CRESCIMENTO E PRODUÇÃO DO PIMENTÃO SEMI-HIDROPÔNICO SOBREJEITO DE DESSALINIZADORES E FERTILIZAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL

Palavras-chave: Estresse salino. Capsicumannuum L. Nutrição mineral.

Resumo

O rejeito de dessalinizadores surge como uma fonte alternativa, principalmente quando aliado à técnica da hidroponia e da adubação com fonte orgânica e mineral. Objetivou-se avaliar os efeitos do uso do rejeito da dessalinização em sistema semi-hidropônico do tipo aberto na produtividade de plantas de pimentão fertilizadas com adubo orgânico e mineral. A pesquisa foi conduzida em sistemasemi-hidropônico tipo aberto no IFCE, Campus Limoeiro do Norte, CE. O delineamento experimental foi o de blocos casualizados em esquema fatorial 5 x 4, referentes as diferentes concentrações de água salina (0,5; 1,5; 3,0; 5,0; e 7,5 dS m-1) e quatro formas de aplicações de fertilizantes na solução nutritiva (F1 = 50% da dose recomendada; F2 = 100% da dose recomendada e F3 = 150% da dose recomendada com fonte orgânica e F4 = 100% da dose recomendada com fonte mineral, com 4 repetições. Foram analisadas as seguintes variáveis: número de folhas, altura de plantas, área foliar, número de frutos por planta, comprimento e largura do fruto e a produção. A forma de adubação F3 (150% da dose recomendada com fonte orgânica) seguido da F4 (100% da dose recomendada com fonte mineral) e da F1 (50% da dose recomendada com fonte orgânica) atenuaram o efeito deletério da água do rejeito salino no crescimento do pimentão cultivado em sistema semi-hidropônico. A forma de adubação F4 (100% da dose recomendada com fonte mineral) proporciona maior desempenho produtivo da cultura do pimentão cultivada em sistema semi-hidropônico irrigada com água de rejeito salino.

Referências

CAMPOS, V. B.; CAVALCANTE, L. F. Salinidade da água e biofertilizante bovino: efeito sobre a biometria do pimentão. Holos, v. 2. n. 25, p. 10–20, 2009.

CAVALCANTE, L. F. et al. Irrigação com águas salinas e uso de biofertilizante bovino na formação de mudas de pinhão-manso. Revista Irriga, v. 16, n. 3, p. 288–300, 2011.

DIAS, T. J. et al. Qualidade física e produção do maracujá amarelo em solo combio fertilizante irrigado com águas salinas. Semina, v. 33, sup., p. 2905–2918, 2012.

GUEDES FILHO, D. H. et al. Biometria do girassol em função da salinidade da água de irrigação e da adubação nitrogenada. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 7, n. 5, p. 277–289, 2013.

GUIMARÃES, J. W. A. Produção Orgânica Irrigada e Rentabilidade do Pimentão Amarelo sob diferentes Ambientes e Dosagens de Biofertilizante. 2013. 136 f. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013.

GOMES, K. R. et al. Irrigação com água salina na cultura do girassol (Helianthusannuus L.) em solo com biofertilizantebovino. Irriga, v. 20, n. 4, p. 680–693, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Agropecuário 2016. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/brasil_2006/Brasil_censoagro2006.pdf>. Acesso em: 31 de mar de 2016.

LEMOS NETO et al. Análise do crescimento inicial do pimentão submetido a diferentes níveis de salinidade. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, v. 8, n. 14; p. 42–50, 2012.

LEONARDO, M. et al. Produção de frutos de pimentão em diferentes concentrações salinas. Irriga, v. 12, n. 1, p. 73–82, 2007.

LIMA, G. S. et al. Aspectos de crescimento e produção da mamoneira irrigada com águas salinas e adubação nitrogenada. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 6, p. 615–622, 2014.

MEDEIROS, P. R. F. et al. Tolerância da cultura do tomate à salinidade do solo em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 16, n. 1, p. 51–55, 2012.

MERCADO COMUM DO SUL - MERCOSUL.– Resolução 142/96, de 13 de dezembro de 1996. Aprova o RegulamentoTécnico MERCOSUL de Identidade e de Qualidade do Pimentão. Disponível em: <http://www.mercosur.int/msweb/Normas/normas_web/Resoluciones /PT/96142.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2016.

MORAES, D. P. et al. Rejeito salino e solução nutritiva em alface cultivada em sistema hidropônico, Magistra, v. 26, n. 3, p. 357–364, 2014.

NASCIMENTO, J. A. M. et al. Efeito da utilização de biofertilizante bovino na produção de mudas de pimentão irrigadas com água salina. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 6, n. 2, p. 258–264, 2011.

NUNES, R. L. C. et al. Efeitos da salinidade da solução nutritiva na produção de pimentão cultivado em substrato de fibra de coco. Revista Caatinga, v. 26, n. 4, p. 48–53, 2013.

OLIVEIRA, F. A. et al. Interação entre salinidade da água de irrigação e adubação nitrogenada na cultura da berinjela. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 5, p. 480–486, 2014.

RUBIO, J. S. et al. Sweet pepper production in substrate in response to salinity, nutrient solution management and training system. Horticultura Brasileira, v. 29, n. 3, p. 275–281, 2011.

SANTOS, E. O. et al. Biomass accumulation and nutrition in micropropagated plants of the banana ‘pratacatarina’ under biofertilisers. Revista Caatinga, v. 30, n. 4, p. 901–911, 2017.

SEDIYAMA, M. A. N.et al. Rendimento de pimentão em função da adubação orgânica e mineral. Horticultura Brasileira, v. 27, n. 3, p. 294–299, 2009.

SILVA, A. O. et al. Consumo hídrico da rúcula em cultivo hidropôniconft utilizando rejeitos de dessalinizador em Ibimirim-PE. Irriga, v. 17, n. 1, p. 114–125, 2012.

SILVA, F. L. Yield of common figfertigated with bovine biofertilizer in the semiarid region of Ceará. Revista Caatinga, v. 29, n. 2, p. 425–434, 2016.

SILVA, F. L. B. et al. Irrigação com águas salinas e uso de biofertilizante bovino nas trocas

gasosas e produtividade de feijão-de-corda. Irriga, v. 18, n. 2, p. 304–317, 2013.

SOARES, T. M. et al. Destinação de águas residuárias provenientes do processo de dessalinização por osmose reserva. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. v. 10, n. 3, p. 730–737, 2006.

SOUSA, G. G. et al. Irrigação com água salobra na cultura do rabanete em solo com fertilizantes orgânicos. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 10, n. 6, p. 1065–1074, 2016.

STEDUTO, P. et al. Crop yield response to water. FAO Irrigation and Drainage Paper 66. Rome, 2012, 505 p.

TIVELLI, S.W.; MENDES, F.; GOTO, R. Estimativa da área foliar do pimentão cv. Elisa conduzido em ambiente protegido (Capsicumannum L.). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 38., 1997, Manaus. Anais... Brasília: SOB, 1997.

TRANI, P. E.; TIVELLI, S. W.; CARRIJO, O. A. Fertirrigação em Hortaliças. Campinas: IAC, 2011. 51 p. (Boletim Técnico, 196).

ÜNLÜKARA, A.; KURUNÇ, A.; CEMEK, B. Green long pepper growth under different saline and water regime conditions and usability of water consumption in plant salt tolerance. Journal of Agricultural Sciences, v. 21, s/n., p. 167–176, 2015.

Publicado
2019-11-19
Seção
Engenharia Agrícola