FENOLOGIA DE ACESSOS DE Calotropis procera (Ait.) W.T. Aiton COM BASE EM CARACTERÍSTICAS MORFOFISIOLÓGICAS

Palavras-chave: Flor-de-seda. Sistema reprodutivo. Crescimento vegetativo.

Resumo

Objetivou-se com esta pesquisa avaliar a fenologia de acessos de C. procera com base em características morfofisiológicas. Foram coletadas sementes de 70 acessos de C. procera entre outubro de 2015 e janeiro de 2016, em áreas de ocorrência natural da espécie, na região Nordeste do Brasil. Atualmente esses acessos compõem a coleção de germoplasma do Instituto Nacional do Semiárido (INSA). O experimento foi conduzido em casa de vegetação no INSA, em Campina Grande – PB, entre janeiro e setembro de 2016.

As plantas foram cultivadas em vasos plásticos preenchidos com solo, onde foi feita a adubação conforme recomendação de análise do solo e foram irrigadas em intervalos de 3 dias. Realizaram-se leituras de características morfofisiológicas, inicialmente aos 30 dias após a semeadura (DAS) com avaliações intercaladas em 30 dias até os 240 DAS. Além disso, estimaram-se os índices fisiológicos até os 120 DAS e avaliaram-se a queda de folhas, a floração e a frutificação. Obteve-se a média de cada característica com o ajuste e seleção dos modelos de regressão para explicar o crescimento de C. procera, com base no coeficiente de determinação. O estádio vegetativo de C. procera ocorre durante os 240 DAS, com queda e produção de folhas continuamente, enquanto que o estádio reprodutivo se inicia aos 153 DAS, prosseguindo até os 222 DAS, dependendo do acesso, tornando-se constante a emissão de inflorescência nas plantas após o início da floração. Os índices fisiológicos são eficientes para estimar o crescimento de acessos de C. procera.

Referências

ALMEIDA, I. V. B. et al. Characterization and early selection of silk blossom (Calotropis procera) genotypes with forage potential. Revista Caatinga, v. 30, n. 3, p. 794-801, 2017a.

ALMEIDA, I. V. B. et al. Genetic diversity among Calotropis procera (Aiton) WT Aiton genotypes according to seed physiological quality. Revista Caatinga, v. 30, n. 4, p. 912-919, 2017b.

ALMEIDA, I. V. B. et al. Genetic variability among accessions of Calotropis procera based on agronomic characters. Journal of Experimental Agriculture International, v. 25, n. 6, p. 1-12, 2018.

ANDRADE, M. V. M. et al. Fenologia da Calotropis procera Ait. R. Br., em função do sistema e da densidade de plantio. Archivos de Zootecnia, v. 54, n. 208, p. 631-634, 2005.

BARBERO, L. M. et al. Análise de crescimento em plantas forrageiras aplicada ao manejo de pastagens. Veterinária Notícias, v. 19, n. 2, p. 71-85, 2013.

BENINCASA, M. M. P. Análise de crescimento de plantas: noções básicas. Jaboticabal, SP: FUNEP, 2004. 42 p.

COSTA, R. G. et al. Perspectivas de utilização da flor-de-seda (Calotropis procera) na produção animal. Revista Caatinga, v. 22, n. 1, p. 1-9, 2009.

FARAHAT, E. A. et al. Phenology, biomass and reproductive characteristics of Calotropis procera (Aiton) WT Aiton in South Cairo, Egypt. Rendiconti Lincei, v. 27, n. 2, p. 197-204, 2015.

FRANCIS, J. K. Wildland Shrubs of the United States and its Territories: Thamnic Descriptions: volume 1. Gen. Tech. Rep. IITF-GTR-26. San Juan, PR: U.S. Department of Agriculture, Forest Service, International Institute of Tropical Forestry, and Fort Collins, CO: U.S., 2004. Department of Agriculture, Forest Service, Rocky Mountain Research Station. 830 p.

FROSI, G. et al. Ecophysiological performance of Calotropis procera: an exotic and evergreen species in Caatinga, Brazilian semi-arid. Acta Physiologiae Plantarum, v. 35, n. 2, p. 335-344, 2013.

HASSAN, L. M. et al. The biology of Calotropis procera (Aiton) WT. Trees, v. 29, n. 2, p. 311-320, 2015.

HUNT, R. Plant Growth Curves. The Functional Approach to Plant Growth Analysis. Edward Arnold, London, 1982.

ISMAIL, A. M. A. Physiological growth analysis of the life-history of Calotropis procera (AIT.) AIT. F. Qatar University Science Journal, v. 12, s/n., p. 94-100, 1992.

KISSMANN, K. G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas. São Paulo, SP: BASF Brasileira S. A., 1992. 798 p.

LIMA, J. F. et al. Índices fisiológicos e crescimento inicial de mamoeiro (Carica papaya L.) em casa de vegetação. Ciência Agrotecnologia, v. 31, n. 5, p. 1358-1363, 2007.

LOTTERMOSER, B. G. Colonisation of the rehabilitated Mary Kathleen uranium mine site (Australia) by Calotropis procera: toxicity risk to grazing animals. Journal of Geochemical Exploration, v. 111, n. 1, p. 39-46, 2011.

MOREIRA FILHO, E. C. et al. Estimação da área foliar da flor de seda (Calotropis procera). Archivos de Zootecnia, v. 56, n. 214, p. 245-248, 2007.

OLIVEIRA-BENTO, S. R. S. et al. Armazenamento de sementes de flor-de-seda [Calotropis procera (AITON) W.T. AITON]. Revista Caatinga, v. 28, n. 1, p. 39-47, 2015.

OLIVEIRA-BENTO, S. R. S. et al. Biometria de frutos e sementes e germinação de Calotropis procera AITON (Apocynaceae). Bioscience Journal, v. 29, n. 5, p. 1194-1205, 2013.

OLIVEIRA, S. H. et al. Seedling growth of the invader Calotropis procera in ironstone rupestrian field and seasonally dry forest soils. Neotropical Biology and Conservation, v. 4, n. 2, p. 69-76, 2009.

PEIXOTO, C. P.; PEIXOTO, M. F. S. P. Dinâmica do crescimento vegetal: princípios básicos. In: CARVALHO, C. A. L. et al. (Eds.). Tópicos em Ciências Agrárias. Cruz das Almas, BA: Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, 2009, v. 1, cap. 4, p. 39-53.

RADFORD, P. J. Growth analysis formulae – their use and abuse. Crop Science, v. 7, n. 3, p. 171-175, 1967.

SOBRINHO, M. S. et al. Reproductive phenological pattern of Calotropis procera (Apocynaceae), an invasive species in Brazil: annual in native areas; continuous in invaded areas of caatinga. Acta Botanica Brasilica, v. 27, n. 2, p. 456-459, 2013.

SYSTAT SOFTWARE. Table Curve 2D, version 5.01. 2002.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e Desenvolvimento Vegetal. 5. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 819 p.

WYATT, R.; BROYLES, S. B. Reproductive Biology of Milkweeds (Asclepias): Recent Advances. In: KAWANO, S. (Ed.). Biological approaches and evolutionary trends in plants. London: Academic press, 2012, cap. 15, p. 255-272.

ZHANG, G. et al. Phenology of Ficus racemosa in Xishuangbanna, Southwest China. Biotropica, v. 38, n. 3, p. 334-341, 2006.

Publicado
2019-05-22
Seção
Nota Técnica