APLICAÇÃO ISOLADA DE OXICLORETO DE COBRE NO CONTROLE DA MANCHA PRETA DOS CITROS

Palavras-chave: Citrus sinensis. Controle químico. Oxicloreto de cobre. Phyllosticta citricarpa.

Resumo

A Mancha Preta dos Citros causada pelo fungo Phyllosticta citricarpa é uma doença que causa lesões em frutos e queda prematura em estágios mais severos. O uso de fungicidas sistêmicos é a principal medida de controle, porém a busca por um controle alternativo pode envolver a aplicação de fungicidas cúpricos isoladamente, em intervalos reduzidos. Sendo assim, o trabalho teve como objetivo verificar o controle de MPC mediante a aplicação de oxicloreto de cobre em diferentes concentrações. O experimento foi instalado no município de Bebedouro/SP durante a safra 2014/15, variedade ‘Valência’, em delineamento em blocos casualizados. Os tratamentos foram constituídos pelas concentrações: zero (testemunha), 31; 24,5; 18,5; 12,2 e 9,1 mg de cobre metálico/m3, tendo como referência o fungicida oxicloreto de cobre (588 g L-1 de oxicloreto de cobre ou 350 g de cobre metálico; formulação SC) e, um tratamento adicional, constituído pela aplicação do fungicida cúprico óxido cuproso e fungicida do grupo da estrobilurina. As aplicações foram realizadas em intervalos de catorze dias, iniciando em 2/3 pétalas caídas, perfazendo um total de 14 aplicações. Foram realizadas cinco avaliações de incidência e severidade em intervalos de 30 dias, estendendo-se até meados de novembro, quando foi realizada a colheita dos frutos. A partir desses dados foi calculada a área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD). Concluiu-se que aplicações em intervalos de catorze dias de oxicloreto de cobre SC a 31 e 24,5 mg/m3 copa, foram eficientes no controle de MPC, cuja eficiência foi comparável ao tratamento padrão.

Referências

ABBOTT, W. S. A. Method of computing the effectiveness of an insecticide. Journal of Economic Entomology, v. 18, n. 2, p. 265-266, 1925.

AGUIAR, R. L. Produção de anticorpo policional para caracterização de Phyllosticta citricarpa em tecidos lenhosos de citros. 2010. 84 f. Tese (Doutorado em Agronomia: Área de Concentração em Produção Vegetal) – Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2010.

AGUIAR, R. L. et al. Período de incubação de Guignardia citricarpa em diferentes estádios fenológicos de frutos de laranjeira ‘Valência’. Tropical Plant Pathology, v. 37, n. 2, p. 155-158, 2012.

ALMEIDA, T. F. Mancha preta dos citros: Expressão dos sintomas em frutos pela inoculação com conídios e controle do agente causal (Guignardia citricarpa). 2009. 66 f. Tese (Doutorado em Agronomia: Área de Concentração em Produção Vegetal) – Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2009.

BARBOSA, J. C.; MALDONADO JR, W. Experimentação Agronômica e AgroEstat - Sistema para Análises Estatísticas de Ensaios Agronômicos. Jaboticabal: Gráfica Multipress Ltda, 2015. 396 p.

BEHLAU, F. et al. Effect of frequency of copper applications on control of citrus canker and the yield of young bearing sweet orange trees. Crop Protection, v. 29, n. 3, p. 300-305, 2010.

BELLOTTE, J. A. M. et al. Aceleration of the decomposition of Sicilian lemon leaves as an auxiliary measure in the control of citrus black spot. Fitopatologia Brasileira, v. 34, n. 2, p. 71-76, 2009.

BELLOTTE, J. A. M. et al. The effects of inter-crop cultivation Between rows of citrus crop on spreading of Guignardia citricarpa Ascospores and in the citrus black spot occurrence. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 35, n. 1, p. 102-111, 2013.

FAGAN, C.; GOES, A. Efeito da severidade da mancha preta dos frutos cítricos causada por Guignardia citricarpa na queda prematura de frutos de laranja ‘Natal’. Fitopatologia Brasileira, v. 24, n. 1, p. 282, 1999.

FEICHTENBERGER, E. Mancha Preta ou Pinta Preta dos Citros. Laranja & Cia, Matão, v. 43, n. 1, p. 10-11, 1996.

FONSECA, A. E. et al. Tenacity and persistence of copper fungicides in citros seedlings under simulated rainfall. Revista Caatinga, v. 29, n. 3, p. 677-684, 2016.

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA - FUNDECITRUS. RESULTADOS: Reestimativa da safra de laranja 2018-2019 do cinturão citrícola de São Paulo e triangulo/Sudoeste Mineiro – Cenário em fevereiro de 2019. Araraquara, 2019. 2 p.

KOTZÉ, J. M. Epidemiology and control of citrus black spot in South Africa. Plant Disease, v. 65, n. 12, p. 945-50, 1981.

KOTZÉ, J. M. History and epidemiology of citrus black spot in South Africa. Proceedings of the International Society Citriculture, p. 1296-1299, 1996.

KOTZÉ, J. M. Citrus black spot. In: Timmer, L. W., Garnsey, S. M., Graham, J.H. (Ed.). Compendium of Citrus Diseases. Saint Paul, Minnesota: APS Press, 2000. v. 2, cap. 13, p. 23-25.

McONIE, K. C. The latent occurrence in citrus and other hosts of a Guignardia easily confused with G. citricarpa, the citrus black spot pathogen. Phytopathology, v. 54, n. 1, p. 40-43, 1964.

MOTTA, R. R. Determinação do período residual de fungicidas protetores e sistêmicos parao controle de Guignardia citricarpa em frutos cítricos. 2009. 70 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia: Área de Concentração em Produção Vegetal) - Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2009.

NOZAKI, M. H. Produção de estruturas reprodutivas e efeito do ambiente nos tipos de sintomas produzidos por Guignardia citricarpa em Citrus spp. 2007. 68 p. Tese (Doutorado em Agronomia: Área de Concentração em Produção Vegetal) - Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2007.

SCALOPPI, E. M. T. et al. Efeito do manejo cultural e químico na incidência e severidade da mancha-preta dos citros. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 34, n. 1, p. 102-108, 2012.

SCHUTTLE, G. C.; KOTZÉ, J. M. Grass mulching as part in integrated control programme for the control of citrus black spot. Citrus journal, v. 7, n. 3, p. 18-20, 1997.

SILVA JUNIOR, G. et al. Pinta preta dos citros: a doença e o seu manejo. 1. ed. Araraquara, SP: FUNDECITRUS, 2016. 208 p.

SPÓSITO, M. B. et al. Elaboração e validação de escala diagramática para avaliação da severidade da mancha preta em frutos cítricos. Fitopatologia Brasileira, v. 29, n. 1, p. 81-85, 2004.

TIMMER, L. W.; BROWN, G. E. Biology and control of anthracnose diseases of citrus. In: PRUSKY, S.; FREEMAN, M.; DICKMAN, B. (Ed.). Colletotrichum Host Specificity. Saint Paul: Pathology, and Host-Pathogen Interaction, 2000. v. 1, cap. 17, p. 300–316.

Publicado
2019-08-22
Seção
Agronomia