ESTABILIDADE TEMPORAL DO CARBONO ORGÂNICO TOTAL DO SOLO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE MANEJO DA CAATINGA

Palavras-chave: Matéria orgânica do solo. Semiárido. Manejo do solo. Aporte de biomassa.

Resumo

Objetivou-se com o presente trabalho avaliar a estabilidade temporal do Carbono Orgânico Total do Solo (COT) sob diferentes condições de manejo da Caatinga. O experimento foi realizado na Micro Bacia Experimental do Vale do Curu, localizada no município de Pentecoste-CE. As amostragens foram realizadas em duas parcelas de Caatinga sendo a primeira um estrato em preservação há 35 anos (CP35), e a segunda em uma área de raleio há 30 anos (CR30), os pontos amostrais foram distribuídos em uma malha uniforme de 30x30 m. Foram realizadas coletas entre fevereiro de 2016 a abril de 2017 na profundidade de 0-0,2 m. O solo foi acondicionado e posteriormente analisado para a determinação do COT, em seguida aplicaram-se os testes não paramétricos de Spearman, Diferença Relativa Média (DRM) e o Índice de Estabilidade Temporal (IET) para a avaliação da estabilidade do COT. Observou-se uma maior correlação entre datas de coletas para a parcela CR30 em comparação com a CP35 por meio do teste de Spearman. A DRM da CP35 apresentou mais pontos com diferença relativa que se aproximam de zero, enquanto CR30 apresentou mais pontos com menor desvio padrão. Quando se aplicou o IET à CR30 apresentou um maior número de pontos indicados para serem utilizados por possuírem melhor estabilidade temporal. Portanto, pode-se concluir que a Caatinga raleada dispõe de maior estabilidade temporal que a Caatinga em preservação com valores do Índices de Estabilidade Temporal cerca de 1,5 vezes maior. O raleamento da vegetação promove homogeneização do Carbono Orgânico Total no Solo (COT), enquanto o pousio, característico manejo de preservação, maior heterogeneidade.

Referências

ALMEIDA, A. M. M. et al. Avaliação de carbono orgânico total em reservatório no semiárido – caso Pereira de Miranda. Revista Geonorte, v. 7, n. 26, p. 35-47, 2016.

ALVES, A. R. et al. Aporte e decomposição de serrapilheira em área de Caatinga, na Paraíba. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 6, n. 2, p. 194-203, 2006.

AMORIM, I. L. et al. Flora e estrutura da vegetação arbustivoarbórea de uma área de caatinga do Seridó, RN, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v. 19, n. 4, p. 615-623, 2005.

AQUINO, D. D. N. et al. Nutrient cycling and CO2 emissions in areas of preserved and thinned caatinga. Revista Árvore, v. 41, n. 3, p. e410308, 2018.

ÁVILA, L. F.; MELLO, C. R.; SILVA, A. M. da. Estabilidade temporal do conteúdo de água em três condições de uso do solo, em uma bacia hidrográfica da região da Serra da Mantiqueira, MG. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 34, n. 6, p. 2001-2009, 2010.

BARRETO, H. F. M. et al. Impactos ambientais do manejo agroecológico da caatinga no Rio Grande do Norte. Pesquisa agropecuária brasileira, v. 45, n. 10, p. 1073-1081, 2010.

BROCCA, L. et al. Soil moisture temporal stability over experimental areas in Central Italy. Geoderma, v. 148, n. 3-4, p. 364-374, 2009.

COPPOLA, A. et al. Average moisture saturation effects on temporal stability of soil water spatial distribution at field scale. Soil Tillage Rescearch, v. 114, n. 2, p. 155-164, 2011.

COSTA, C. A. G. et al. Spatial behaviour of soil moisture in the root zone of the Caatinga biome. Revista Ciência Agronômica, v. 44, n. 4, p. 685-694, 2013.

FIORIO, P. R. et al. Diferenciação espectral de solos utilizando dados obtidos em laboratório e por sensor orbital. Bragantia, v. 69, n. 2, p. 454-466, 2010.

FREITAS, C. A. S. de. et al. Produção de matéria seca e trocas gasosas em cultivares de mamoneira sob niveis de irrigação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 15, n. 11, p. 1168-1174, 2011.

GAO, L.; SHAO, M. Temporal stability of soil water storage in diverse soil layers. Catena, v. 95, n. 1, p. 24-32, 2012.

GENÚ, A. M.; DEMATTÊ, J. A. M. Espectorradiometria de solos e comparação com sensores orbitais. Bragantia, v. 71, n. 1, p. 82-89, 2012.

HOFFMANN, U. et al. Soil organic carbon in the rocky desert of northern Negev (Israel). Journal of Soils and Sediments. v. 12, n. 6, p. 811–825, 2012.

IBRAHIM, H. M.; HUGGINS, D. R. Spatio-temporal patterns of soil water storage under dryland agriculture at the watershed scale. Journal of Hydrology, v. 404, n. 3, p. 186-197, 2011.

LI, P. H. et al. Soil organic carbon stock is closely related to aboveground vegetation properties in cold-temperate mountainous forests. Geoderma, v. 154, n. 3, p. 407–415, 2010.

LOPES, J. F. B. et al. Deposição e decomposição de serapilheira em área da Caatinga. Revista Agro@mbiente On-line, v. 3, n. 2, p.72-79, 2009.

MARTIN, M. P. et al. Spatial distribution of soil organic carbon stocks in France. Biogeosciences, v. 8, n. 5, p. 1053–1065, 2011.

MU, L. et al. Using the DNDC model to compare soil organic carbon dynamics under different crop rotation and fertilizer strategies. Spanish Journal Of Agricultural Research, v. 12, n. 1, p. 265-277, 2014.

NASCIMENTO, A. F. J. et al. Quantificação de serapilheira em diferentes áreas sob fragmentos do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe. Ciências Agrárias, v. 34, n. 6, sup., p. 3271-3284, 2013.

OU, Y. et al. Spatio-temporal patterns of soil organic carbon and pH in relation to environmental factors-A case study of the Black Soil Region of Northeastern China. Agriculture, Ecosystems & Environment, v. 245, n. 1, p. 22–31, 2017.

PENNA, D. et al. Soil moisture temporal stability at different depths on two alpine hillslopes during wet and dry periods. Journal of Hydrology, v. 477, n. 1, p. 55-71, 2013.

PEREIRA, R. M. A. et al. Estudos fenológicos de algumas espécies lenhosas e herbáceas da caatinga. Revista Ciência Agronômica, v. 20, n. 2, p. 11-20, 1989.

PIOTROWSKA-DŁUGOSZ, A. et al. Spatio-temporal variability of soil sulfur content and arylsulfatase activity at a conventionally managed arable field. Geoderma, v. 295, n. 1, p. 107–118, 2017.

SANTOS, H. G. dos et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 590 p.

SAMPAIO, E. V. S. B. Overview of the Brazilian Caatinga. In: BULLOCK, H. A; MEDINA, E. (Eds.) Seasonally dry tropical forest. Cambridge: Cambridge University press, 1995. v. 1, cap. 3, p. 35-63.

SAMPAIO, E. V. S. B. et al. Impactos ambientais da agricultura no processo de desertificação no Nordeste do Brasil. Revista de Geografia, v. 22, n. 1, p. 90-112, 2005.

SUNDARAPADIAN, S. M.; SWAMY, P. S. Litter production and leaf-litter decomposition of selected tree species intropical forests at Kodayar in the Western Ghats, India. Forest Ecology and Management, v. 123, n. 2-3, p. 231-244, 1999.

VACHAUD, G. et al. Temporal stability of spatially measured soil water probability density function. Soil Science Society American Journal, v. 49, n. 4, p. 822-827, 1985.

VAN WESENBEECK, I. J.; KACHANOSKI, R. G. Spatial and temporal distribution of soil water in the tiled layer under a corn crop. Soil Science Society American Journal, v. 52, n. 2, p. 363-368, 1988.

VENTERIS, E. et al. Influence of management history and landscape variables on soil organic carbon and soil redistribution. Soil Science, v. 169, n. 11, p. 787–795, 2004.

WANG, S. F.; WANG, X. K.; OUYANG, Z. Y .Effects of land use, climate, topography and soil properties on regional soil organic carbon and total nitrogen in the Upstream Watershed of Miyun Reservoir, North China. Jornal of Environ Science, v. 24, n. 3, p. 387–395, 2012.

WIESMEIER, M. et al. Estimation of total organic carbon storage and its driving factors in soils of Bavaria (southeast Germany). Geoderma Regional, v. 1, n. 1, p. 67-78, 2014.

YEOMANS, J.C.; BREMNER, J.M. A rapid and precise method for routine determination of organic carbon in soil. Communications in Soil Science and Plant Analysis, v. 19, n. 13, p. 1467 -1476, 1988.

ZHAO, Y. et al. Controls of surface soil moisture spatial patterns and their temporal stability in a semi-arid steppe. Hydrological Processes, v. 24, n. 18, p. 2507-2519, 2010.

Publicado
2019-08-27
Seção
Engenharia Agrícola