INSUMOS QUÍMICO E BIOLÓGICO NO TRATAMENTO DE SEMENTES E SUA INTERFERÊNCIA NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE SOJA

Palavras-chave: Glycine max. Crescimento de plantas. Trichoderma spp.

Resumo

Na busca por estande de plantas homogêneo e resultados satisfatórios no desenvolvimento e produção de soja, pode ser realizado o tratamento de sementes combinando fungicidas químicos, bioestimuladores e outros produtos biológicos. Dessa forma, objetivou-se avaliar a interferência de insumos químico e biológico em tratamento de sementes no desenvolvimento e produção de soja. Para isso, foram conduzidos experimentos no ano agrícola 2010/2011 em três localidades do Rio Grande do Sul, utilizando-se os seguintes tratamentos de sementes: fungicida fludioxonil; Trichoderma spp.; fludioxonil + Trichoderma spp.; fludioxonil + Trichoderma spp. + Biozyme®; e testemunha (sem tratamento). Para o número total de vagens, o tratamento com Trichoderma spp. e os demais tratamentos conjugados apresentaram até 77% mais vagens do que a testemunha. Os tratamentos fungicida fludioxonil, fungicida fludioxonil + Trichoderma spp. e fungicida fludioxonil + Trichoderma spp. + Biozyme® apresentaram até 14% maior produtividade do que a testemunha. O fungicida fludioxonil foi indicado para tratamento de sementes de soja conjugado com o fungo Trichoderma spp. e o bioestimulador Biozyme®, por promoverem o desenvolvimento de plantas e o aumento da produtividade de soja.

Referências

AVELAR, S. A. G. et al. Armazenamento de sementes de soja tratadas com fungicida, inseticida e micronutriente e recobertas com polímeros líquido e em pó. Ciência Rural, v. 41, n. 10, p. 1719-1725, 2011.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento de safra brasileira: grãos. Safra 2018/19 Quarto levantamento, Brasília, 2019. 126 p. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos>. Acesso em: 30 jan. 2019.

CONCEIÇÃO, G. M. et al. Desempenho de plântulas e produtividade de soja submetida a diferentes tratamentos químicos nas sementes. Bioscience Journal, v. 30, n. 6, p. 1711-1720, 2014.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Rio de Janeiro, RJ: Embrapa Solos, 2013. 353 p.

ETHUR, L. Z. et al. Fungos antagonistas a Sclerotinia sclerotiorum em pepineiro cultivado em estufa. Fitopatologia Brasileira, v. 30, n. 2, p. 127-133, 2005.

ETHUR, L. Z. et al. Trichoderma asperellum na produção de mudas contra a fusariose do pepineiro. Scientia Agraria Paranaensis, v. 11, n. 4, p. 73-84, 2012.

GÖRGEN, C. A. et al. Controle do mofo-branco com palhada e Trichoderma harzianum 1306 em soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 44, n. 12, p. 1583-1590, 2009.

GOULART, A. C. P.; ROESE, A. D.; MELO, C. L. P. Integração do tratamento de sementes com pulverização de fungicidas para controle da ferrugem asiática da soja. Bioscience Journal, v. 31, n. 3, p. 737-747, 2015.

GUARESCHI, R. F. et al. Emprego de Trichoderma spp. no controle de Sclerotinia sclerotiorum e na promoção de crescimento vegetativo nas culturas de girassol e soja. Global Science and Technology, v. 5, n. 2, p. 1-8, 2012.

HARMAN, G. E. et al. Trichoderma species-opportunistic, a virulent plant symbionts. Nature Reviews Microbiology, v. 2, n. 1, p. 43-56, 2004.

HENNING, A. A. et al. Importância do tratamento de sementes de soja com fungicidas na safra 2010/2011, ano de “La Niña”. Londrina, PR: Embrapa Soja, 2010. 7 p. (Circular técnica, 82).

KASTER, M.; FARIAS, J. R. B. Regionalização dos testes de valor de cultivo e uso e da indicação de cultivares de soja - Terceira Aproximação. Londrina, PR: Embrapa Soja, 2011. 69 p. (Documentos, 230).

KRUTZMANN, A. et al. Palhadas de gramíneas tropicais e rendimento da soja no sistema de integração lavoura-pecuária. Bioscience Journal, v. 29, n. 4, p. 842-851, 2013.

MACHADO, D. F. M. et al. Trichoderma no Brasil: o fungo e o bioagente. Revista de Ciências Agrárias, v. 35, n. 1, p. 274-288, 2012.

MASTOURI, F.,; BJÖRKMAN, T.; HARMAN, G. E. Seed treatment with Trichoderma harzianum alleviates biotic, abiotic, and physiological stresses in germinating seeds and seedlings. Phytopathology, v. 100, n. 11, p. 1213-1221, 2010.

MERTZ, L. M.; HENNING, F. A.; ZIMMER, P. D. Bioprotetores e fungicidas químicos no tratamento de sementes de soja. Ciência Rural, v. 39, n. 1, p. 13-18, 2009.

NICCHIO, B. et al. Ácido húmico e bioativador no tratamento de sementes de milho. Journal of Agronomic Sciences, v. 2, n. 2, p. 61-73, 2013.

PANDOLFO, J. D. Associação de Trichoderma sp. e fungicidas no controle de Fusarium oxysporum f. sp. phaseoli. 2007. 67 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia: Área de Concentração em Fitossanidade) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

PAZINI, J. B. et al. Toxicidade de fungicidas ao Trichoderma spp. em sementes de soja. Revista Científica Rural, v. 15, n. 2, p. 95-102, 2013.

PESQUEIRA, A. S.; BACCHI, L. M. A.; GAVASSONI, W. L. Associação de fungicidas no controle da antracnose da soja no Mato Grosso do Sul. Revista Ciência Agronômica, v. 47, n. 1, p. 203-212, 2016.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R. A language and environment for statistical computing. rev. 3.2.0. Vienna: R Foundation for Statistical Computing. 2015. Disponível em: <http://r-project.org>. Acesso em: 10 ago. 2015.

Publicado
2019-05-22
Seção
Nota Técnica