PROTRUSÃO RADICULAR NA QUALIDADE DE SEMENTES DE CHIA

Palavras-chave: Salvia hispanica. Vigor. Raiz primária.

Resumo

O teste de protrusão radicular é um teste de vigor, baseando no princípio de que sementes com alto vigor emitem a raiz primária mais rápido em comparação com as menos vigorosas. A chia é uma planta propagada por sementes, sendo motivo de pesquisa pelos seus benefícios a saúde, mas com poucas informações técnicas sobre a cultura. O objetivo do trabalho foi adequar à metodologia do teste de protrusão radicular para determinação do vigor de lotes de sementes de chia. Utilizou-se cinco lotes de sementes de chia, submetidos à avaliação da qualidade inicial por meio dos testes de germinação e vigor (primeira contagem de germinação, emergência e índice de velocidade de emergência). O teste de protrusão radicular foi realizado nas temperaturas de 20, 25 e 30 ºC, e avaliado a cada duas horas até 42 horas, onde se obteve a estabilidade da protrusão, e sendo utilizado o critério de contagem de 2 mm de raiz primária. O teste de protrusão radicular na temperatura de 20 ºC não distinguiu os lotes semelhantes à emergência. A 25 °C, foi possível classificar os lotes de forma semelhante à emergência após 30 horas. A temperatura de 30 °C foi eficiente na aceleração da protrusão radicular e separação dos lotes de sementes. O teste de protrusão radicular é sensível para detectar diferenças de vigor entre os lotes de sementes de chia, devendo ser conduzido por 30 horas a 25 ºC.

Referências

ALBUQUERQUE, K. S. et al. Alterações fisiológicas e bioquímicas durante embebição de sementes de sucupira-preta (Bowdichia virgilioides Kunth.). Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 12-19, 2009.

AYERZA, R.; COATES, W. Protein content, oil content and fatty acid profiles as potential criteria to determine the origin of commercially grown chia (Salvia hispanica L.). Industrial Crops and Products, v. 34, n. 2, p. 1366-1371, 2011.

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Physiology and biochemistry of seed in relation to germination: viability, dormancy and environmental control. New York: Springer-Verlag, 1982. 375 p.

BEWLEY, J. D.; BLACK, J. M. Seeds: physiology of development and germination. 2. ed. New York: Plenum Press. 1994. 445 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal, SP: Funep, 2012. 590 p.

COIMBRA, R. A. et al. Teste de vigor utilizado na avaliação da qualidade fisiológica de lotes de sementes de milho-doce (sh2). Ciência Rural, v. 39, n. 9, p. 2402-2408, 2009.

CUSTÓDIO, C. C. Testes rápidos para avaliação do vigor de sementes: uma revisão. Colloquium Agrariae, v. 1, n. 1, p. 29-41, 2005.

HOFS, A. et al. Efeito da qualidade fisiológica das sementes e da densidade de semeadura sobre o rendimento de grãos e qualidade industrial em arroz. Revista Brasileira de Sementes, v. 26, n. 2, p. 54-62, 2004.

LEAL, C. C. P. et al. Validação de testes de vigor para sementes de rúcula (Eruca sativa L.). Revista Brasileira de Biociências, v. 10, n. 3, p. 421-424, 2012.

MACHADO, C. G. et al. Precocidade na emissão da raiz primária para avaliação do vigor de sementes de milheto. Semina: Ciências Agrárias, v. 33, n. 2, p. 499-506, 2012.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in relation evaluation for seedling emergence vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed. Londrina, PR: ABRATES, 2015. 659 p.

MARTINELLI-SENEME, A. et al. Avaliação do vigor de sementes peliculizadas de tomate. Revista Brasileira de Sementes, v. 26, n. 2, p. 1-6, 2004.

MARTINS, C. C. et al. Comparação entre métodos para avaliação do vigor de lotes de sementes de couve-brócolos (Brassica oleracea L. var. italica PLENK). Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 2, p. 96-101, 2002.

MIGLIAVACCA, R. A. et al. O cultivo da chia no Brasil: futuro e perspectivas. Journal of Agronomic Sciences, v. 3, Sup., p. 161-179, 2014.

NONOGAKI, H. Seed germination: the biochemical and molecular mechanisms. Breeding Science, v. 56, n. 1, p. 93-105, 2006.

PEREIRA, F. R. S. et al. Qualidade fisiológica de sementes de milho tratadas com molibdênio. Revista Brasileira de Sementes, v. 34, n. 3, p. 450-456, 2012.

POSSENTI, J. C. et al. Influência da temperatura e do substrato para a germinação de sementes de chia. Científica, v. 44, n. 2, p. 235-238, 2016.

ROCHA, T. G. F. et al. Vigor de sementes de moringa pelo teste de emissão da raiz primária. Tecnologia & Ciência Agropecuária, v. 10, n. 5, p. 63-68, 2016.

SANDOVAL-OLIVEROS, M. R.; PAREDES-LÓPES, O. Isolation and characterization of proteins from chia seeds (Salvia hispanica L.). Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 61, n. 1, p. 193-201, 2013.

STEFANELLO, R. et al. Germinação e vigor de sementes de chia (Salvia hispanica L. – Lamiaceae) sob diferentes temperaturas e condições de luz. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 17, n. 4, p. 1182-1186, 2015.

TOLEDO, F. F. et al. Vigor de semente de milho (Zea mays L.) avaliado pela precocidade de emissão da raiz primária. Scientia Agrícola, v. 6, n. 1, p. 191-196, 1999.

WRASSE, C. F. et al. Testes de vigor para sementes de arroz e sua relação com o comportamento de hidratação de sementes e a emergência de plântulas. Científica, v. 37, n. 2, p. 107-114, 2009.

Publicado
01-04-2019
Seção
Nota Técnica