DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO POTENCIAL DE ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE SOJA

Palavras-chave: Vigor. Geoestatística. Glycine max. Produção de sementes. Variabilidade espacial.

Resumo

Objetivou-se identificar a distribuição espacial da qualidade fisiológica de sementes de soja durante o armazenamento, provenientes de campo de produção de 39 hectares por meio de técnicas de geoestatística na safra 2012/2013. Realizou-se amostragem de sementes em pontos georreferenciados, para a determinação da qualidade fisiológica e análise da dependência espacial. Os resultados foram submetidos às análises de estatística descritiva, correlação linear de Pearson e geoestatística. O grid de um ponto por hectare e uma malha de amostragem georreferenciada com espaçamento de 100 metros entre pontos foi eficiente na avaliação da variabilidade espacial. Constatou-se a existência de correlação negativa entre a variável teor de proteína e ataque de percevejos e correlação significativa entre a intensidade de dano por percevejo e o teor de proteína com as variáveis relacionadas a qualidade de sementes. A qualidade fisiológica não é uniforme, particularmente em relação ao vigor, proporcionando melhor diagnóstico por meio de mapas de interpolação. A agricultura de precisão, associada ao monitoramento da qualidade de sementes durante o armazenamento, indicou variabilidade espacial da qualidade desde a colheita até o fim do armazenamento. Áreas com altos índices de danos por percevejo e unidade apresentaram baixa qualidade fisiologia e reduzidos teores de proteína. A geoestatística possibilita determinar a distribuição espacial da qualidade fisiológica de sementes de soja em área de produção de sementes, facilitando a tomada de decisão, no que se refere às áreas a serem colhidas.

Referências

ANDRIOTTI, J. L. S. Fundamentos de estatística e geoestatística. 1. ed. São Leopoldo, RS: UNISINOS, 2013, 102 p.

ARTUZO, F. D. et al. Gestão de custos na produção de milho e soja. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 20, n. 2, p. 273-294, 2018.

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS – AOAC. Official methods of analysis. Washington, 1975. 1054 p.

ASSOCIATION OF OFFICIAL SEED ANALYSTS - AOSA. Seed vigor testing handbook. Stillwater: 2002. 88 p. (Contribution, 32).

BORLACHENCO, N. G. C.; GONÇALVES, A. B. Expansão agrícola: Elaboração de indicadores de sustentabilidade nas cadeias produtivas de Mato Grosso do Sul. Interações, v. 18, n. 1, p. 119-128, 2017.

BORTOLOTTO, R. P. et al. Teor de proteína e qualidade fisiológica de sementes de arroz. Bragantia, v. 67, n. 2, p. 513-520, 2008.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: SDA/ACS, 2009. 399 p.

CAMBARDELLA, C. A. et al. Field-scale variability of soil properties in central Iowa soils. Soil Science Society of America Journal, v. 58, n. 5, p. 1501-1511, 1994.

CARDOSO, R. B.; BINOTTI, F. F. DA S.; CARDOSO, E. D. Potencial fisiológico de sementes de crambe em função de embalagens e armazenamento. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 42, n. 3, p. 272-278, 2012.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP, 2012. 590 p.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira de grãos - Safra 2017/18. Quinto Levantamento, Fevereiro 2018. Brasília, 2018. p. 1-140.

CORRÊA, M. F. et al. Variabilidade espacial dos atributos químicos e agronômicos do solo em campo de produção de sementes de trigo. Scientia Agraria Paranaensis, v. 16, n. 4, p. 500-509, 2017.

COSTA, N. P. et al. Perfil dos aspectos físicos, fisiológicos e químicos de sementes de soja produzidas em seis regiões do Brasil. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 2, p. 172-181, 2005.

DALTRO, E. M. F. et al. Dessecação em pré-colheita de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 1, p. 111-122, 2010.

DANCEY, C. P.; REIDY, J. Análise de correlação: o r de Pearson. In: DANCEY, C. P, REIDY, J. (Eds.). Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre, RS: Artemed, 2006. cap. 5, p. 178-216.

FAVARATO, L. F. et al. Adubação nitrogenada e qualidade fisiológica de sementes de trigo. Bragantia, v. 71, n. 1, p. 371-379, 2012.

FORTI, V. A.; CICERO, S. M.; PINTO, T. L. F. Avaliação da evolução de danos por “umidade” e redução do vigor em sementes de soja, cultivar TMG113-RR, durante o armazenamento, utilizando imagens de raios x e testes de potencial fisiológico. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 3, p. 123-133, 2010.

FRANÇA-NETO, J. B.; KRZYZANOWSKI, F. C.; COSTA, N. P. The tetrazolium test for soybean seeds. Londrina, PR: EMBRAPA-CNPSo, 1998. 72 p.

GAZOLLA-NETO, A. et al. Spatial distribution of physiological quality of soybean seed production field. Revista Caatinga, v. 28, n. 3, p. 119-127, 2015.

GAZOLLA-NETO, A. et al. Spatial distribution of the chemical properties of the soil and of soybean yield in the field. Revista Ciência Agronômica, v. 47, n. 2, p. 325-333, 2016.

GIOTTO, L.; ROBAINA, A. D.; SULZBACH, L. A. Agricultura de precisão com o sistema CR Campeiro 6. Santa Maria, RS: FATEC/UFSM, 2007. 330 p.

GOMES JUNIOR, F. G.; SÁ, M. E. Qualidade de sementes de feijão e adubação nitrogenada. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 1 p. 34-44, 2010.

GRIS, C. F. et al. Qualidade fisiológica e teor de lignina no tegumento de sementes de soja convencional e transgênica RR submetidas a diferentes épocas de colheita. Ciência e Agrotecnologia, v. 34, n. 2, p. 374-381, 2010.

HENNING, F. A. et al. Composição química e mobilização de reservas em sementes de soja de alto e baixo vigor. Bragantia, v. 69, n. 10, p. 727-734, 2010.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Londrina, PR: ABRATES, 2015. 660 p.

MATTIONI, N. M.; SCHUCH, L. O. B.; VILLELA, F. A. Variabilidade espacial da produtividade e da qualidade das sementes de soja em um campo de produção. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 4, p. 608-615, 2011.

MESTAS, R. M. et al. Variabilidad espacial de los atributos físico-hídricos del suelo y de la productividad del cultivo de fréjol (Phaseolus vulgaris L) irrigado bajo un sistema de siembra directa. Revista de Ciências Agrárias, v. 33, n. 1, p. 307-313, 2010.

MONDO, V. H. V. et al. Spatial variability of soil fertility and its relationship with seed physiological potential in a soybean production area. Revista Brasileira de Sementes, v. 34, n. 2, p. 193-201, 2012a.

MONDO, V. H. V. et al. Vigor de sementes e desempenho de plantas de milho. Revista Brasileira de Sementes, v. 34, n. 1, p. 143-155, 2012b.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina, PR: ABRATES, 1999. cap 2, p. 20-24.

PESKE, S. T.; BARROS, A. C. S. A; SCHUCH, L. O. B. Produção de Sementes. In: PESKE, S. T.; VILLELA, F. A.; MENEGHELLO, G. E. (Eds.). Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. Pelotas, RS: Universitária, 2012, cap. 2, p. 13-100.

SANTOS, J. F. et al. Avaliação do potencial fisiológico de lotes de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 4, p. 743-751, 2011.

SCHEEREN, B. R. et al. Qualidade fisiológica e produtividade de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 3, p. 35-41, 2010.

SCHUCH, L. O. B.; KOLCHINSKI, E. M.; FINATTO, J. A. Qualidade fisiológica da semente e desempenho de plantas isoladas em soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 144-149, 2009.

SOUZA, C. M. A. et al. Espacialização de perdas e da qualidade do feijão em colheita semimecanizada. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 32, n. 2, p. 201-208, 2010.

TOLEDO, M. Z. et al. Qualidade fisiológica e armazenamento de sementes de feijão em função da aplicação tardia de nitrogênio em cobertura. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 39, n. 2, p. 124-133, 2009.

WILDING, L. P.; DREES, L. R. Spatial variability and pedology. In: WILDING, L. P.; SMECK, N. E.; HALL, G. F. (Eds.). Pedogenesis and soil taxonomy. Amsterdam: Elsevier Science, 1983. v. 1, cap. 4, p. 83-116.

Publicado
2019-05-20
Seção
Agronomia