AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE CARNAÚBA NA FASE JUVENIL E ESTIMATIVAS DE PARÂMETROS GENÉTICOS

Palavras-chave: Silvicultura. Conservação genética. Melhoramento genético.

Resumo

A carnaubeira (Copernicia prunifera) é uma espécie florestal que apresenta múltiplos usos e de grande importância econômica e social para várias famílias extrativistas no Nordeste brasileiro. Entretanto, são escassos os estudos a respeito da variabilidade genética da espécie. Assim, este trabalho buscou gerar informações em relação à caracterização genética de sementes e mudas de Copernicia prunifera, avaliando procedências e progênies. Instalou-se um teste de progênies, em viveiro, a partir de sementes de 36 matrizes amostradas nos Municípios de Mossoró e Apodi, no Estado do Rio Grande do Norte; e em Russas e Icapuí, no Estado do Ceará. A partir da distância espacial entre as matrizes coletadas foram formados três grupos. Foram realizadas análises biométricas das sementes, adotando o delineamento experimental inteiramente casualizado, com quatro repetições de 25 sementes para cada análise. O delineamento em blocos casualizados com cinco repetições e cinco plantas por parcela foi empregado na fase de produção de mudas. Os dados avaliados incluíram: índice de velocidade de emergência, porcentagem de emergência, tamanho da folha, diâmetro da base da folha e sobrevivência (aos 30, 60 e 90 dias após a semeadura). A metodologia de máxima verossimilhança restrita foi utilizada para a análise estatística, com o auxílio do software SELEGEN. Verificou-se que os caracteres juvenis apresentam controle genético médio, podendo ser utilizados para avaliação da variabilidade genética de amostras de populações da espécie. Os três grupos de matrizes delimitados espacialmente não apresentam diferenças genéticas significativas. Essas informações podem auxiliar no desenvolvimento da silvicultura da espécie.

Referências

ALVES, M. O.; COELHO, J. D. Tecnologia e relações de produção no extrativismo da carnaúba no nordeste brasileiro. In: XLIV CONGRESSO DA SOBER, 44., 2006, Fortaleza. Anais... Fortaleza: SOBER, 2006. p. 1-20.

ARRUDA, G. M. T.; CALBO, M. E. R. Efeitos da inundação no crescimento, trocas gasosas e porosidade radicular de carnaúba (Copernicia prunifera (Mill.) H. E. Moore). Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 219-224, 2004.

ATROCH, A. L. et al. Avaliação e seleção de progênies de meios-irmãos de guaranazeiro. Revista de Ciências Agrárias, Belém, v. 53, n. 2, p. 123-130, 2010.

BASKIN, C. C.; BASKIN, J. M. Seeds: ecology, biogeography and evolution of dormancy and germination. Academic Press, San Diego, 1998. 200 p.

BIERNASKI, F. A.; HIGA, A. R.; SILVA, L. D. Variabilidade genética para caracteres juvenis de progênies de Cedrela fissilis VELL.: subsídio para definição de zonas de coleta e uso de sementes. Revista Árvore, Viçosa, v. 36, n. 1, p. 49-58, 2012.

CARDERALLI, A. et al. Seleção precoce em progênies de meios irmãos de Myracrodruon urundeuva Fr. All. via metodologia reml/blup. Ambiência, Guarapuava, v. 9, n. 3, p. 605–617, 2013.

CARVALHO, E. X. et al. Variabilidade e comportamento de cultivares de coqueiro anão nos tabuleiros costeiros do norte de Sergipe. Bragantia, Campinas, v. 67, n. 1, p. 91-100, 2008.

CARVALHO, M. F. et al. Estudo de caso de três espécies de plantas bioindicadoras de solos salinos. Revista Verde, Pombal, v. 10, n. 3, p. 1-8, 2015.

CORLEY, R. H. V.; HARDON, J. J.; OOI, S. C. Some evidence for genetically controlled variation in photosynthetic rate of oil palm seedlings. Euphytica, Wageningen, v. 22, n. 1, p. 48-55, 1973.

CRUZ, C. D.; FERREIRA, F. M.; PESSONI, L. A. Biometria aplicada ao estudo da diversidade genética. 1. ed. Visconde do Rio Branco, MG: Suprema, 2011. 620 p.

CRUZ, E. D.; MARTINS, F. O.; CARVALHO, J. E. U. Biometria de frutos e sementes e germinação de jatobácuruba (Hymenaea intermedia Ducke, Leguminosae –Caesalpinioideae). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 161-165, 2001.

DOMICIANO, G. P. et al. Parâmetros genéticos e diversidade em progênies de Macaúba com base em características morfológicas e fisiológicas. Ciência Rural, Santa Maria, v. 45, n. 9, p. 1599-1605, 2015.

ETTORI, L. C. et al. Variabilidade genética em populações de ipê-roxo – Tabebuia heptaphylla (Vell.) Tol. – para conservação ex situ. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 61-70, 1996.

FALCONER, D. D. Introdução a genética quantitativa. 1. ed. Viçosa, MG: UFV, 1981. 279 p.

FARIAS NETO, J. T. et al. Avaliação genética de progênies de polinização aberta de açaí (Euterpe oleracea) e estimativas de parâmetros genéticos. Cerne, Lavras, v. 13, n. 4, p. 376-383, 2007.

FARIAS NETO, J. T. et al. Seleção genética em progênies híbridas de coqueiro. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 31, n. 1, p. 190-196, 2009.

FARIAS NETO, J. T.; RESENDE, M. D. V.; OLIVEIRA, M. S. P. de Seleção simultânea em progênies de açaizeiro irrigado para produção e peso do fruto. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 33, n. 2, p. 532-539, 2011.

FENNER, M. Seed Ecology. Chapman & Hall, London, 1993. 340 p.

GIORDANI, S. C. O. et al. Parâmetros genéticos para caracteres de crescimento em pequizeiro em estádio precoce. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 43, n. 1, p. 146-153, 2012.

HOLANDA, S. J. R. et al. Impacto da salinidade no desenvolvimento e crescimento de mudas de carnaúba (Copernicia prunifera (Miller) H. E. Moore). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola Ambiental, Campina Grande, v. 15, n. 1, p. 47–52, 2011.

KAGEYAMA, P. Y. et al. Diversidade genética em espécies arbóreas tropicais de diferentes estágios sucessionais por marcadores genéticos. Scientia Florestalis, Piracicaba, v. 1, n. 64, p. 93-107, 2003.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 2, p. 176-77, 1962.

MANFIO, C. E. et al. Avaliação de progênies de macaúba na fase juvenil e estimativas de parâmetros genéticos e diversidade genética. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 32, n. 69, p. 63-68, 2012.

MORAES, M. A. et al. Variação genética em progênies de Jacaranda cuspidifolia Mart., utilizando o delineamento sistemático tipo “leque”. Scientia Florestalis, Piracicaba, v. 41, n. 98, p. 175-183, 2013.

MORENO, M. A. et al. Estrutura genética espacial em populações de Hymenaea stigonacarpa Mart. ex Hayne mediante a utilização de marcadores microssatélites. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 37, n. 84, p. 513-523, 2009.

MOURA, R. C. et al. Biometria de frutos e sementes de Butia capitata (Mart.) Beccari (Arecaceae), em vegetação natural no Norte de Minas Gerais, Brasil. Biota Neotropica, Campinas, v. 10, n. 2, p. 415-419, 2010.

OLIVEIRA, A. B.; BOSCO, M. R. O. Biometria, determinação da curva de absorção de água em sementes e emergência inicial de plântulas de Copernicia hospita Martius. Revista Brasileira de Agroecologia, Pelotas, v. 8, n. 1, p. 66-74, 2013.

PAIVA, J. R. et al. Seleção de clones de cajueiro comum pelo método em tandem e índice de classificação. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 31, n. 3, p. 765-772, 2007.

REIS, R. G. E. et al. Biometria e efeito da temperatura e tamanho das sementes na protrusão do pecíolo cotiledonar de carnaúba. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 41, n. 1, p. 81-86, 2010.

REIS, R. G. E. et al. Emergência e qualidade de mudas de Copernicia prunifera em função da embebição das sementes e sombreamento. Revista Caatinga, Mossoró, v. 24, n. 4, p. 43-49, 2011.

RESENDE, M. D. V. Genética biométrica e estatística no melhoramento de plantas perenes. 1. ed. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2002. 975 p.

RESENDE, M. D. V. O Software Selegen- Reml/Blup. 1. ed. Brasília, DF: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2006. 67 p.

SANTOS, L. S.; CABRAL, G. P.; COSTA, R. R. G. F. Variabilidade genética entre e dentro de progênies de ipê rosa (Handroanthus avellanedae (Lorentz ex Griseb.) Mattos (Bignoniaceae). Global Science Technology, Rio Verde, v. 7, n. 2, p. 98–105, 2014.

SEBBENN, A. M. Sistemas de reprodução em espécies tropicais e suas implicações para a seleção de árvores matrizes para reflorestamentos ambientais. In: HIGA, A. R.; SILVA, L. D. (Eds.). Pomar de sementes de espécies florestais nativas. Curitiba: FUPEF do Paraná, 2006. v. 1, cap. 5, p. 93-138.

SILVA, S. S. et al. Estimativas de parâmetros genéticos e predição de valores genotípicos no melhoramento do cajueiro anão precoce pelo procedimento de REML/BLUP. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 8, n. 15, p. 867-881, 2012.

SOH, A. C. et al. Oil palm genetic improvement. Plant Breeding Reviews, West Lafayette, v. 22, n. 1, p. 165-219, 2003.

VASCONCELOS, E. S. et al. Estratégias de amostragem e estabelecimento de coleções nucleares. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 42, n. 4, p. 507-514, 2007.

VENCOVSKY, R.; BARRIGA, P. Genética biométrica no fitomelhoramento. Ribeirão Preto, SP: Sociedade Brasileira de Genética, 1992. 496 p.

VIEIRA, R. I.; OLIVEIRA, J. S.; LOIOLA, M. I. B. Efeitos do extrativismo de fibras de carnaúba, Piauí, Brasil. REDE, Fortaleza, v. 10, n. 1, p. 96-109, 2016.

YOKOMIZO, G. K.; MELÉM JÚNIOR, N. J.; FARIAS NETO, J. T. Desempenho de progênies de coqueiros no Amapá com base em caracteres vegetativos. Revista Ciências Agrárias, Belém, v. 58, n. 4, p. 335-341, 2015.

Publicado
17-10-2018
Seção
Ciências Florestais