cultivares de cana-de-açúcar submetidas a diferentes lâminas de irrigação. Petrolina: Embrapa Semiárido, 2011. 23 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 87).

OLIVEIRA, A. R. et al. Análise biométrica de cultivares de cana-de-açúcar cultivadas sob estresse hídrico no Vale do Submédio São Francisco. Revista Energia na Agricultura, Botucatu, v. 31, n. 1, p. 48-58, 2016a.

OLIVEIRA, A. R. et al. Influência de lâminas de irrigação nas características tecnológicas de cana-de-açúcar. Petrolina: Embrapa Semiárido, 2016b. 22 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 127).

PEDROZO, C. A. et al. Differential morphological, physiological, and molecular responses to water deficit stress in sugarcane. Journal of Plant Breeding and Crop Science, Amsterdam, v. 7, n. 7, p. 226-232, 2015.

RIPOLI, T. C. C.; RIPOLI, M. L. C. Biomassa de cana-de-açúcar: colheita, energia e ambiente. 2. ed. Piracicaba, SP: Barros & Marques Ed. Eletrônica, 2004. 302 p.

RODOLFO JÚNIOR, F. et al. Produtividade e qualidade de variedades de cana-de-açúcar de terceira soca sob regime hídrico variável. Nativa, Sinop, v. 4, n. 1, p. 36-43, 2016.

SILVA, M. A. et al. Potencial produtivo da cana-de-açúcar sob irrigação por gotejamento em função de variedades e ciclos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 3, p. 241–249, 2014b.

SILVA, T. G. F. et al. Demanda hídrica e eficiência do uso de água da cana-de-açúcar irrigada no semiárido brasileiro. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 15, n .12, p. 1257–1265, 2011.

SILVA, T. G. F. et al. Biometria da parte aérea da cana soca irrigada no Submédio do Vale do São Francisco. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 43, n. 3, p. 500-509, 2012.

SILVA, T. G. F. et al. Biomassa seca acumulada, partições e rendimento industrial da cana-de-açúcar irrigada no Semiárido brasileiro. Revista Ceres, Viçosa, v. 61, n. 5, p. 686-696, 2014a.

SIMÕES, W. L. et al. Respostas de variáveis fisiológicas e tecnológicas da cana-de-açúcar a diferentes sistemas de irrigação. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 46, n. 1, p. 11-20, 2015.

SOUZA, J. K. C. et al. Importância da irrigação para a produção de cana-de-açúcar no Nordeste do Brasil. Revista Educação Agrícola Superior, Brasília, v. 27, n. 2, p. 133-140, 2012.

VASCONCELOS, A. C. M. Dinâmica do desenvolvimento radicular da cana-de-açúcar. In: VASCONCELOS, A. C. M.; DINARDO-MIRANDA, L. (Eds.). Dinâmica do desenvolvimento radicular da cana-de-açúcar e implicações no controle de nematóides. 2. ed. Americana: Adônis, 2011. cap. 1, p. 11-44 p.

WILLADINO, L. G.; CAMARA, T. R. Tolerância das plantas à salinidade: aspectos fisiológicos e bioquímicos. Enciclopédia Biosfera: Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 6, n. 11, p. 1-23, 2010.

Publicado
17-10-2018
Seção
Engenharia Agrícola